terça-feira, 15 de março de 2016

Será Que a África do Sul Era Realmente Uma Causa Perdida?...





Crime and corruption are through the roof. It used to be an oasis of civilization; today it’s highly dangerous, even for tourists. I’ve been there several times, also to Zimbabwe. Before and after (not to Rhodesia, I’m too young for that). We won’t go there ever again, as it is far too dangerous for tourists. That’s the reason I went there: we had tour groups. From a highly expensive market it fell to nothing. As far as I know, no Thai operators go there. Too dangerous. South African Airways used to have direct flights BKK-JHB. No longer; there’s no demand for it.» 

Que a África do Sul é uma causa perdida, já se sabe há muito tempo. Existe é um estado generalizado de negação nos afrikaners, que os impede de perceberem que aquilo acabou mesmo e acabou em larga medida devido à sua arrogância e falta de visão estratégica. Enquanto os portugueses se bateram em Angola e Moçambique contra o terrorismo patrocinado pela União Soviética e os Estados Unidos, os sul-africanos mantiveram-se sempre muito caladinhos, caladinhos demais e em lugar de se colocarem do nosso lado a apoiar-nos energéticamente, comportaram-se como uns autênticos cobardes e idiotas úteis. Isto porque os sul-africanos julgavam que se não apoiassem abertamente Portugal na defesa dos seus territórios ultramarinos em África, poderiam assim aprofundar amizades e alianças com outras nações africanas e garantir não só o apoio destas, como também o apoio da diplomacia estado-unidense que nos seus cálculos, deixaria de os importunar por causa do Apartheid.

Enganaram-se. Não apoiar Portugal como deviam de ter apoiado, foi um valente tiro nos pés para os afrikaners. Desmantelado o Império Português em África, não tardou para que se concretizasse aquilo que muitos já previam, ou seja, a derrocada definitiva do domínio branco em África. Diga-se de passagem que esta derrocada se deveu principalmente a um longo e determinado processo de sabotagem interna, que contou desde o início com o apoio da alta finança internacional e internacionalista e mais umas máfias obscuras que não cabe agora aqui referir, mas que seguramente nunca foram, nem são, amigas dos autóctones africanos.  

À "descolonização" abandalhada feita pelos portugueses em África, seguiu-se a derrocada da Rodésia de Ian Smith, que acabou por implodir definitivamente em 1979, debaixo de fogo vindo de todos os lados e muita canalhice por parte da comunidade internacional. O que se seguiu à prospera e bela Rodésia, foi esse grande "sucesso" africano chamado Zimbábue, liderado pelo "querido líder" Robert Mugabe.

Com a queda do Império Português e o colapso da Rodésia, os sul-africanos ficaram com as suas fronteiras totalmente desprotegidas e transformaram-se num País extremamente vulnerável ao que se iria seguir. A África do Sul e os afrikaners foram deixados sozinhos contra o Mundo e foram-no, muito por arrogância própria e uma certa mania de superioridade - eles achavam-se os melhores brancos em África, superiores a portugueses, ingleses e alemães. Consideravam-se a "nata da nata" do homem branco em África. Pois bem, hoje o resultado de todas estas "natas" e "superioridades", está bem à vista de todos. Os afrikaners que actualmente se lamentam do seu destino, deviam era de antes perguntar a si mesmos se a África do Sul era realmente uma causa perdida desde o início, ou se foi antes por mera incúria própria que esta foi transformada numa causa perdida?...

João José Horta Nobre
15 de Março de 2015


Documentário sobre o fim do domínio branco na África do Sul e a tentativa desesperada por parte do Afrikaner Weerstandsbeweging (AWB), liderado por Eugène Terre'Blanche, em tentar reverter o rumo dos acontecimentos.





3 comentários:

  1. É bom que fiquem eles lá pela africa pois eles nada tem a ver com a Europa . A uma grande populaçao mestiça (uma mistura muito antiga )que faz parte da populaçao afrikaner/branca. É muito facil detectar tal mistura quando se compara afrikaners com povos cujo dizem eles descender em 100% . O próprio eugene terre'blanche é um desses mestiços ,seus rasgos faciais nada se assemelham a de um ingles ,frances ou holandes .
    É sabido ,devido a analises geneticas ,que em média o afrikaner poussua 7% de sangue nao branco ,mais precisamente de escravos malaios e nativos com os quais os primeiros colonos casaram-se .

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. É interessante que enquanto a africa do sul sofreu penalizaçoes pelo dito "apartheid"-forma que os afrikaners arranjaram para nao perder aos negros o pais que construiram do nada , Israel ,que nasceu atraves de roubo de terras e limpeza etnica , não sofre nenhuma retaliaçao pela segregaçao que pratica . Fato é ,que quem sofre penalizaćoes são as entidades que boicotam Israel.


    É sempre bom lembrar que israel estava entre as naçoes que votaram pelo boicote economico a africa do sul . Porém ,Israel ,usou tal boicote ao se favor ao exportar ,Ilegalmente , a preços hiper-inflacionados ,prudutos em falta aos sul africanos

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...