segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

O Cristianismo Falhou

Jesus Cristo: um profeta salvador ou um simples sábio judeu que com o seu excesso de bondade, lançou ingenuamente as sementes do suicídio colectivo de quem o segue?


Os pagãos faziam a guerra e defendiam o seu território por todos os meios possíveis quando este se encontrava ameaçado. Contra os avanços agressivos dos bárbaros da Germânia, os Romanos politeístas fizeram o possível e o impossível. Numa época em que ainda não havia motor de combustão ou antibióticos, as legiões romanas marchavam milhares de quilómetros ao sol e à chuva, sob a égide de Marte, o Deus romano da guerra, que proporcionava algum conforto espiritual e psicológico aos soldados romanos obrigados a enfrentar toda a espécie de perigos. 

Como os romanos originalmente não possuíam uma noção de vida após a morte num "reino" de felicidade ou infelicidade perpétua, é difícil saber o que pensaria o mais comum dos soldados romanos sobre a hipótese de vir a ser morto em combate ou morrer de doença. De qualquer forma, os pagãos romanos e gregos deram provas de sobra sobre a sua virilidade civilizacional.

Os povos nórdicos e germanos, por mera pressão demográfica conseguiram vergar Roma, mas também estes possuíam uma religião extremamente viril e combativa sob a forma de um paganismo Nórdico que prometia àqueles que morressem em combate o acolhimento na Valhala, ou seja, o paraíso. Segundo a mitologia nórdica e muito à semelhança do Islão, no Valhala também existiam uma espécie de virgens celestiais para acolher os mártires, a que os nórdicos chamavam carinhosamente de Valquírias.

Mas ao contrário do Islão, as Valquírias apesar de possuírem uma clara carga de erotismo mitológico, não eram concebidas como meras escravas sexuais de uma vida após a morte. Tratam-se de deidades femininas menores, mas que podiam também em teoria ser amantes daqueles que passavam para o além, especialmente se estes fossem heróis ou mortais que tivessem prestado serviços de relevo.

Ao contrário dos pagãos que não possuíam uma grande rigidez ortodoxa e facilmente eram capazes de adaptar as suas crenças à natureza e realidade circundantes, os judeus regiam-se e regem-se ainda nalguns casos, por leis extremamente severas, muitas das quais podemos encontrar no Antigo Testamento. No entanto, qualquer pessoa que já tenha lido o Antigo Testamento, sabe que aquilo é uma coisa "abrutalhada", disso restam poucas dúvidas, mas foi este mesmo "abrutalhamento" que transmitiu uma carga de virilidade aos Reis guerreiros de Israel que se batiam com bravura nas suas pequenas guerras locais. Hoje ainda se batem, a guerra Israelo-Palestiniana é no fundo apenas a perpetuação do modo de vida baseado no belicismo permanente que as antigas tribos de Israel sempre tiveram e conheceram. Os judeus e árabes no fundo, são uns pobres coitados que nunca conheceram outro modo de vida a não ser o de fazer a guerra pela guerra.

A este belicismo viril do Paganismo e Judaísmo, Jesus Cristo respondeu com uma mensagem de amor e paz. Na teoria, a mensagem de Cristo parece realmente trazer em si a chave para um Mundo melhor. Mas como se sabe, há sempre uma grande diferença entre a teoria e a prática. Ora, aqui é que reside o problema, pois na prática o Cristianismo parece que a longo prazo contribui para o "desarmamento" dos povos, ou seja, a mensagem universalista e pacificadora do Cristianismo, contribui claramente para reduzir as defesas psicológicas dos povos seguidores do mesmo.

Isto é um grande problema. Um problema que pode mesmo terminar em colapso civilizacional se tudo continuar como está.

Perante outras civilizações como a Islâmica que é claramente uma Civilização guerreira e altamente belicista, a Europa cristã já demonstrou que não é capaz de se defender, ou reagir adequadamente. Aos gritos de ódio e destruição lançados pela moirama contra as nossas pátrias, os cristãos da Europa respondem com verdadeiras mariquices do género "je sui Charlie", entre outras balelas que a turba do politicamente correcto vai inventando. O último episódio desta demência colectiva foi perpetrado por um grupo de "homens" holandeses, que em solidariedade para com a vítimas dos ataques sexuais de Colónia, decidiram fazer uma marcha de mini-saia!

Confrontada com a extrema agressividade demonstrada pelas hordas muçulmanas, a resposta da Europa cristã não consegue passar de mera palhaçada. 

Se lerem o Novo Testamento, é exactamente isto que Jesus apelou a que se fizesse perante a agressão alógena, ou seja, "dar a outra face" e "amar o inimigo" de forma incondicional, princípios estes que são nobres em teoria, mas um verdadeiro suicídio civilizacional quando aplicados à prática.

Verdade seja dita, os judeus por mais defeitos que possam ter, estão melhor preparados para se auto-defenderem do que nós, muito melhor preparados, pois o tal Antigo Testamento "abrutalhado" é precisamente a melhor defesa perante um inimigo bárbaro como o Islâmico.

É por este motivo que o "povo escolhido" de Israel vence e vai continuar a vencer, enquanto o cristão, enlameado de tanta "paz e amor", cavou possivelmente a sua própria sepultura...

Estou convicto de que o Cristianismo tem pesadas responsabilidades pela desgraça em que se encontra a Europa. Não escrevo isto com qualquer tipo de ódio ao Cristianismo, pois eu próprio sou baptizado e com muito orgulho nisso, mas sim, como uma mera reflexão sobre a realidade muito perigosa da situação actual em que nos encontramos.

Por isto tudo que acima foi dito, não julgo que seja ilegítimo perguntar: terá sido Jesus Cristo realmente um profeta salvador ou apenas um simples sábio judeu que com o seu excesso de bondade, lançou ingenuamente as sementes do suicídio colectivo de quem o segue?

Reparem que os judeus nunca reconheceram Jesus Cristo como sendo o Messias e eu desconfio seriamente de que eles perceberam logo que a mensagem de "paz e amor" trazida por Cristo, seria puro suicídio colectivo para o povo de Israel, que já então vivia acossado pelas perseguições quase permanentes do Império Romano.

As elites internacionalistas que hoje mandam na Europa, parecem claramente ter sido influenciadas pelo conceito do universalismo cristão, conceito este que é muito bonito na teoria, mas um autêntico desastre social quando aplicado à prática. 

O Cristianismo falhou, essa é a única conclusão lógica que se pode tirar disto tudo.

João José Horta Nobre
18 de Janeiro de 2016

55 comentários:

  1. Sinceramente ainda não fiz essa reflexão. Recordo as Cruzadas e o nosso D. Nuno Álvares que era muito religioso e cristão.
    Até que ponto isto não influencia mais do que o cristianismo na decadência do Ocidente, http://beforeitsnews.com/eu/2012/06/the-11-recommendations-of-the-frankfurt-school-2255629.html ?

