sábado, 16 de janeiro de 2016

Na Rússia de Putin Ainda Não se Deve Falar Dos Crimes Sexuais Cometidos Pelo Exército Vermelho Contra as Mulheres Alemãs

Um poster de propaganda alemão cuja data é desconhecida, mas bastante premonitório sobre o mau tratamento que as mulheres alemãs iriam receber dos aliados, especialmente dos militares soviéticos. Reparem na figura sinistra do judeu em plano de fundo a insinuar e de acordo com a ideologia nazi, que a guerra contra a Alemanha era provocada pela judiaria mundial. À frente temos um soldado aliado de aspecto primitivo a tentar dominar uma mulher alemã, que por sua vez simboliza a própria Alemanha e a sua resistência ao domínio que os aliados, ou seja, os judeus lhe queriam impôr.  No cartaz pode-se ler: "Alemão! Deverá isto voltar a acontecer?"


"Há já três semanas que a guerra se travava na Alemanha e todos sabíamos perfeitamente que, tratando-se de moças alemãs, podiam ser violadas e fuziladas depois, constituindo isso quase uma distinção militar; se fossem polacas ou das nossas, russas, enviadas para a Alemanha, tolerava-se que se corresse atrás delas pela horta, nuas, dando-lhes palmadas nas nádegas: simples brincadeira e nada mais." - Alexandre Soljenitsine (1918 - 2008), Capitão de artilharia do Exército Vermelho in «Arquipélago de Gulag»

Quando o Exército Vermelho começou a avançar sobre o território alemão a partir de finais de Outubro de 1944, desencadeou-se aquilo que muito provavelmente foi a maior violação em massa da história da humanidade. Só em Berlim, após a queda da cidade para os soviéticos em Abril de 1945, estima-se que terão sido violadas ao todo cerca de 100,000 mulheres pelos soldados do Exército Vermelho.  

Em Viena, a situação não foi muito diferente, os números apontam para que na capital austríaca tenham sido violadas entre 70,00 a 100,000 mulheres pelo Exército Vermelho, que apesar de ser relativamente eficiente como instrumento de guerra - sofria principalmente das más decisões de estratégia tomadas por Estaline - era em termos de comportamento para com as populações civis, igual ou pouco melhor do que as hordas mongóis de Gengis Khan. Ao todo, no território alemão e austríaco "libertado" pelo Exército Vermelho, foram violadas centenas de milhares de mulheres pelos soldados do mesmo - algumas estimativas apontam mesmo para um total de cerca de dois milhões de mulheres violadas - muitas das quais sendo posteriormente assassinadas pelos mesmos soldados que as tinham violado ou simplesmente violadas até à morte por grupos de militares.[1]

Os inúmeros relatos disponíveis sobre este horror, apontam para um nível de brutalidade sexual que desafia a própria imaginação humana. Nem o Marquês de Sade no seu 120 Dias de Sodoma, conseguiu igualar a crueldade perversa que foi demonstrada pelos militares do Exército Vermelho. Um ex-oficial soviético relatou que devido à falta de mulheres adultas - uma grande parte da população, antevendo o que lhe esperava, fugia antes do Exército Vermelho chegar - era comum haver dez soldados a violar uma única rapariga de apenas doze ou treze anos de idade.[2]


Os "nobres aliados soviéticos", como Franklin Roosevelt lhes havia uma vez chamado, entraram em Danzig a 24 de Março de 1945. Não tardou para que começasse o reinado de terror já típico das zonas onde o Exército Vermelho se instalava. Uma professora de Danzig, relatou que a sua sobrinha de 15 anos foi violada sete vezes e outra sua sobrinha com 22 anos, foi violada quinze vezes pelos militares soviéticos.





É verdade que a União Soviética sofreu na pele a levou em cheio com a totalmente injustificada agressão nazi - morreram mais de vinte milhões de soviéticos a combater os exércitos de Hitler - e o comportamento da Wehrmacht para com as populações civis nos territórios ocupados, foi tudo menos exemplar. Porém, nada no Mundo pode justificar este nível de tratamento bárbaro para com civis. A situação ainda se torna mais arrepiante se tivermos em conta que muitas das vítimas dos ataques sexuais verdadeiramente selváticos por parte dos militares soviéticos, eram apenas crianças e raparigas adolescentes. 


Em Agosto do ano passado, o Ministério da Educação da região de Sverdlovsk, ordenou que fossem retiradas das bibliotecas todas as obras do historiador Antony Beevor, precisamente devido ao facto de este historiador já ter exposto os crimes soviéticos em vários dos seus escritos, especialmente na obra intitulada A Queda de Berlim: 1945, que incomodou de tal forma as autoridades do Kremlin, a ponto de estas terem feito pesadas críticas ao seu autor. Este negacionismo dos crimes cometidos pelo Exército Vermelho por parte do regime de Putin é absolutamente patético, não só porque contradiz uma quantidade mirabolante de testemunhos e documentos que relatam o sucedido nos territórios alemães e austríacos sob ocupação soviética, como também porque coloca mais uma vez a Rússia de Putin em defesa da velha e decrepita "vaca podre" soviética, cuja queda foi celebrada praticamente por todo o Mundo, com excepção dos países que estavam ideológica e economicamente dependentes da mesma.

