sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Quem se Lembra do Pequeno Zolika?

O pequeno Zolika a recolher restos de comida e roupa deixados para trás pelos ditos "refugiados" mouros.


"Foi Deus que criou o mundo, mas parece ser o diabo que o mantém." - Tristan Bernard (1866-1947)

Há algumas semanas atrás, a gigantesca máquina de lavar cérebros que são os media ocidentais, entrou em velocidade máxima a propósito da morte do pequeno mouro Alan Kurdi.[1] O momento era demasiado bom para não ser logo aproveitado pelos jornaleiros internacionalistas ao serviço dos regimes "democratas" europeus.

Em poucas horas praticamente todos os meios de comunicação social foram inundados com a história do naufrágio fatal de Alan Kurdi ao largo da costa turca. É escusado dizer que não tardou para que o dramatismo e a mais pura irracionalidade tomassem conta de muito boa gente, que de um momento para o outro passou a defender loucuras como uma política de fronteiras abertas a toda e qualquer alma que se apresente nas nossas fronteiras, independentemente de estar ou não acompanhada de documentos.

O objectivo estava atingido. Os media ocidentais mais uma vez conseguiram levar a cabo uma brilhante operação de lavagem cerebral colectiva e utilizaram a morte de uma simples criança para defender a sua fanática agenda internacionalista, financiada e totalmente ao serviço dos suspeitos do costume: a eterna alta finança...

Aliás, a actual crise de refugiados tem sido prodigiosa a gerar reportagens sobre crianças mouras que "perderam tudo" e por isso mesmo nós europeus temos de acolher todos os desesperados que nos chegam às fronteiras, para provar ao Mundo que somos bonzinhos e que à mínima dificuldade do Terceiro Mundo, estamos preparados para literalmente "baixar as calças e dar o cu" se tal for preciso.


 Vídeo onde se podem ver "refugiados" mouros na Húngria a recusar ofertas de comida e água e a impedir que as mesmas sejam dadas às mulheres e crianças que com eles se encontram.


No entanto, no meio de tanto drama, os media parece que se esqueceram de fazer reportagens sobre os muitos "refugiados" que destroem os seus documentos para tentar ocultar a sua verdadeira nacionalidade e identidade.

Mas afinal quem é que esta gente pensa que está a enganar? A mim com certeza que não é.

Aquilo de que os media ocidentais não falam e deviam falar, é que as armas que reduziram a Síria a um monte de entulho, foram em larga medida fornecidas pelos tais "democratas" exemplares que hoje temos na Europa, nos Estados Unidos e na Turquia. Da mesma forma que foram estes mesmos "democratas" que reduziram o Iraque à actual miséria que se vê e transformaram a Líbia num faroeste mouro dominado por milícias que se combatem e vão continuar a combater entre si durante muito tempo. 

Como podem ver, tudo aquilo em que os "democratas" ocidentais tocam, transforma-se inevitavelmente em tragédia sangrenta sem fim à vista, na Europa também logo lá chegaremos, já estamos em "banho-maria" e trata-se apenas de uma questão de tempo...

Os media ocidentais também não falam dos milhões de crianças pobres e a passar por graves privações que hoje temos na Europa. Uma destas crianças é o pequeno Zolika de oito anos, que actualmente vive em Horgoš, uma localidade da Sérvia que está geográficamente próxima da fronteira Húngara.

O pequeno Zolika é uma menino sérvio que desde há algumas semanas a esta parte, adoptou uma nova rotina para sobreviver. Todos os dias depois de sair da escola, em conjunto com a sua avó, vai recolher as roupas e os restos de comida deixados para trás pelos tais "refugiados" (a maioria são homens em idade militar...) que estão tão "esfomeados", "desesperados", "pobres" e "maltratados" que até se dão ao luxo de poder deitar fora a comida que lhes é oferecida pelos sempre "imundos infiéis cristãos".

A União Europeia, hoje totalmente dominada por aquele suíno teutónico que dá pelo nome de Angela Merkel, deixa as crianças europeias literalmente ao abandono (em Portugal há relatos de crianças que chegam de manhã à escola com fome e isto é apenas a ponta do iceberg...) e ninguém vê a elite europeia em bicos de pés a exigir histericamente que se "ajudem" as crianças da Europa.

Não consigo ver, nem ouvir, os latidos indignados do Guterres (um traidor que fugiu de Portugal por ser demasiado cobarde para dar a cara pela sua incompetência como Primeiro-Ministro), do Papa Chico, do Holland, da Mer(d)kel, da Federica Mogherini ou dos líderes das ONG's internacionalistas a exigir que se ajude o Zolika e a sua família ou qualquer outro europeu que hoje esteja a passar por graves dificuldades.