    ResponderEliminar
  2. Are you out of your mind? Como é que "O Cristianismo Falhou"? O que é que fez com que o cristianismo falhasse, não foi por causa da penetração comunista e gayzista na ICAR e outras instituições cristãs que já está mais que provada em "Goodbye good man", no arquivo Mithrokine, pelos dissidentes soviéticos como Lt. Ion Mihai Pacepa em "Disinformation" e outros? Não foram eles que criaram a teologia da libertação que já colocou um papa deles no Vaticano? Não é essa teologia da libertação e a infiltração marxista que deturparam tanto o cristianismo a ponto de o transformarem numa espécie de contracto social? Com essa panaceia teológica sua e com os factos actuais(ou que explicam a situação actual) por outro lado, ainda acredita que foi "O Cristianismo Falhou"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Novo Testamento imepde a utilização de violênica, mesmo em auto-defesa. É só ler, as instruções de Cristo são muito claras.

      Há que dar sempre a "outra face" ao inimigo e amá-lo sob todas as circunstâncias, mesmo que este o queria aniquilar, violar a sua mulher e filha e no queimar viva o resto da sua família.

      A teologia Cristã é ultra-pacifista e o ultra-pacifismo, apesar de ser muito bonito, é suicídio puro em determinadas circunstâncias.

      Eliminar

  3. "Estou convicto de que o Cristianismo tem pesadas responsabilidades pela desgraça em que se encontra a Europa."


    Caro JJHN


    A Europa não está em desgraça, muito pelo contrário, os regimes comunistas já caíram, não estamos em guerra (tirando umas escaramuças na Ucrânia), o clima é ameno, não há falta de alimentos, nem de água, energia e dinheiro, há boas condições sanitárias, educação, saúde, transportes, justiça, segurança social, produzem-se bens e serviços. Isto comparado com outros continentes é um luxo.

    Que há problemas, todos nós sabemos que sim e que a verdadeira causa é o esquerdismo que os eleitores põem no poder.

    O que falta é vontade política dos governos de direita (quando voltam ao poder) de desmantelar as bases de sustentação da esquerda, por isso, assistimos tranquilamente nos nossos sofás à degradação mediática da situação económico-social.

    Eu continuo a insistir, é preciso desmantelar as bases de sustentação da esquerda.

    Aí vai a lista actualizada:

    Abolição do salário mínimo
    Liberalização dos despedimentos
    Abolição dos descontos
    Pagamento do verdadeiro custo da água e energia pelo utilizador
    Pagamento do verdadeiro custo de educação e saúde pelo utilizador
    Liberalização (facilitação, desregulamentação) do acesso às profissões liberais
    Sujeição a IRC a todas as pessoas colectivas
    Simplificação do IRS com sujeição individual, taxa única, sem deduções e abatimentos
    Taxa única no Iva
    Desmantelar o sistema escolar com o e-learning
    Varrer a função pública
    Extinção das juntas de freguesia
    ...
    ...
    ...
    ...

    ResponderEliminar
  4. Ora veja com atenção: http://www.montfort.org.br/veritas/goodbye.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O único problema é que do ponto de vista teológico, o Cristianismo proíbe a agressão.

      É verdade que na na Idade Média se fizeram as cruzadas, mas não há uma única linha no Novo Testamento que legitime as cruzadas. A agressão é terminantemente proibida pela mensagem de Cristo.

      O próprio Jesus Cristo que podia ter fugido com o auxílio dos seus seguidores, deixou-se capturar e executar de propósito. Deu a outra face ao inimigo e se nós perante o Islão, tivermos a mesmos postura que Cristo teve, daqui a 50 anos já não existirá Europa...

      Eliminar
    2. http://liberta-te.org/jesus-nos-mandou-usar-armas-para-nos-defendermos/

      Eliminar

    3. Caro JJHN


      Parece-me que precisa de umas aulinhas de catequese:

      Jesus não fugiu nem sequer utilizou nenhum poder divino para escapar aos seus perseguidores, simplesmente cumpriu a vontade do Pai.

      Jesus também deu umas valentes chibatadas nos vendilhões do templo.

      Jesus sempre pregou que devemos ser bons uns para os outros mas nunca disse que devíamos ser bonzinhos.

      Eliminar
    4. "Jesus não fugiu nem sequer utilizou nenhum poder divino para escapar aos seus perseguidores, simplesmente cumpriu a vontade do Pai."

      Essa questão da "vontade do pai" abre toda uma nova gama de questões.

      1º - Que tipo de pai é que quer que um filho morra pregado numa cruz?

      Mais um pouco e o Cristianismo quase parece uma espécie de Satanismo onde pais pregam filhos a cruzes...

      2º - Eu não estava lá, não vi nada disso. O que sabemos sobre Cristo foi aquilo que nos foi transmitido até aos dias actuais pelo Novo Testamento.

      Como é que eu sei que isso é verdade?

      Cristo tanto pode ter sido um profeta, como um simples sábio judeu que começou a falar demais e por causa disso os romanos fizeram-lhe o mesmo que faziam a quem desafiava o poder do Imperador de Roma, ou seja, a execução...

      O Cristianismo, tal como outra religião qualquer, implica a aceitação cega de dogmas. Se isso dá conforto às pessoas, então força, não me oponho a nada disso.

      Até porque é como eu digo, na teoria, a mensagem de Cristo não tem nada de mal, antes pelo contrário. O problema é a prática, pois se alguém espera poder derrotar o Islamismo militante com "paz e amor", então podem esperar sentados até que a vossa cabeça caia no chão a rolar...

      Eliminar

    5. "se alguém espera poder derrotar o Islamismo militante com "paz e amor""


      Caro JJHN


      Presumo que tenha estado desatento às últimas décadas, já houve várias limpezas no Iraque, Afeganistão, Síria, Somália, Líbano, Faixa de Gaza, Cisjordânia, etc.

      A Nato com os americanos à cabeça têm feito algumas boas limpezas, os franceses actuam na costa ocidental africana, os israelitas têm feito outras boas limpezas, até os russos resolveram bombardear na Síria e obviamente os próprios doidos também se matam uns aos outros.

      Que as coisas pudessem estar melhor, claro que sim, mas precisamos de governos fortes e isso é impossível com os esquerdalhos no poder.

      Voltamos ao mesmo, é preciso desmantelar as bases de sustentação da esquerda.

      Eliminar
  5. Como Cristo disse: "A César o que é de César, e a Deus o que é de Deus."

    Há que separar a Religião da Política: acha que a Igreja Cristã (Católica e Protestante) consegue influenciar politicamente a Europa Ocidental e do Norte nos dias de hoje? Olho e vejo uma Igreja cheia de medo e vergonha, sem força nem coragem. A Igreja, devido aos escândalos de pedofilia e ao marxismo cultural, está reduzida a um nicho cada vez menor e, se não se põe a pau, pode levar um golpe que a deixará como acessório decorativo! (ler: http://www.religionenlibertad.com/la-iglesia-obstaculo-a-derribar-el-responsable-europeo-contra-la-cristianofobia-33533.htm)

    A Igreja pode ajudar à festa mas não me parece contribuir significativamente para a Islamofilia: o problema é desta Política nojenta impregnada de marxismo cultural e multiculturalismo. Por favor, leia isto: http://malomil.blogspot.pt/2015/11/a-traicao.html

    ResponderEliminar
  6. Pelo contrário, deve-se é à falta do Cristianismo. Quando se fala do Cristianismo deve falar-se de tudo e não esquecer partes. A Igreja também defende coisas como a "guerra justa" e a cobrança da justiça. E o mais engraçado é que nos tempos em que a Igreja mandava, os muçulmanos bem que tentavam invadir, em vão, o velho continente.

