quarta-feira, 9 de março de 2016

A Traição Avoluma-se

A maçonaria sempre apoiou os inimigos do Ocidente, por isso, faz toda a lógica que agora apoie também a Igreja e ao que parece, a maçonaria italiana até já declarou o seu apoio oficial ao "santo" Papa. Resta perguntar: para quando uma declaração de guerra oficial às nações por parte da aliança Jesus-Maomé-Marx-Maçonaria? 


"Nós realizamos, modernamente, o sentido preciso daquela frase de Voltaire, onde diz que, se os mundos são habitados, a terra é o manicómio do Universo. Somos, com efeito, um manicómio, quer sejam ou não habitados os outros planetas. Vivemos uma vida que já perdeu de todo a noção da normalidade, e onde a rigidez vive por uma concessão da doença." - Fernando Pessoa (1888 - 1935)

"Segundo um estudo alemão, cada “refugiado” islamita importado pela União Europeia vai custar 450.000 Euros aos contribuintes europeus — o que significa que os 68 refugiados importados pelo António Costa vão custar a módica soma de 30 milhões de Euros."

Entretanto, o servo do Mundialismo sentado no trono do Vaticano, já veio mandar mais umas "postas de bacalhau" contra as nações, confirmando apenas como a Igreja é hoje mais um instrumento ao serviço da selvajaria internacionalista da superclasse mundialista. O argentino filo-semita classifica a invasão moura em curso, como sendo algo benéfico e positivo, uma simples "troca de culturas" nas suas próprias palavras:



Se estas palavras do "santo" Papa não equivalem a uma autêntica declaração de guerra por parte do Vaticano, a todos os patriotas europeus, então não sei o que serão. Mas uma coisa vos posso garantir: O Papa mente e mente com todos os dentes que tem na boca. O lacaio da Nova Ordem Mundial fala na necessidade da Europa "redescobrir as suas raízes culturais", mas ignora como essas mesmas raízes não são cristãs, nem nunca foram cristãs. No fundo, o Papa esquece-se (ou faz-se de esquecido...), de como as próprias raízes da sua Igreja, assentam nas inúmeras tradições e doutrinas que a mesma usurpou aos "pagãos" (isto para não falar do património que roubaram...), termo este que os filo-semitas na sua suprema arrogância, usavam para descrever os europeus que se mantinham fiéis às suas antigas religiões nacionais. Ainda hoje, a arrogância semita típica das religiões abrâamicas se mantém. Para um judeu, sou um goyim. Para um cristão, serei um pagão. Para um muçulmano, não passo de um infiel. O textos "sagrados" destas três religiões, advogam que pessoas como eu devam de ser mortas à pedrada, no mínimo... mas lá está, trata-se apenas da concretização da "sabedoria judaica", da "piedade cristã" e da "misericórdia islâmica". 

É notável até como o Papa não hesita em louvar os fundadores da União Europeia, uma entidade que sob o pretexto de "garantir a paz", foi criada para colocar em prática o infame Plano Kalergi e arrasar assim a nossa Civilização de uma vez por todas. A colaboração da Igreja com a Nova Ordem Mundial não podia, de facto, ser mais pornográfica do que isto. 

Não faltaram "pagãos" que avisaram sobre isto já há 2000 anos atrás. Que avisaram sobre o que aconteceria à Europa se substituíssem as antigas religiões nacionais pelo credo semita chamado Cristianismo. O carpinteiro judeu que fundou essa religião morreu crucificado e aparentemente, deixou atrás de si o fermento ideológico que vai acabar por nos crucificar a todos... 