 "Refugiados" mouros rejeitam caixas de comida apenas porque têm uma cruz pintada nas mesmas, a qual é o símbolo da Cruz Vermelha. Alguém pode considerar que este tipo de pessoas são minimamente razoáveis o suficiente para que lhes seja permitida a entrada na Europa?


Este é o retrato perfeito da elite que hoje temos na Europa, salvo algumas raras excepções, estamos entregues a um bando de tarados maçónicos que não vê mais nada à frente a não ser a sua glória pessoal e olha com desprezo (quando não persegue e censura de forma implacável) qualquer um que tente ir contra este estado de coisas verdadeiramente deplorável.

O pequeno Zolika muito provavelmente irá continuar a ser deixado à sua sorte, tal como muitos outros milhões de crianças europeias que por serem europeias, não têm direito à tal "ajuda humanitária" para os ditos "refugiados" que inclui para além dos alimentos, protestos histéricos de indignação, bolsas de estudo, serviços médicos e medicação, lavandaria, internet, mesada e habitação, tudo gratuito e pago pelo contribuinte europeu.

Quem hoje for um europeu branco (essa raça maldita!) e tiver filhos é bom que não se esqueça de tudo isto. Se amanhã caírem em desgraça por via do desemprego ou outra tragédia qualquer, serão abandonados e deixados à vossa sorte. Por mais impostos que vos obriguem a pagar, os vossos filhos dificílmente terão acesso a alguma bolsa de estudo no ensino superior, ao contrário de muitos jovens "refugiados" mouros em idade militar que agora dão à nossa costa. 

Tudo isto é a prova (mais uma...) do ódio visceral que as nossas actuais elites têm à Europa e aos europeus brancos em geral. O que se está a passar hoje configura um genocídio lento, na forma de substituição demográfica das populações autóctones europeias, movido pelos internacionalistas fanáticos que tomaram a Europa de assalto desde o fim da Segunda Guerra Mundial e que estão apostados em acabar connosco de uma vez por todas. 

Isto não vai acabar bem, nem pode acabar bem, ou os europeus arrancam e destroem de uma vez por todas a elite que está hoje no poder, pela força se necessário, ou será o nosso fim como povo e Civilização milenar. O tempo não pára, é bom que pensam nisto.

___________________________________________________
Notas:
[1] WIKIPEDIA - Death of Alan Kurdi. Link: https://en.wikipedia.org/wiki/Death_of_Alan_Kurdi
 
João José Horta Nobre
Outubro de 2015






3 comentários:

  1. Excelente trabalho, caro JJHN!


    «(…) as armas que reduziram a Síria a um monte de entulho, foram em larga medida fornecidas pelos tais "democratas" exemplares que hoje temos na Europa, nos Estados Unidos e na Turquia.»

    E para cúmulo do ridículo, ainda têm o despudor de acusar a Rússia de estar a bombardear a “resistência contra o Assad!” Eu não sou nenhum fã da Rússia, muito menos de Putin… mas é preciso ter lata!

    «(…) ninguém vê a elite europeia em bicos de pés a exigir histericamente que se "ajudem" as crianças da Europa.»

    Nem vai ver, sou capaz de apostar! Se dependesse deles, as crianças europeias já nem sequer nasciam, que era para ver se se substituía a civilização pela barbáriede uma vez por todas!


    «Por mais impostos que vos obriguem a pagar, os vossos filhos dificilmente terão acesso a alguma bolsa de estudo no ensino superior, ao contrário de muitos jovens "refugiados" mouros em idade militar que agora dão à nossa costa.»

    Infelizmente, a maioria das pessoas com quem falo não acredita no que se está a passar. Ainda ao hoje ao almoço comentei com uns colegas que as autoridades da Alemanha estavam a tirar casas aos alemães para “abrigar” os refugiados. Só acreditaram em mim quando lhe mandei a hiperligação para a notícia!

    ResponderEliminar
  2. Os políticos europeus são fantoches do grande poder(bilderberg e afins que se reunem em hotéis de luxo em segredo)que quer fazer o caos geral(já fizeram lá no oriente médio)para melhor controlarem os povos e criarem a sociedade global onde não tem mais pátria nem cultura nem nada.Parecem agora muito preocupados com os migrantes/refugiados(não pensaram nisso quando se calaram perante guerras injustas fomentadas pelos zio-americanos)quando andam desde 2011 a castigar seus próprios cidadãos.A insanidade tomou conta do mundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os americanos esquerdistas como por exemplo, obama e irmandade muçulmana que fomentaram a primavera arabe que deu inicio ao genocidio dos cristaos sirios e iraquianos sao os maiores culpados.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...