    Quanto ao paganismo que o meu amigo parece adorar, veja lá o que é que pretende a Maçonaria (que é pagã) ou movimentos neopagãos como a Nova Era. E repare que o paganismo está em crescendo, em harmonia com o multiculturalismo e as desgraças que assolam o Ocidente (aborto, casamento gay, etc., tudo coisas que os antigos pagãos já praticavam e que o Cristianismo proibiu). Essa tentativa de colar o paganismo ao nacionalismo, ainda por cima étnico, não se sustenta. Até porque os próprios "deuses" dos pagãos têm correspondências internacionais.

    Sei que não gosta do exemplo da Rússia, mas pode ver o exemplo dos polacos, que também não gramam os russos. Presidente nacionalista e católico, povo esmagadoramente católico... e não é como países como Portugal onde se calhar apenas 2 milhões de pessoas - e já estou a arredondar por cima - é que são verdadeiramente católicas.

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Quando se fala do Cristianismo deve falar-se de tudo e não esquecer partes. A Igreja também defende coisas como a "guerra justa" e a cobrança da justiça."

      O que a Igreja diz é uma coisa, a palavra de Cristo é outra.

      A Igreja já defendeu muita coisa, até houve uma altura da história em que defendia a tortura praticada pela inquisição ou que se queimassem pessoas em fogueiras.

      A pobre da Joana d'Arc é um bom exemplo disso, foi queimada viva e depois arrependeram-se a decidiram beatificá-la.

      É só ler o Novo Testamento e está lá tudo. Nunca li por lá uma única linha em que Jesus Cristo defendesse a "guerra justa", bem pelo contrário, as suas instruções são claras: há que "dar a outra face" e "amar o inimigo" sob todas as circunstâncias.

      Em nenhum ponto do Novo Testamento eu consigo encontrar uma única frase de Cristo a defender o belicismo como meio de defesa.

      Quanto ao Paganismo, a qual deles é que se refere? É que são tantos...

      Abraço.

      Eliminar
    2. Exacto, é só ler o Novo Testamento que está lá tudo. As guerras são um resultado do pecado (Romanos 3:10-18) e Cristo não veio trazer a paz mas sim a espada (Mateus 10:34). Além disso, Jesus, que disse para darmos a outra face e amar o inimigo, também se lembrou de dizer que quem não crer (no Evangelho) será condenado (João 3:18) e para se sacudir o pó das sandálias como testemunho contra quem não adere ao Evangelho (Lucas 9:5). Jesus não era certamente um pacifista, mas era pacífico.

      De certeza que sabe porque é que surgiu a Inquisição e nomes como por exemplo cátaros não lhe serão estranhos. E de certeza que concorda que é preferível matar criminosos do que tê-los à solta. Compete às autoridades garantir o bem estar da população e a Igreja era, noutros tempos, a autoridade.

      A Joana d'Arc foi injustamente acusada de bruxaria. É um facto que a Igreja reconhece. Como ela, muita gente é injustamente condenada nos tribunais, e não só, em todo o mundo. Devemos então abdicar do pilar que é a justiça já que ela também falha?

      Quanto à questão da guerra justa, a Bíblia ensina-nos que nem todas as guerras são más. E São Paulo afirmou isso como sendo o poder que residia no imperador de Roma (Romanos 13:4), tendo sido subentendido por Jesus diante de Pôncio Pilatos (João 19:11).

      Quanto ao paganismo, tem razão quando diz que são tantos, e na verdade, tanto quanto sei, somente o paganismo nórdico/germânico (odínico) é que pode eventualmente ter algo de nacionalista étnico. Ainda assim, é apenas uma gota no imenso oceano que é o paganismo, claramente mais voltado para o sincretismo e as misturas.

      O Cristianismo já tem quase 2000 anos e a Europa entrou em declínio quando mesmo, a partir do momento em que o Cristianismo se tornou na principal base da sua civilização, ou muito depois, tipo na sequência da mania da separação entre Estado e religião em nome da laicidade e da igualdade religiosa/cultural? Sendo assim, ou os europeus demoraram séculos para se tornaram verdadeiramente cristãos, ou então não sei o que é que se há-de chamar Cristianismo...

      Eliminar
  7. O autor é ateu e talvez não o saiba. Não falo isso como quem insulta, mas como quem constata uma realidade.

    O Cristianismo, entendido como a Doutrina de Nosso Senhor Jesus Cristo, não "falhou" porque não pode falhar: NÃO SE TRATA DE UMA OBRA HUMANA DESTINADA A PROMOVER A PAZ E OS BONS COSTUMES, MAS DE UMA DOUTRINA REVELADA POR DEUS PARA A SUA MAIOR GLÓRIA E A SALVAÇÃO DAS ALMAS. Quem não entende isso é porque: não acredita em Deus, ou tem dele uma concepção errada, puerilmente humana e mitológica; não acredita que Nosso Senhor Jesus Cristo é Deus feito homem; não acredita em Céu e inferno; não acredita em salvação da alma. Em suma: é um materialista.

    A todos os materialistas, mesmo os não cientes de sua triste condição, eu os exorto a encher-se de boa vontade e a ler catecismos - anteriores a 1958 -, com atenção especial aos "motivos de credibilidade".

    Além disso, cabe observar o seguinte:

    - a Europa hoje não poderia estar mais longe de ser cristã;

    - a Doutrina de Nosso Senhor deve ser entendida de acordo com a leitura feita pela Igreja. A Bíblia é propriedade da Igreja, foi escrita por ela, compilada e transmitida por ela e não pode ser lida fora de sua autoridade, que é protegida do erro pelo Senhor. E a interpretação que a Igreja dá para o mandamento Cristão de "dar a outra face" é bem diferente da covardia, da pusilanimidade que o autor lhe atribui. Basta olhar a história das nações cristãs e ver que elas nada tinham de "pacifistas", no sentido moderno do termo;

    - A SEITA QUE OCUPA O VATICANO DESDE 28 DE OUTUBRO de 1958 NÃO DEVE SER CONFUNDIDA COM A IGREJA. Há uma seita anticristã que logrou tomar a cátedra de São Pedro, e usa dela para ensinar uma doutrina muito diferente da ensinda pela Igeja, em especial desde seu início até o fim do reinado de Pio XII. Não é inverossímil que isto represente já a "Grande Apostasia" profetizada muitas vezes.

    Que Nossa Senhora esteja convosco. Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo. Para Sempre Seja Louvado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A violência, mesmo em auto-defesa vai contra as instruções deixadas por Jesus Cristo.

      As cruzadas medievais e outros episódios de violência cristã tiveram origem em puras más interpretações do Novo Testamento e vão directamente contra a palavra de Cristo que é muito clara neste aspecto.

      Há que dar a outra face e amar o inimigo, mesmo que este nos deseje destruir a todo o custo.

      Nem a Igreja, nem ninguém tem o direito a distorcer a palavra de Cristo que está documentada no Novo Testamento.

      Eliminar
    2. O ensinamento de Nosso Senhor não é apenas o que está na Bíblia.

      "Jesus fez ainda muitas outras coisas. Se fossem escritas uma por uma, penso que nem o mundo inteiro poderia conter os livros que se deveriam escrever" (João 21,25).