Dêem"a outra face" ao inimigo, ofereçam-lhe as vossas mães e filhas e prostrem-se a seus pés como se fossem vermes miseráveis. É isto que Jesus vos ensina, a fraqueza total, a subserviência ridícula perante o inimigo, o Cristianismo é em toda a linha o culto da auto-humilhação e do suicido civilizacional. Trata-se de coisa de fracos, concebido e disseminado por semitas, para se vingarem do Império Romano e substituírem as antigas religiões indo-europeias, por uma religião semita. A tribo de Israel deve realmente rir-se bastante com isto, conseguiram meter os pobres dos goyim de joelhos a rezar a um carpinteiro judeu. Os goyim rezam a um membro da tribo de Israel e vivem embalados nas suas cantigas de "tolerância" e "universalismo", acreditando piamente que este é o filho de um Deus vingativo e castigador, o mesmo Deus que no Antigo Testamento proclama a tribo de Israel como sendo superior a todas as outras. Tristes dos goyim que acreditam neste conto de fadas judaico, metem realmente dó na sua ingenuidade infantil, agarrados aos seus terços e bíblias, rezando e implorando a um Deus semita para que os salve de um suposto inferno semita, inventado por semitas, com o objectivo único de quebrar e dominar pelo medo psicológico os ingénuos dos goyim que acreditem neste conto de fadas do deserto

Não me surpreende que o Papa ataque de forma frontal os nacionalistas e com um ódio muito especial - o ódio vingativo da porção da tribo de Israel que vê nos filhos da Europa, os herdeiros do Império Romano e não descansará enquanto não nos exterminar a todos. É que não tenham dúvidas, a Igreja não serve os nossos interesses - se é que alguma vez os serviu... - e quer-nos ver mortos ou pelo menos reduzidos à triste condição de escravos e se assim não fosse, esta não tomaria o lado do inimigo e declararia guerra às nações.

O vírus do Cristianismo, a par do Marxismo, é uma SIDA cultural que vai progressivamente minando e destruindo as defesas de qualquer Civilização onde se instale. Vai disseminando a fraqueza, a subserviência e acima de tudo a obediência cega a quem nos quer erradicar. Passo a passo a seita do carpinteiro de Nazaré vai quebrando Nação atrás de Nação. O Papa argentino sabe disto tudo, sabe-o melhor do que eu, mas nunca o vai admitir. Se não acreditam em mim, então observem o que aconteceu às comunidades cristãs que outrora existiam no Médio Oriente, observem como elas foram literalmente arrasadas e exterminadas, uma atrás da outra. O que é feito dos cristãos do Iraque? Do Irão? Da Península Arábica? 

Pois bem, parece que foram literalmente varridas do mapa, porque essa é a consequência directa de "dar a outra face" e "oferecer a túnica" a quem nos quer roubar a capa. O que aconteceu aos cristãos do Médio Oriente, é o mesmo que vai acontecer aos cristãos da Europa, se não se travar atempadamente o alastramento do Islão na mesma. A mensagem de paz, acolhimento e tolerância que a Igreja está a disseminar é perigosa, precisamente porque está a destruir as defesas psicológicas da Civilização Europeia e a abrir o caminho para o genocídio que se prepara.

O que está hoje em causa na Europa é muito superior a qualquer fé. Trata-se da defesa da nossa Civilização, do nosso modo de vida e da escolha entre a escravatura e a Liberdade. Aqueles que hoje se dizem "democratas" e amigos da "liberdade", mas que simultaneamente querem inundar a Europa com gente que é inimiga da nossa cultura, não são na verdade nem "democratas", nem amigos da "liberdade". Salazar disse uma vez que "em política, o que parece é", mas ele neste ponto estava errado, em política, nem sempre o que parece é. Tudo depende das circunstâncias do momento histórico que se vive. Os amigos de hoje, podem ser os inimigos de amanhã e vice-versa. A Igreja que no passado travou os avanços mouros, é a mesma que hoje quer escancarar as portas da Europa à invasão moura. Como me dizia uma amiga ucraniana ainda há poucos dias: "A União Europeia quer mais muçulmanos na Europa? Para quê? Só se for para acabar com a Europa!" Como é óbvio, a moça eslava tem razão de sobra...