Mas no fundo, esta postura de Putin não deve surpreender minimamente quem ande atento ao que se anda a passar na Rússia. Nos últimos anos tem sido mais do que evidente que Putin tem compactuado com a crescente nostalgia pró-Estalinista e extremamente saudosista da União Soviética que parece estar, pouco a pouco, a tomar conta da sociedade russa. Isto não augura nada de bom, nem para a Europa, nem para o Mundo...

___________________________________________________

Notas:
[1] ROBERTS, Geoffrey - Victory at Stalingrad: The Battle That Chaged History. Routledge, 2013. pp. 152-153.
[2] ALEXIEVICH, Svetlana - War's Unwomanly Face. Progress Publishers, Moscovo, 1988. p.33.
[3] HITCHCOCK, William I. - The Struggle For Europe: The Turbulent History of a Divided Continent, 1945 to the Present. Anchor Books, 2004.

João José Horta Nobre
16 de Janeiro de 2016
 

3 comentários:

  1. “É verdade que a União Soviética sofreu na pele a levou em cheio com a totalmente injustificada agressão nazi”
    Bem... é verdade mas... No livro icebreaker o autor explica que depois dos alemães saberem que os soviéticos os iam atacar não tiveram outra hipótese senão lançar um ataque preventivo.

    “e o comportamento da Wehrmacht para com as populações civis nos territórios ocupados, foi tudo menos exemplar.”
    Tem duas razões para não o ter sido, mas primeiro convém recordar que os alemães inicialmente foram vistos como salvadores. Depois a resistência e as ordens de hitler (absurdas e inexplicáveis) deitaram tudo a perder

    “vítimas dos ataques sexuais verdadeiramente selváticos por parte dos militares soviéticos, eram apenas crianças e raparigas adolescentes.”
    Havia nas tropas soviéticas a ideia de que violar uma mulher mais velha dava mais tempo de vida... portanto quanto mais velha melhor...

    Como já referi, e refiro no blog, O Rei vai Vestido, onde foi buscar alguma informação, o que os soviéticos fizeram foi uma barbárie monstruosa. Os próprios altos comandos soviéticos instigavam abertamente à violação.
    Segundo tb o autor do Icebreaker, nome dado a Hitler, porque era ele que iria quebrar o gelo e dar inicio à 2ªGG, as tropas soviéticas que chegaram à alemanha eram na sua maioria ex-condenados, daí a razão porque o KGB as seguia de perto, para que não desertassem. Razão tb para as enormes pilhegens que efectuaram na alemanha e ao povo alemão. É que o 1º exército foi quase completamente dizimado no ataque preventivo que os alemães fizeram*.
    Outro autor fala na bastardização da alemanha como um dos objectivos dos aliados (o que se está a passar com os “migrantes/refugiados” em até parte parece um déjà vu), e diz tb que quem levou a gonorreia para a Europa foram as tropas do norte de África e as tropas norte americanas

    *History of World War 2- Was the USSR set to attack Germany before Operation Barbarossa??
    https://www.youtube.com/watch?v=6Clv-c6QdBs&list=PLxPGa54gMbLCNbT4z0Z_9mBbNumxeTeqK
    Claro que os russos acusam-no de falsificar a história e os americanos apoiam-no. Já quanto aos que acusam as tropas americanas de violar, os americanos condenam-nos.
    Viktor Suvorov faz uma coisa muito importante, apresenta provas do que diz.
    Nos vários links que apresenta tem um que diz o seguinte: Porém, coincidência ou não, todos esses livros foram editados nos anos de 1990 no âmbito do programa “Renovação do Ensino de Ciências Humanas da Rússia”, financiado por George Soros.” etc. Financiado por George Soros, como é?...
    As violações não se tornaram conhecidas agora (anos 90), como alguns tentam dar a ideia, mas sim desde a 2ªGG e por todos. Simplesmente enquanto o ocidente foi amigo da URSS, até mesmo durante a guerra fria a apoiaram económica e financeiramente, legou para o esquecimento, agora que parece-me que o Putin não quer alinhar/submeter-se à oligarquia mundial é que surge...
    Também moro no Algarve quem sabe um dia ainda tomamos um café :)
    Fico por aqui, o lençol já vai longo
    Carlos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou do Algarve, mas não vivo lá, a não ser quando vou passar umas férias esporádicas de tempos a tempos na minha casa na Serra do Caldeirão.

      É mais provável que me apanhe por Lisboa, do que no Algarve...

      Eliminar

  2. Milhares de cidadãos alemães foi assassinados e estuprados por comunistas judeus polacos. É por isso que a Alemanha declarou guerra à Polônia e isso é um fato bem documentado. http://www.jrbooksonline.com/polish_atrocities.htm

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...