      Além disso, Ele disse "ide e ensinai" (Mateus 28,19), não "ide e escrevei a Bíblia".

      A Igreja foi instituída por Ele para ensinar e salvar almas. É a Igreja quem reconhece o sentido apropriado das palavras dos Evangelhos porque, reitero, foi a Igreja, sob inspiração divina, quem os escreveu, quem os separou dos documentos falsos e os legou às gerações.

      Então é compreensível que a Igreja ensine coisas que aparentemente não estejam na Bíblia, ou que aparentemente estejam em contradição com algum trecho da Bíblia tirado do seu contexto (o "mostrar a outra face", por exemplo), pois nem tudo o que Nosso Senhor ensinou está na Bíblia. Não há, na verdade, contradição alguma.

      A Igreja não é fundada na Bíblia, mas na autoridade instituída por Nosso Senhor. Se não fosse a autoridade, nem mesmo a Bíblia valeria qualquer coisa, porque é a autoridade quem sustenta a Bíblia, não o contrário.

      O que fazem os protestantes - que é o que você faz aqui - é análogo a alguém que tomasse as suas memórias pessoais e as lesse de acordo com a vontade dela. E se você protestasse dizendo "não é assim", o usurpador diria que você está distorcendo as palavras que você mesmo escreveu.

      Somente um ateu, ainda que não consciente dessa condição, pode tomar a Bíblia como um mero documento histórico e humano. A Bíblia é sim um documento histórico, mas se se admite que ali há verdade histórica, deve-se forçosamente reconhecer que ela é também revelação divina, pois ela fala do Deus que se fez homem, revelou-nos uma Doutrina, fez milagres, ressuscitou dos mortos e instituiu a Igreja.

      Em vez disso, você, assim como cientistas ateus que estudam a Bíblia, reconhece a Bíblia como um documento histórico somente até onde ela não contraria o seu materialismo. Você reconhece que Jesus existiu, que foi um bom homem, um líder, que ensinou coisas sobre paz e amor; mas não que Ele é Deus, que revelou-nos a Doutrina de Deus, que fez milagres, ressuscitou dos mortos e instituiu uma Igreja infalível.

      Mas a verdade é que não há um "Jesus histórico" e um "mitológico". Há apenas um Jesus, que é o narrado nos Evangelhos. Sua Doutrina é a verdade e não pode falhar, porque vem de Deus. Homens falham, e falham justamente porque não observam a Doutrina.

      Eliminar
    3. «Você reconhece que Jesus existiu, que foi um bom homem, um líder, que ensinou coisas sobre paz e amor; mas não que Ele é Deus, que revelou-nos a Doutrina de Deus, que fez milagres, ressuscitou dos mortos e instituiu uma Igreja infalível.

      Mas a verdade é que não há um "Jesus histórico" e um "mitológico". Há apenas um Jesus, que é o narrado nos Evangelhos. Sua Doutrina é a verdade e não pode falhar, porque vem de Deus. Homens falham, e falham justamente porque não observam a Doutrina.»

      As questões de fé entram no campo do dogma religioso e não me compete a mim estar sequer a discuti-las, pois isso faz parte da fé pessoal de cada um.

      Mas não se pode negar, a crença em Jesus como sendo Deus, que fez milagres, ressuscitou dos mortos e instituiu uma Igreja infalível, é um dogma religioso. Não compete a um historiador sequer discutir essas questões, pois elas não possuem comprovação empírica que as sustente.

      Eliminar
    4. A disputa não é entre dogma e ciência: é entre dogma e dogma.

      Não é que eu tenha dogmas religiosos e você tenha a ciência histórica. Eu tenho dogmas religiosos, e você dogmas ateus. Talvez você não goste do rórtulo de ateu, ou de materialista, mas eu reitero que não o digo para insultar. Apenas não vejo uma qualificação melhor para quem crê que toda a história cristã ensinada pela Igreja é uma lenda de valor meramente humano, folclórico, cultural. Aliás: a seita que ocupa o Vaticano desde 28/10/1958 pensa o mesmo.

      Nem a referida seita nem vocês, cientistas ateus, creem que há uma VERDADE a respeito de Deus, independente da "fé pessoal de cada um". Era também a minha crença há algum tempo.

      Mas eu lhe digo: assim como não há teorema de pitágoras de cada um, gravidade de cada um, também não há "deus de cada um". Há um só Deus, que é o verdadeiro. E essa afirmação, longe de ser uma espécie de "pensamento positivo", SE PROVA ATRAVÉS DE MILAGRES E DE OUTROS "MOTIVOS DE CREDIBILIDADE", pois a Fé não é cega, mas auxiliada pela razão. Recomendo a leitura de bons catecismos, peferencialmente anteriores a 1958. Acha-se muita coisa antiga na Internet Sugiro os sites:

      http://alexandriacatolica.blogspot.com.br/
      http://www.obrascatolicas.com/

      Além de outros como o archive.org, especializados em armazenar documentos antigos. Pouquíssimo, ou nada, do que se encontra hoje nas livrarias, em matéria de Fé, teria melhor destino que o lixo.

      Mas nenhuma razão bastará se não for acompanhada da boa vontade, pois a vontade deve cooperar com a graça, como ensina a Igreja.

      Em meu caso a boa vontade foi estimulada quando comecei a pensar seriamente no mais comum, natural e certo dos acontecimentos: a morte. Não há nada como meditar sobre a brevidade desta vida para nos fazer desligar deste mundo e pensar o que haverá depois da morte - o que VERDADEIRAMENTE haverá depois da morte, independente da "fé de cada um". Assim acabei na Igreja em que fui batizado.

      Eu tendo a pensar que é, até certa medida, perdoável o presente estado de confusão, como o seu. Pois a maldita seita que tomou o Vaticano perverteu as coisas numa dimensão jamais vista. É compreensível que os homens tenham desconfiança quando ouvem falar que a Fé Católica é a verdadeira, pois quem aparece hoje representando a Igreja são pessoas como Jorge Mario Bergoglio e padres e bispos ladrões e pedófilos. É natural que criem desprezo pela Igreja.

      Não me parece possível desfazer o presente estado de confusão por meios humanos. Não será absurdo pensar que esta é já a grande apostasia predita na Bílbia e nas profecias de vários santos.

      Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo. Para Sempre Seja Louvado.

      PS: com a sua permissão, recomendo também um excelente site português destinado a esclarecer as coisas nesse tempo de crise:

      http://promariana.wordpress.com/

      Obrigado.

      Eliminar
  8. Apocalipse 3:15-16

    15 Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!

    16 Assim, porque você é morno, não é frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.

    Entre ser cristão ou judeu prefiro ser cristão.
    Basta ler o Talmud dos judeus Babilônico ou de Jerusalém para certificar que os tais documentos "sagrados" não são de gente muito bem das ideias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Apocalipse 3:15-16

      15 Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!

      16 Assim, porque você é morno, não é frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.»

      Parece que alguém aparentemente terá entrado em delírio...