Caros leitores, se chegaram ao fim deste pequeno escrito meu julgando que estão a ler os dejectos mentais de algum louco ou a espumarem de raiva contra mim e com vontade de me chamar nomes, tudo bem, eu compreendo. O tempo entretanto dirá se eu tenho ou não a razão do meu lado.
 
João José Horta Nobre
9 de Março de 2016
 

16 comentários:

  1. "O que está hoje em causa na Europa é muito superior a qualquer fé. Trata-se da defesa da nossa Civilização, do nosso modo de vida e da escolha entre a escravatura e a Liberdade. Aqueles que hoje se dizem "democratas" e amigos da "liberdade", mas que simultaneamente querem inundar a Europa com gente que é inimiga da nossa cultura, não são na verdade nem "democratas", nem amigos da "liberdade"."


    Caro JJHN


    As suas contradições são tremendas, pretende defender a nossa Civilização, Liberdade e cultura mas nem sequer reconhece ou não apoia as raízes da nossa cultura que basicamente são herança judaica-cristã e greco-romana.

    Curiosamente, de fora da Europa também vieram os principais alimentos (trigo, cevada, centeio e arroz), além do alfabeto divulgado pelos fenícios e os números trazidos pelos árabes.

    Mas voltemos à actualidade, é preciso reconhecer que estes pseudo-refugiados são na sua grande maioria refugiados económicos, é que além dos sírios estão a tentar entrar muitos outros doutros lugares onde nem sequer há guerra.

    Ora, a melhor maneira de os dissuadir é combater a esquerda, é simples, fácil, barato e renderá milhões, basta que haja vontade política para implementar as reformas estruturais que irão contribuir para desmantelar as bases de sustentação da esquerda.

    É necessário desmantelar as bases de sustentação da esquerda:

    Aí vai a lista actualizada:

    Abolição do salário mínimo
    Liberalização dos despedimentos
    Abolição dos descontos
    Pagamento do verdadeiro custo da água e energia pelo utilizador
    Pagamento do verdadeiro custo de educação e saúde pelo utilizador
    Liberalização (facilitação, desregulamentação) do acesso às profissões liberais
    Liberalização das rendas
    Sujeição a IRC a todas as pessoas colectivas
    Simplificação do IRS com sujeição individual, taxa única, sem deduções e abatimentos
    Taxa única no Iva
    Desmantelar o sistema escolar com o e-learning
    Varrer a função pública
    Extinção das juntas de freguesia
    Redução do número de deputados
    ...
    ...
    ...

    ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «As suas contradições são tremendas, pretende defender a nossa Civilização, Liberdade e cultura mas nem sequer reconhece ou não apoia as raízes da nossa cultura que basicamente são herança judaica-cristã e greco-romana.»

      Você acha mesmo que eu tenho algum tipo de interesse em abrir o cu a quem me quer cortar o pescoço?

      O meu problema é exactamente com a cultura judaico-cristã, não com a greco-romana.

      «Curiosamente, de fora da Europa também vieram os principais alimentos (trigo, cevada, centeio e arroz), além do alfabeto divulgado pelos fenícios e os números trazidos pelos árabes.»

      Não compare o incomparável. O trigo e a cevada não andam por aí a apelar à jihad e a prometer califados pela força...

      Também nunca vi nenhuma batata a cortar cabeças.

      A comida não é um problema, as pessoas é que são um problema, especialmente quando são oriundas de culturas onde a barbárie é a norma.

      Eliminar
    2. Caro JJHN


      Mas afinal qual é o seu problema com a cultura judaico-cristã?

      Eliminar
    3. O meu problema é exactamente o que está à vista de todos. A disseminação da fraqueza, do rebaixamento e da auto-humilhação gratuita.

      É sob o pretexto do tal "universalismo cristão" que agora temos a Igreja a apelar abertamente a uma invasão moura.

      Eliminar


    4. Caro JJHN


      A compaixão é diferente de fraqueza. Mistura fé com política. Sermos bons para os outros não significa sermos "bonzinhos", ou seja, estúpidos.

