quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Globalista, Eu?

O "Centro Estalinista" construído na cidade de Penza com o aval de Vladimir Putin e cujo objectivo declarado e principal é o de "estudar o espólio de Estaline", propagar “as normas éticas e morais da sociedade soviética” e combater “a influência destrutiva pós-modernista na cultura e nas artes”.



Ora vejamos, eu tenho sido sempre adepto de uma terceira via, anti-russa, anti-americana, anti-liberal, anti-marxista, anti-internacionalista e anti-imperialista. Também nunca me assumi como monárquico ou republicano e quando me questionam nesse sentido, respondo sempre que sou português, apenas português e nada mais. Aliás, é precisamente por não gostar de imperialismos de bota cardada, que crítico tanto o russo, como o estado-unidense. Não se trata de nenhum ódio contra estes povos, mas sim, de uma discordância total em relação à sua política externa. 

Julgo que tudo o que tenho escrito ao longo dos anos, deixa isto bem claro e definido. Não consigo por isso compreender as insinuações ocasionais e absolutamente ridículas (esta já não é a primeira...) de que eu sou um defensor do "globalismo dos Estados Unidos de Obama", apenas por criticar Putin e critico-o com toda a razão, devido ao simples facto de este não parar de financiar os inimigos internos e externos do meu próprio País.

Durante a Guerra Fria, tinhamos a União Soviética a patrocinar movimentos ditos de "libertação" em África e partidos e organizações de extrema-esquerda por toda a Europa que viviam da "teta" soviética. Hoje já não temos União Soviética, mas temos um ex-KGB saudosista da mesma sentado no Kremlin, que agora já não financia movimentos de "libertação" africanos, mas que continua a injectar milhões de rublos na extrema-esquerda europeia. Alguém que me diga qual é a diferença, pois eu de facto, não consigo encontrá-la...

O argumento típico é o de que "Putin é bom porque defende a Rússia" e combate a plutocracia interncional e internacionalista. 

E depois?

Hitler também defendia a Alemanha e combatia a plutocracia interncional e não é por isso que vamos considerar tamanho demente e mau estratega como tendo sido "bom". Da mesma forma que Estaline também defendia a União Soviética, independentemente do custo humano de tal política e não é por isso que vamos dizer que ele era "bom".

Como me dizia há meses um ucraniano a propósito dos tais "nacionalistas" que andam por aí a cair de amores pelo novo Czar: "O Putin está-se a cagar para vocês todos, ele só vos quer usar enquanto vocês lhes forem úteis. Depois manda-vos a todos à merda!"

João José Horta Nobre
7 de Janeiro de 2016

11 comentários:


  1. Caro JJHN


    Estou espantado que Putin lhe cause tantos arrepios, muito mais medo metiam a URSS e tinham uns pequenos pés de barro que simplesmente implodiram após o seu colapso económico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Putin não me causa arrrepios absolutamente nenhuns. Simplesmente não gosto é de gente falsa que faz de conta que é patriota e depois dá a mão à extrema-esquerda.

      Eliminar
    2. O que é que o suposto patriotismo de Putin tem a ver com o dar a mão à extrema-esquerda ocidental?

      Eliminar
    3. Tudo!

      A extrema-esquerda é por natureza internacionalista e pretende destruir as nações. Putin ao financiar a extrema-esquerda europeia está a enterrar-se a si mesmo e com o tempo vai acabar por virar muitos nacionalistas europeus contra ele próprio.

      Eliminar
  2. Caro João Horta

    “O argumento típico é o de que "Putin é bom porque defende a Rússia" e combate a plutocracia interncional e internacionalista.
    E depois?”
    E depois, parece-me ser algo que você (e eu também) defende para Portugal, alguém que defenda Portugal e os portugueses. E não vejo mais ninguém a afronta-los (exceptuando a Síria e o Irão, de formas diferentes, mas a fazê-lo, mas esses são outra conversa).
    Repare que são, para mim alguns argumentos de peso a favor dele; Defende os russos, no seu país e no estrangeiro, coisa que os nossos políticos não fazem, denuncia a máfia financeira internacional, coisa que os nossos políticos não fazem, antes pelo contrário subjugam-se voluntariamente a eles, afronta-os, coisa que os nossos não fazem, perseguiu muitos mafiosos na Rússia, que depois foram obter abrigo na Europa e nos USA, coisa que em Portugal é o que desgraçadamente se vê, na Europa e USA dão-lhes altos cargos, benefícios, etc, mais vezes que menos cumpre com aquilo que promete e diz que faz. E por cá?... é a vergonha que se vê.
    Quando a Ex-URSS caíu, os predadores internacionais já se babavam com o manjar, quando o Putin surgiu apostaram nele e até ser eleito fez-lhes a vontade, depois persegui-os. Nunca estes psicopatas o vão perdoar, daí a contínua propaganda contra ele, e agora que está a defender a Síria ainda menos.
    Quantas interferências externas, muitas são mesmo criminosas, sofre a Russia para se vergar aos ditames dos psicopátas internacionais? E os atentados que já sofreu?
    Lembra-se certamente dos ataques à economia portuguesa à poucos anos pelas empresas de dotação financeira e banca internacional. Arruinaram a depauperada economia portuguesa, alguém se levantou contra isso? Antes pelo contrario andaram a berrar aos sete ventos que era necessário a intervenção do FIM (fundo mafioso internacioal), especialmente o PSD, só o Sócrates disse logo de inicio, uma vez, que não era necessário e nem era bom (nessa altura até tinha razão e nunca na história do FMI foram boa as suas intervenções). Sem querer lá lhe escorregou o trapo para a verdade. Veja o que fazem com a Alemanha, exactamente o contrário do que fizeram com Portugal, Grécia, Irlanda e Espanha. Quiseram fazer o mesmo com a Islândia mas felizmente entalaram-se.
    É um homem perfeito? Concordo com tudo o que diz e faz? Concordo com todos os métodos que utiliza? Claro que não. Mas para o condenarmos por financiar, segundo você diz e os média que você refere, bastante duvidosos, está a fazer quase o mesmo que a Europa e os USA fazem. Ucrânia e ex-Jugoslávia, por exemplo.