      Eliminar
    2. Caro João,
      Nesta carta, o apóstolo acusa um certo líder de uma das setes igrejas, de está em cima do muro, atendendo sempre o lado que mais lhe favorecesse e considerando o tema em questão e que era o conteúdo da carta que contém estes trechos, Eu entendi estas acusações com o seguinte sentido:

      "Conheço teu comportamento quanto a nossa Doutrina Cristã, você nem se define contra e nem a favor ao nosso ideal de vida.
      Assim, porque você é um falso, que não toma uma decisão quanto aos seus interesses, se tornando um ser subserviente a seu próprio egoismo, estou a ponto de nunca mais falar seu nome."


      Aírton Barros

      Eliminar
  9. Uma resposta possível a sua postagem:

    http://www.montfort.org.br/old/index.php?secao=cadernos&subsecao=religiao&artigo=cavalaria&lang=bra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A violência, mesmo em auto-defesa vai contra as instruções deixadas por Jesus Cristo.

      As cruzadas medievais e outros episódios de violência cristã tiveram origem em puras más interpretações do Novo Testamento e vão directamente contra a palavra de Cristo que é muito clara neste aspecto.

      Há que dar a outra face e amar o inimigo, mesmo que este nos deseje destruir a todo o custo.

      Eliminar
    2. Mas tal é a interpretação que um Nietzsche fez de todo o Novo Testamento: do Cristianismo como uma religião dos fracos e oprimidos; dele constituir a expressão-mor do ressentimento que debilitava a vitalidade européia; de que em todo o Novo Testamento só há uma frase viril, porque escrita a sangue - o "que é a verdade?" de Pilatos -, sangue romano este mais "precioso" que o dos "inferiores" cristãos...

      Quem quer que haja lido a Legenda Áurea de Varazze, por exemplo, terá concluído, em sentido diverso, pelo exemplo dos mártires e santos, ser o Cristianismo uma religião realmente "viril", e estranha a todas as fantasias e delírios criados em torno de Cristo. Por exemplo: a luta do espírito para a manutenção do celibato, enquanto um dos meios de devotar toda a existência a Deus, é algo muito, mas muito viril; e para poucos. Um "pagão" seria incapaz de fazê-lo - a não ser, talvez, por orgulho; jamais por piedade religiosa.

      Eliminar
    3. A interpretação que Nietzsche fez do Cristianismo está errada, precisamente porque é preciso muita força e coragem para se conseguir "dar a outra face" e amar um inimigo que nos quer destruir.

      O Cristianismo não é uma religião de fracos e oprimidos. Traz é em si as sementes do suicídio civilizacional se a palavra de Cristo for seguida à letra.

      Eu não quero desapontar os cristãos, mas aquilo que a Igreja andou a apoiar durante muito tempo, nomeadamente as cruzadas, não está de acordo com a doutrina de Cristo.

      Os teólogos medievais bem andaram a tentar dar voltas ao Novo Testamento, com toda a espécie de "interpretações", de forma a tentar justificar as Cruzadas, mas a palavra de Cristo não é para ser, nem precisa de ser interpretada.

      As instruções que Cristo deixou para os seus seguidores, estão escritas preto no branco, no Novo Testamento, ninguém, seja a Igreja ou outra entidade qualquer, tem o direito a interpretá-las de acordo com a sua conveniência.

      Eliminar
    4. "As instruções que Cristo deixou para os seus seguidores, estão escritas preto no branco, no Novo Testamento, ninguém, seja a Igreja ou outra entidade qualquer, tem o direito a interpretá-las de acordo com a sua conveniência" - Está a falar como protestante e em nome do protestantismo, neste particular?

      Eliminar
    5. Não estou a falar nem como católico, nem como protestante, mas como um simples interessado em história que já leu várias vezes de trás para a frente e de frente para trás o Novo Testamento.

      Jesus Cristo não diz em parte nenhuma do Novo Testamento que a sua palavra é para ser "interpretada" de acordo com as conveniências do momento.

      Eliminar
    6. Sem mais. Obrigado por ter me respondido!

      Eliminar
  10. João, essa é a resposta?

    « Parece que alguém aparentemente terá entrado em delírio...»

    Você diz

    « Reparem que os judeus nunca reconheceram Jesus Cristo como sendo o Messias e eu desconfio seriamente de que eles perceberam logo que a mensagem de "paz e amor" trazida por Cristo, seria puro suicídio colectivo para o povo de Israel, que já então vivia acossado pelas perseguições quase permanentes do Império Romano.»

    Os judeus foram expulsos e perseguidos em todos os continentes e toda a forma de governo...ou seja, sem Cristo ou com Cristo os judeus serão sempre perseguidos... sempre vão estar em defesa... basta acompanhar os noticiários da mídia majoritária adestrada.... ISRAEL REAGE / ISRAEL CONTRA-ATACA e etc...

    Você parece ser um principiante quando assunto é judaísmo...

    Vamos comparar o Talmud com o Evangelho de Cristo para ver quem está delirando?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Os judeus foram expulsos e perseguidos em todos os continentes e toda a forma de governo...ou seja, sem Cristo ou com Cristo os judeus serão sempre perseguidos... sempre vão estar em defesa... basta acompanhar os noticiários da mídia majoritária adestrada.... ISRAEL REAGE / ISRAEL CONTRA-ATACA e etc...

      Você parece ser um principiante quando assunto é judaísmo...»

      Os judeus têm uma mentalidade paranóica de perseguição constante, pois sempre andaram em guerra contra alguém. As tribos de Israel nunca conheceram outro modo de vida a não ser o de fazer a guerra pela guerra.

      O mesmo vale para os árabes que antes da introdução do Islão, já se guerreavam constantemente nas suas pequenas guerrinhas locais.

      O Judaísmo apenas incentivou ainda mais ao conflicto, pois ao contrário do Cristianismo, não é uma religião que incentive a "dar a outra face", mas sim a combater, resistir e vingar-se.

      Já ouviu falar da célebre "vingança judaica"? Está em perfeita sintonia com a velha lei de Talião do "olho por olho e dente por dente." Os árabes também a seguem e o resultado está à vista, o Médio Oriente não passa de uma caldeirão de violência perpétua, precisamente devido à mentalidade de belicismo permanente que essa gente tem.

      Eliminar
  11. Exatamente, vivem em guerra porque querem o domínio de tudo... e vivem no seio das nações planejando conflitos e misérias em todos os continentes.

    O judaísmo está firme e forte graças o apoio das grandes nações, como por exemplo França, Estados Unidos e Alemanha. Caso contrário, os árabes já teriam varrido da Palestina.

    Nem todos os judeus são 100% judeu e, nem todos os cristãos são 100% cristãos.

    Há judeus que não seguem exatamente o dia santo. Preferem chegar mais tarde no serviço para não precisar abrir as portas dos estabelecimento comercial. Deixam o goyn fazer essa tarefa...

    Há também o cristão ao se deparar com um bandido saca a arma para proteger sua família...

    O teu argumento da outra face é a prova que não sabe o que é cristianismo...

    Até o Pe. Paulo Ricardo adverte nesse vídeo...

    Pais, armas de brinquedo sim ou não ?- pe Paulo Ricardo
    https://www.youtube.com/watch?v=xCDUHucC37E

    E a comparação entre o Talmud e o Evangelho?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O teu argumento da outra face é a prova que não sabe o que é cristianismo..."

      É só ler o Novo Testamento que eu já devo ter lido cuidadosamente por inteiro umas 6 ou 7 vezes no mínimo.