      Quem está interessado em espalhar a pobreza, miséria, fome e morte é a esquerda, não é a Igreja.

      O caro JJHN, tem de compreender que este Papa antes de ser membro do clero, é um homem, viveu um período de ditadura militar na Argentina, tem uma influência ideológica de esquerda (o que não significa que seja ou que não seja) e comporta-se com jornalistas de modo diferente dos anteriores Papas (mais reservados), responde a perguntas que depois são aproveitadas pela comunicação social para fazer manchetes e ligar as suas palavras a vários assuntos mundanos.

      Por mais influência que a Igreja tenha, não é ela que é responsável pela actuação dos governantes, pala acção ou pela omissão que conduzem a situações simplesmente delirantes como esta dos pseudo-refugiados.

      A esquerda que conhecemos, basicamente começou em 1789 e morreu após a queda do Muro de Berlim e consequente colapso dos regimes de Leste, está completamente desacreditada a nível económico, social, moral e intelectual, falta-lhe o golpe de misericórdia que virá através da vontade política ou simplesmente pelo aumento da pressão financeira.

      Eliminar
    5. «Quem está interessado em espalhar a pobreza, miséria, fome e morte é a esquerda, não é a Igreja.»

      Ai é a esquerda? Então, se é só a esquerda, porque é que o Papa e a grande maioria do clero não param de atacar os partidos nacionalistas e apelar à invasão muçulmana?

      «Por mais influência que a Igreja tenha, não é ela que é responsável pela actuação dos governantes, pala acção ou pela omissão que conduzem a situações simplesmente delirantes como esta dos pseudo-refugiados.»

      A Igreja não é directamente responsável, mas ajuda a piorar a situação e muito. Há portugueses a dormir na rua, o que não falta são sem-abrigos em Portugal a precisar de ajuda e o que faz a Igreja? Traz mouros cá para dentro e tira da barriga dos nossos para dar a mouros. É realmente muito nossa amiga a Igreja, ainda bem que a padralhada se revelou por inteiro, pois agora já sabemos o ninho de traidores e lacraus que é o clero.

      Eliminar
    6. Caro JJHN


      A Igreja não se mete em política, e não há ninguém a apelar à invasão muçulmana, nem os esquerdistas, esses simplesmente abrem as portas como o Governo grego. Em Portugal tens logo várias associações que se disponibilizam a acolher esses pseudo-refugiados, assim também recebem apoios e subsídios estatais.

      Antes houvesse esquerdistas a apelar à invasão muçulmana, mas eles não são assim tão estúpidos, calam-se e fazem o que têm a fazer.

      Caro JJHN, a Igreja não falta a quem lhe peça ajuda, mas é como tudo na vida, há muita gente que prefere o orgulho a pedir ajuda.

      Eliminar
    7. «A Igreja não se mete em política, e não há ninguém a apelar à invasão muçulmana»

      http://newobserveronline.com/us-christian-churches-back-muslim-invasion/

      http://newobserveronline.com/two-largest-christian-churches-in-germany-come-out-in-support-of-the-nonwhite-muslim-invasion-of-europe/

      Eliminar
  2. Tem concerteza razão(com a excepção de algumas décadas,devido ao chamado império sacro-romano germanico,a elite católica sempre trabalhou em segredo para minar a Europa em favor de sua agenda universalista-imperial)mas todos os "carneiros" vão continuar a seguir seu rebanho e pastores(sejam eles de batina preta ou vermelha)e a ignorar a realidade.

    ResponderEliminar
  3. Tudo muito certo .Concordo , mas JESUS , O Cristo , nada tem a vêr com essa agenda Nêgra .

    ResponderEliminar
  4. Os seus textos, de cariz religiosos, confundem as afirmações do Papa (com a sua mania de se meter na política e na ciência para defender, intencional ou ingenuamente (não sei) ideais maçónicos) com o pensamento dos católicos (em geral) e o Catolicismo (minado por uma série de dogmas contrários aos ensinamentos de Cristo) com o Cristianismo dos evangelistas bíblicos.