    Alguma vez esta máfia psicotica internacional se preocupou/preocupa com o povo afegão, iraquiano, líbio, ou sírio (ou qualquer outro)? A vida desses povos nem entra nas equações que elaboram quando vão roubar os povos. Porque razão não entra o Putin nesses esquemas? Acha que tería alguma dificuldade por parte dos mafiosos em o aceitarem? Porque não alinha com eles e tem uma vida tranquila em vez de andar em permanentes apertos e com a cabaça a prémio?

    Olhe isto já vai longo, peço desculpa. Só mais uma coisa e por cá com a nossa realidade? Tomáramos nós que o povo eleja Paulo de Morais para ver se começamos a ir no bom caminho.
    Carlos

    ResponderEliminar
  3. A extrema-esquerda repudia o Cristianismo. A Rússia de Vladimir Putin, ao contrário da URSS, não só não persegue o Cristianismo como coloca-o no seu devido lugar identitário da nação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/01/o-paradoxo-de-putin.html

      Eliminar
  4. "O argumento típico é o de que "Putin é bom porque defende a Rússia"

    IMPORTANDO MILHÕES DE NÃO BRANCOS E FOMENTANDO A MSICIGENAÇÃO?
    BOTANDO NA CADEIA MILHARES DE NACIONALISTAS E ENRIQUECENDO MAFIOSOS JUDEUS?



    "e combate a plutocracia interncional e internacionalista. "

    COMO É COMBATER ALGO QUE SE FAZ PARTE?

    ResponderEliminar
  5. Deparei apenas há um par de meses com o vosso blogue historiamaximus, por cuja qualidade vos felicito.
    Sem querer ocupar-vos muito tempo, gostaria de dizer, a propósito dos artigos http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/01/globalista-eu.html e http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/01/qual-e-o-sabor-do-pudim-de-putin.html ,que se pecam por alguma coisa é pela brandura.
    Vladimir Putin é mais que um troca-tintas e creio que o seu objectivo não será meramente rebentar com a UE (tal como vós, também eu agradeço), mas algo bem mais pérfido.
    Putin faz parte, afinal, do mesmo pudim americano-sionista que pretende levar a cabo o armagedão que os tarados globalistas pretendem ter por missão cumprir.
    Tal como em tudo o que é diabólico, estes pseudo-inimigos são as duas faces da mesma moeda (como aliás é patente nos vossos artigos referidos).
    Remeto para um artigo de Maurizio Blondet sobre o rabino Dov Zakheim ( http://www.maurizioblondet.it/anche-rabbi-zakheim-e-entusiasta-di-vladimir-chi-si-rivede/ ) do qual cito um extracto:

    « ... E il rabbino Zakheim, come viceministro, aveva il compito di “comptroller”, controllore contabile, ossia le mani sul titanico bilancio del Pentagono, che è un oceano di sprechi non documentati. Nella voce di Wikipedia che lo riguarda, si dice che Zakheim fu messo a quel posto per cercare di capire dov’erano finiti 3 miliardi e mezzo (tremila milioni) di dollari smarriti nelle pieghe del Pentagono; i complottisti dicono che fu lui a farli sparire; certo è che quei 3,5 miliardi, il bravo rabbino non li trovò mai. Ma non gli fu rimproverata alcuna incompetenza. Nessun giornale, tg, men che meno giudice o investigatore gli ha chiesto mai conto di nulla. Nemmeno la Commissione d’Inchiesta del Senato sull’11 Settembre ha ritenuto di convocarlo giusto per ascoltare un testimone di quegli eventi. Poco dopo l’11 Settembre, a missione compiuta, Dov Zakheim è tornato a vita privata. No, non in sinagoga a studiare il Talmud. Nel settore militare-industriale, in cui è da sempre uno dei membri più in vista.
    E benemeriti.
    Perché è stato lui, Zakheim, a silurare (erano i tempi di Ronald Reagan) il progetto israeliano di fabbricare un caccia tutto sionista, che affrancasse Israele dalla dipendenza strategica di Washington; l’aereo, Lavi, era voluto da ministro della difesa di allora, Moshe Arens; Zakheim dunque ha legato per sempre Sion alla Lockheed Martin e agli F-16, F-20, eccetera, e l’America ad Israele con un reciproco nodo fatale.
    Rabbi Zakheim è dunque l‘uomo del destino.
    E l’uomo-chiave negli eventi che hanno portato l’America a destabilizzare Afghanistan, Irak, Libia, Somalia, adesso Siria. E’ l’uomo-chiave della strategia neocon che ha dissanguato l’America militarmente in 15 anni di guerre per Israele. Se dunque un simile personaggio esalta pubblicamente Vladimir Putin, vale la pena di ascoltarlo. ...»


    O artigo segue com outros dados interessantes.
    Conclusão: é certo que o Orlando Braga tem coisas interessantes mas por vezes é extremamente infeliz. Estes vossos artigos são bem fundados e Putin é mesmo muito perigoso, justamente por, ao contrário do Obama que só engana parvos, conseguir enganar gente (semi-) inteligente.
    Pax Christi

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...