      Está lá preto no branco que temos de "dar a outra face" a quem nos bate e amar incondicionalmente o inimigo, mesmo que este queira exterminar a nossa família.

      É só ler.

      Eliminar
  12. Não é que falhou, é que foi substituído pela decadente fé protestante, o liberalismo, a maçonaria e por conseguinte o socialismo e o comunismo. Não descartaria o fato de estarmos vivendo a era até mesmo do paganismo. Satanás ludibriou o mundo cristão. Como diz as Escrituras Sagradas, o diabo no final dos tempos quase que enganará até mesmo os eleitos, se puder. E estamos no fim dos tempos predito pelas Sagradas Escrituras.
    Não é mais o cristianismo que aí está, caso contrário já teria tido uma Cruzada comandada por um Papa de verdade para por ordem na baderna.
    Espero ter sido claro.
    Eduardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Não descartaria o fato de estarmos vivendo a era até mesmo do paganismo. Satanás ludibriou o mundo cristão. Como diz as Escrituras Sagradas, o diabo no final dos tempos quase que enganará até mesmo os eleitos, se puder. E estamos no fim dos tempos predito pelas Sagradas Escrituras.»

      Não percebo o porquê de tanto ataque aos pobres dos pagãos. Eles não eram ateus, também tinham a sua fé e acreditavam nos seus deuses. À semelhança dos cristãos, muitos também acreditavam no Paraíso e no Inferno. Tinham os seus próprios cultos e locais de culto e faziam as suas próprias cerimónias religiosas.

      Só acho que é injusto tanto ataque contra os pagãos, aliás, a próprias Igreja Católica absorveu imensas influências pagãs. O próprio dia escolhido para celebrar o Natal, é de origem pagã. Acho que os pagãos não mereciam tanto ódio contra eles.

      Mas já que fala do "final dos tempos" e dos poderes do Diabo, eu sou obrigado a esboçar uma pergunta óbvia: Se Deus é, de facto, todo-poderoso, então porque é que ele pura e simplesmente não elimina o próprio Diabo de uma vez por todas e resolve assim o problema?

      Eliminar
    2. Caro João,
      A ideia do diabo ou satanás é algo que está impregnado em todas as culturas desde a mais remota antiguidade e a principio designava a própria personalidade humana, falo personalidade e não a essência do ser humano.
      A essência do ser humano e algo completo e pronto, mas que no nível em que estamos, está apenas latente e esta latência se desdobra no tempo e no espaço conforme a experiência de cada individuo, levando-o a uma experiência cada vez maior na sua relação com a Divindade o transformando em um ser Cristóforo, e enquanto esta experiência se desdobra, em certo nível, ela como nossa personalidade, se torna inimiga deste Cristo que peleja para se externalizar, pois o fim ultimo de cada individuo é adquirir o maior conhecimento sobre Deus, possível, para que esse Cristo Oculto por esta personalidade se expresse em cada um de nós de forma mais plena possível e por isso é que Deus não pode destruir o diabo, pois o diabo e o Cristo é a composição psicológica do ser humano, só que chegará um dia em que o Cristo prevalecerá e a personalidade apenas ficará na vanguarda, agora apenas como um parceiro.
      Por isso é que Jesus orienta:
      “Aquele que ama a sua vida, a perderá; entretanto, aquele que odeia sua vida neste mundo, a preservará para a vida eterna.”
      O apego a "vida neste mundo" significa a nossa personalidade formada pelos conceitos mundanos e o "ódio a vida deste mundo" significa o afastamento aos hábitos mundanos causado pelo entendimento cada vez maior da verdade ainda oculta a maioria de todos nós, que é tão simples de ser encontrada, porque nada mais é do que A PRÁTICA DA VERDADE.
      Quem pratica a verdade se desliga cada vez da mentira e cada vez mais penetra fundo numa verdade cada vez maior até encontrar seu Cristo interno.
      A ideia de um diabo ou um satanás como um ser externo e fora do nosso controle, que tenta levar os homens a perdição, foram ideias incutidas nas mentes desprovidas de entendimentos pelos primeiros "socialistas" há uns 1800 anos atrás apenas com o intuito de se manterem no poder e tirarem de si as responsabilidades por atos faltosos que praticavam, apenas isso.
      Deus não pode destruir o “diabo”, apenas porque Deus não pode destruir a Si Próprio, pois se assim fosse, o diabo seria um outro deus sem está sob o domínio de Deus, além do que o “diabo” faz parte da própria essência do ser humano, não para sempre, mas apenas em certo período da evolução humana e destruindo o “diabo”, estaria Deus destruindo a sua criatura maior aqui na terra.

      Eliminar
    3. Bem, não quis dizer ódio ao paganismo como respondeu. Agora quanto ao porque de Deus não eliminar o diabo de uma vez é uma pergunta que ninguém saberá responder, somente Ele sabe. No entanto, pelos acontecimentos que estamos presenciando e vivendo, principalmente no Ocidente pós cristão; é bem provável que Deus interfira sobrenaturalmente para mudar esse quadro deprimente. Deus pode tudo! Através somente de Seu Poder ou através dos homens. Ele é Deus, mas nós sem Ele não somos nada.
      Att,

      Em tempo: Lembre-se, os pagãos não iriam resistir às invasões islâmicas que ocorreu na Idade Média. Seriam destruídos, cooptados, islamizados. Foi o europeu cristianizado e em parte evangelizado e centralizado no comando da figura do Papa é que os combateu, os venceu e os expulsou.

      Não há maior força de conquista do que a fé, a religião. Foi sobre ela que civilizações nasceram

      Quem descobiu o Novo Mundo? Colombro ou a Igreja Católica? Pesquise! Vai se surpreender.

      Att,

      Eduardo

      Eliminar
    4. «Em tempo: Lembre-se, os pagãos não iriam resistir às invasões islâmicas que ocorreu na Idade Média. Seriam destruídos, cooptados, islamizados.»

      Isso é pura especulação histórica e entra em contradição com a própria história militar. A título de exemplo, o Exército Romano era muito melhor organizado e estava em muitos casos melhor equipado do que os exércitos medievais.

      Basta ter em conta o facto de durante a existência do Império Romano, a Europa sob o domínio de Roma estar provida de uma rede de estradas bastante bem mantidas. Quando o Império colapsou, foi o caos total, muitas das estradas desapareceram por mera falta de manutenção...

      Aliás, muitas das estratégias militares dos exércitos medievais, tanto cristãos, como muçulmanos, eram de origem clássica e estes muito ficaram a dever às estratégias desenvolvidas pelos generais romanos e gregos.

      Eliminar
  13. Anônimo Brasil...

    Sim, está escrito dar a outra face mas, o cristianismo não se resume isso.

    Nem o Papa consegue ser 100% cristão.

    " Assim, em 1815, depois da era napoleônica, os absolutistas ficaram senhores do poder em quase todos os Estados da Europa. Pela Santa Aliança, em nome da Santíssima Trindade, a Rússia, a Prússia e a Áustria se comprometiam a manter a religião, a paz e a justiça, almém de se conservare membros de uma só família. Esse tratado, posta de lado sua fraseologia sentimental e bíblica, contém uma ideia nova para a política internacional: a de que os governos se deveriam auxiliar mutuamente contra as rebeliões de seus súditos e que as questões entre os Estados deveriam ser reguladas por meio de arbitragens e de congressos. A Inglaterra, não tendo aderido à Santa Aliança, apoiou, todavia, o princípio da arbitragem internacional, subscrevendo o tratado da Quádrupla Aliança, ao qual aderiram Luiz XVIII e os soberanos de segunda ordem. E, graças a este sistema político, denominado sistema de Metternich, não houve, até 1854, nenhuma guerra européia e o tratado de 1815 foi, durante muito tempo, a base do direito internacional.