    ResponderEliminar
  5. Este texto é populista, contém incoerências e distorce alguns princípios Cristãos. Destaco:

    “Aliança Jesus-Maomé-Marx-Maçonaria”
    Inventou uma aliança, sem sentido? Em relação a Jesus, o reino dele não é deste mundo, contrariamente ao de Marx. A Maçonaria é uma seita de inspiração e “culto” satânico, nada tem a ver com o Cristianismo, apesar de ter minado e actualmente controlar a Igreja Católica. Sobre Maomé, que se pronuncie quem saiba do assunto.

    “Os textos "sagrados" destas três religiões advogam que pessoas como eu devam de ser mortas à pedrada” (…)
    “É isto que Jesus vos ensina, a fraqueza total” (…)
    “Os goyim (…) vivem embalados nas suas cantigas de tolerância".
    Jesus ensina a “fraqueza total”? A “tolerância”? Ou o assassinato “à pedrada”?

    “Ofereçam-lhe [ao inimigo] as vossas mães e filhas e prostrem-se a seus pés como se fossem vermes miseráveis.”
    “o Cristianismo é em toda a linha o culto da auto-humilhação”
    Isto é exactamente o contrário do Cristianismo.

    “É que não tenham dúvidas, a Igreja não serve os nossos interesses - se é que alguma vez os serviu...”
    Não, a Igreja não existe para servir os nossos interesses, existe para servir a Cristo, ensinando a sua doutrina. Infelizmente, há muito tempo que a maioria dos seus dirigentes se afastou desse caminho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem quiser "servir a Cristo" e ensinar a doutrina do judeu morto, que o faça. Não contem é com o meu apoio para isso.

      Eliminar
    2. «Inventou uma aliança, sem sentido? Em relação a Jesus, o reino dele não é deste mundo, contrariamente ao de Marx. A Maçonaria é uma seita de inspiração e “culto” satânico, nada tem a ver com o Cristianismo, apesar de ter minado e actualmente controlar a Igreja Católica. Sobre Maomé, que se pronuncie quem saiba do assunto.»

      Uma aliança sem sentido? Então compare o discurso internacionalista proferido por essas entidades e verá se é mesmo "sem sentido". Não me interessa estar aqui a discutir de que Mundo é o Reino de Marx e Jesus. Isso é secundário, o que está em questão é o facto de ambas as doutrinas serem internacionalistas e bastante perigosas. Parece-me absurdo dizer que a Maçonaria pratica o culto de Satanás, isso nem tem ponta por onde se lhe pegue! Quanto a Maomé, trata-se de mais um semita internacionalista do deserto. Apenas mais um, parido para nos infernizar a vida através de mentiras e estórias da carochinha.

      Eliminar
    3. Quanto à maçonaria não sei se é ou não "satânica"(curiosamente os Templários,que muitos investigadores dizem ser um dos grupos,ou mesmo o grupo principal,instigadores da maçonaria,foram acusados no século 14 de satanismo)mas que é parte activa do universalismo e sabotagem dos Estados isso parece evidente.

      Eliminar
    4. “Não me interessa estar aqui a discutir de que Mundo é o Reino de Marx e Jesus. Isso é secundário”

      Se me diz que o Cristianismo é internacionalista e se Jesus não é internacionalista nem nacionalista porque essas são questões de Césares e não de Deus, parece-me óbvio que isso não é secundário.


      “Parece-me absurdo dizer que a Maçonaria pratica o culto de Satanás, isso nem tem ponta por onde se lhe pegue!”

      A Maçonaria aceita pessoas das mais variadas crenças (o antigo Cardeal Patriarca de Lisboa era maçon) no entanto pratica rituais inspirados em cultos satânicos. Muitos maçons alegam que Deus e o Diabo são duas “faces” da mesma entidade, o Grande Arquitecto”. A Maçonaria moderna promove o ambientalismo no seu lado mais fanático, incluindo a culto a Gaia.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...