    Essa é a prova o teu post é medíocre de informação...

    A VERDADE SOBRE O TALMUD - O LIVRO SATÂNICO JUDEU 1/2
    https://www.youtube.com/watch?v=E6QdfFAAJvk

    Evangelho de Cristo ou o Talmud dos judeus caro João?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jesus Cristo era um judeu. Ele deve estar muito feliz por vê-lo aqui a chamar-lhe de satânico.

      Eliminar
  14. Anônimo Brasil

    Quanta infantilidade no teu comentário...

    Jesus geograficamente está mais para palestina do que para Jerusalém quando nasceu....mas vamos lá!

    Jesus foi enfático contra os vendilhões do templo quando disse...

    "Raça de víboras! Como podeis falar coisas boas, sendo maus? Pois a boca fala do que está cheio o coração."

    A Lei foi abolida pela graça, ou seja, pela Boa Nova... Isso deve ser dito, repetido e cravado no coração dos judeus. Mas, eles não aceitam essa verdade até hoje...

    Muitos rejeitaram a Torah para seguir exclusivamente o Talmude...

    Infelizmente essa é a verdade...

    Basta assisitir o vídeo supracitado para ver quem está delirando, não é?





    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Quanta infantilidade no teu comentário...»

      Lol, eu limitei-me a realçar um facto comprovado com o qual muitos cristãos ultra-conservadores parecem ter um problema, ou seja, Jesus Cristo era judeu. Isto é um facto, ninguém o pode negar.

      Cristo nasceu judeu e foi educado segundo a tradição judaica. Posteriormente começou a dar sermões e é aqui que entramos no campo do dogma religioso que implica a aceitação sem provas materiais, de que Jesus fez milagres e conseguiu ressuscitar.

      Eliminar
  15. Já agora, e ainda a propósito deste tema, eu escrevi algo que eu considero bastante interessante em Setembro passado:

    http://bloguedofirehead.blogspot.com/2015/09/visoes-pagas-sobre-crise-dos-refugiados.html

    Quanto ao facto de Jesus ser judeu, não sei porque é que há gente que se incomoda com isso. É claro que Ele era judeu, pois os judeus eram os que criam num só Deus antes do advento do Cristianismo em contraposição com os pagãos. Acontece que a partir do momento em que Jesus, que é o Messias, veio e anunciou a Boa Nova, os judeus deixaram efectivamente de existir para passarem a ser cristãos. Os judeus que ainda hoje existem são os que seguem uma religião ultrapassada.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  16. Anônimo Brasil ...

    Não faz diferença se Jesus é de origem judaica ou não. A Boa Nova é uma mensagem para todos os povos...

    Para os cristãos ou Jesus é Deus, ou não é nada. Et tertium non datur...

    João, vc esqueceu de incluir o sistema de Metternich no teu post.

    E o Talmud?

    E a maçonaria?


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «João, vc esqueceu de incluir o sistema de Metternich no teu post.

      E o Talmud?

      E a maçonaria?»

      O que é que o cu tem a ver com as calças?

      Eliminar
  17. Caro João.
    O Cristianismo em sua essência não é uma doutrina para ser praticada coletivamente, assim como se pratica costumes em uma sociedade por se tratar de preceitos puramente individualista, mas que quando praticado por vários sere humanos com os mesmos ideais, se torna uma doutrina coletivista.

    Realmente, a essência do cristianismo é a da não violência a todo custo, mas entenda que Jesus pregava para o plano individual de cada ser, porque realmente é uma prática religiosa que tem uma única finalidade, a saber, A Salvação da Alma do Individuo, retirando-o deste plano dimensional e o repondo no nosso plano de origem, que é o espiritual.

    Porque você acha que Jesus orienta seu seguidores a deixarem até sua família, se for o caso? era porque Jesus queria a destruição da família? Não, é porque simplesmente a escolha pela prática pura do cristianismo deve está atrelada apenas a individualidade de cada um, apenas isso.

    E por favor, não confunda este falso cristianismo católico e protestante com a Verdadeira Doutrina Divina.

    Toda a origem das coisas devem está necessariamente interligadas apenas a individualidade de cada um.

    Jesus não espalhou sua doutrina para manter a Europa e nem continente algum, ele pregou apenas para mim, para você e para cada individuo, a escolha fica por conta de cada um de nós e por isso é que o cristianismo está cada vez mais forte do que nunca porque ele não precisa se externalizar, por já está presente no consciente coletivo, há mais de 2000 anos e você acha que as reações a estas ilegalidades que testemunhamos nos últimos dias, devemos a quem?

    A Verdadeira igreja é Invisível e ela é composta por todos aqueles que tem o compromisso de viver com a Verdade e por isso é que o Verdadeiro Cristianismo nunca esteve tão forte.

    Você gosta ou não da Verdade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o que é a verdade?

      Na infinidade do Universo, julgo que ninguém conseguirá jamais apurar o que é realmente a verdade...

      Eliminar
    2. Caro João.
      Quero apenas esclarecer que:
      O homem Jesus foi uma personalidade que nasceu em Nazaré e viveu por 33 anos falando sobre os benefícios da pratica da Verdade.

      O Cristo é uma entidade que representa a Sabedoria Infinita e que permeia, assim como o PAI, todo o universo e na hierarquia ele está apenas submisso a o PAI ou DEUS, como queira.

      Cada Alma individual ou ser humano, tem condições, através da mente, que é o captador e decodificador da essência deste Ente, o Cristo cósmico, de apreender estes "códigos" e transforma-los em sentimentos e valores puros, primeiro como Moral para depois convergir para a Ética, que são as bases de qualquer atitude racional concernente a raça humana, apenas aqueles que não entendem ainda, esta grandiosidade, vivem a praticar os erros que você tanto denuncia neste seu blog.

      Portanto quando a Alma individual capta a certo nível a essência deste Cristo que a faz ascender a um nível grandioso de conhecimento sobre a Divindade, podemos afirmar que esta Alma ou ser humano está vivendo pelo PAI, pelo Filho e Pelo Espirito Santo.

      PAI, porque através da sabedoria reconheceu a Deus,

      Filho, porque este reconhecimento foi pela sabedoria captada através do Cristo e
      Espirito Santo, porque ela atingiu o espirito de santidade por ter entrado num alto nível de sabedoria e se fez livre dos vícios mundanos.

      Pilatos também fez esta pergunta a Jesus, e Jesus calou-se, porque sabia que ali não era o momento adequado para explanar tão grandeza.

      Quando Jesus fala:
      "Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará", Ele não está pedindo para buscarmos uma Verdade que estivesse além da nossa capacidade e compreensão, pois assim, Ele estaria pedindo algo impossível de realizarmos, o que seria contraditório, considerando que Jesus já conhecia esta Verdade, pois alguém pode exigir de outro aquilo que Ele próprio não teria experimentado e entendido e que qualquer um poderia conseguir?
      Ora, se Ele pede para buscarmos esta Verdade é porque Ela não está nem ali e nem acolá, mas já está dentro de cada um de nós, mas alguém poderia entender este pedido de forma literal e ficar meses a fio esperando esta verdade vir a tona, já que ela estaria dentro dele. Garanto, vai ficar a vida toda esperando, pois as coisas só se externalizam com atitudes que criam condições para que novas situações ou atos se expressem cada vez mais e o principio disso é muito simples, comece respondendo com um Sim, quando tive que responder com um Sim e respondendo com um Não, quando tiver que responder com um Não, prosseguindo nesta luta, você vai começa a sentir o quanto a suam consciência vai se alargando e certas coisas que achavas normal, começa a perder o sentido e sua consciência vai se alargando cada vez mais e notarás o quanto de paz tua alma começará a ser preenchida. Agora, alerto-te, no principio vai ser uma luta infernal, sim, vai ser uma luta do seu “diabo” contra o seu Cristo. Seu diabo, ou sua personalidade, por está acostumada aos delírios e gozos oferecidos pelos sentidos não vai querer ceder, e portanto, uma coisa tão simples, que seria responder um Sim ou Não, dentro de cada necessidade, vai se tornar uma guerra infernal, tente pra ver, o que é o poder do diabo.
      Só alerto, que não subestime a sua exposição a fraqueza mundana, pois um doente só pode se curar somente se primeiro reconhecer que está doente. O mal dos homens é que eles nunca erram e nem cometem pecados, comece não cometendo este erro, pois se fostes perfeito, não estarias aqui, editando este blog, expressando os teus sofrimentos e da humanidade e muitas vezes com razão e coerência.

      A Verdade não está distante um palmo do nosso nariz.

      Airton Barros

      Eliminar
    3. Apenas complementando....
      Até o presente, Jesus foi o único ser humano que conseguiu, no nível mais elevado, captar o conhecimento que este Ente, o Cristo Cósmico, disponibiliza para que cada Mente individual consiga capta-lo para que assim possamos chegar a o conhecimento intelectual de Deus.

      Eliminar
  18. Anônimo Brasil

    O que tem a ver o Talmude e a Maçonaria?

    TUDO!

    Talmude é o novo livro sagrado dos judeus e a maçonaria é uma seita judaica...

    Basta assistir o vídeo supracitado sobre o talmude e estudar um pouco sobre o trabalho da maçonaria no mundo, você vai perceber tem tudo a ver...

    A maçonaria está em todos os lados da política e em todos os continentes...

    Os líderes do Ocidente estão fazendo cara de paisagem em relação ao avanço do Islã porque estão a serviço das forças ocultas que governam o mundo...

    É muita inocência da tua parte não saber...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Talmude é o novo livro sagrado dos judeus e a maçonaria é uma seita judaica...»

      Que tipo de maconha é que o Anónimo Brasil anda a fumar?

      Se há pessoa que tem denunciado o que os líderes do Ocidente têm feito em relação aos avanços do Islão, sou eu. Basta ler os meus escritos e verá isso com facilidade.

      Mas a sua paranóia com judeus é totalmente descabida, pelo simples motivo de que muitos judeus na Europa, são eles próprios vítimas de ataques islâmicos.

      O amigo está muito ultrapassado, o tempo em que a extrema-direita era anti-semita já lá vai. Hoje restam alguns anti-semitas no campo nacionalista, mas são cada vez menos.

      Eliminar
  19. Anônimo Brasil...

    vc diz...

    «Que tipo de maconha é que o Anónimo Brasil anda a fumar?»

    Resposta: Não fumo, obrigado!

    Vc diz...

    «Se há pessoa que tem denunciado o que os líderes do Ocidente têm feito em relação aos avanços do Islão, sou eu. Basta ler os meus escritos e verá isso com facilidade.»

    Resposta: Os líderes ocidentais estão na mão da maçonaria, ou seja, do judaísmo internacional...

    O Brasil sempre esteve na mão da maçonaria...

    Dom Pedro II foi maçom, assim como o seu protetor José Bonifácio.

    Os liberais que estavam articulando o golpe da República eram maçons, como por exemplo Marechal Deodoro, Quintino Bocaiuva, Floriano Peixoto, Rui Barbosa, Gonçalves Ledo e etc...

    Ou seja, nos dois lados da moeda os agentes da maçonaria articulando o golpe contra a monarquia descabelada...

    Depois do advento da República os maçons foram pedir empréstimos e mais empréstimos para os bancos judaicos da Inglaterra... pagamos 30 anos de juros. A república já nascia morta...

    Atualmente o vice presidente da República Michel Temer é maçom, assim como seu oponente político maçom Aécio Neves... Quem está com a razão?

    Nos Estados Unidos nas eleições presidenciais americanas de 2004 George W. Bush versos John Kerry eram adversários...isso só no palco dos acontecimentos, nos bastidores são da mesma "família".

    Os dois candidatos são membros da Sociedade Secreta Skull and Bones...

    A pergunta que não quer calar... quem venceu as eleições?

    É assim, são décadas de domínio das sociedades secretas em todos os continentes...

    Vc diz...

    «Mas a sua paranóia com judeus é totalmente descabida, pelo simples motivo de que muitos judeus na Europa, são eles próprios vítimas de ataques islâmicos.»

    Resposta: É a prova concreta vc não sabe o que é judaísmo...

    O que dizer dos judeus capitalistas contra os judeus comunistas?

    Existe até um livro intitulado, A invenção do povo judeu, escrito pelo judeu comunista (ateu) Shlomo Sand...

    E por favor, explique o que é antisemitismo?

    Lembrando que os palestinos são semitas...

    Vc diz...

    «O amigo está muito ultrapassado, o tempo em que a extrema-direita era anti-semita já lá vai. Hoje restam alguns anti-semitas no campo nacionalista, mas são cada vez menos.»

    Resposta: Se atualize por favor...

    http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/blog-do-velho-mundo/2015/10/extema-direita-cresce-no-mundo-mas-cada-pais-tem-seu-proprio-estilo-1919.html

    ResponderEliminar
  20. Já reparei que aqui neste blog, quando o professor Nobre escreve qualquer coisa menos positiva sobre o Cristianismo, aparecem logo todos os tarados e fanáticos religiosos para o atacar com a merda da conversa da fé que já não convence ninguém.

    Há 2000 anos que os seguidores do culto do judeu morto (Cristianismo) andam a pregar o seu lunatismo, de forma a tentar lavar cabeças.

    O que nos vale é que estão acabados, dentro de 2 a 3 décadas no máximo, acabou-se o Cristianismo na Europa, pois cada vez menos gente acredita nessa loucura que já nos fodeu a todos quanto chegue.

    ResponderEliminar
  21. Anônimo Brasil

    Ai que medo dessa profecia

    lol

    ResponderEliminar
  22. podemos dizer que quem falhou foram os cristãos , não o Cristianismo. se os cristãos tivessem seguido Cristo e não os valores da judiaria ( ter ter ter ganancia ganancia ganancia economia bancos empréstimos negocio ) não estávamos assim de cu pró ar , todos assarapantados. é muitíssimo bem feita. o diabo deve estar farto de rir :)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...