segunda-feira, 4 de abril de 2016

De Pequenino é Que se Torce o Pepino...



«Pois é, faltam apenas três dias para a realização da mais visível acção de propaganda levada a cabo no ensino português em muito tempo. E, tendo em conta a qualidade de muitos programas, note-se que não é tarefa fácil. Neste ano lectivo o tema do Parlamento Jovem (para alunos do ensino básico) é a discriminação e o racismo - de sentido único, entenda-se. Não me parece que se discuta por lá o racismo contra brancos ou a discriminação e massacre de cristãos pelo mundo. Agora, esta iniciativa de lavagem cerebral em prol dos invasores que chegam à Europa é de uma falta de vergonha sem paralelo. Podiam aproveitar, também, para falar dos desmandos causados pelos invasores desde que chegaram à Europa. Mas, certamente, não haverá tempo. Fica para a próxima, certamente.» 

Os mundialistas sabem-na toda. A mim também me tentaram "torcer o pepino" quando era miúdo, mas como eu sempre tive como principal característica a teimosia mais obstinada (sim, sou Carneiro de signo...), não adiantou coisa alguma.

No meu tempo de escola, as principais lavagens cerebrais eram feitas no domínio do ambientalismo e das causas ecológicas. Quem ouvia a cassette que eu apanhei ficava com a ideia de que o Mundo ía acabar na semana seguinte por via de um mega-derrame de petróleo ou de um derretimento repentino de todos os glaciares da Antártida. Não é que eu não me preocupe com o meio-ambiente, antes pelo contrário, mas o que é demais é demais. Porém, agora isto está muito mais agressivo para os miúdos de hoje. Muito honestamente, a forma como os mass media estão a tratar a questão dos ditos "refugiados" ("refujihadistas" seria o termo adequado...), é para mim a maior lavagem cerebral que se fez na Europa em décadas.

Basta atentar no telejornal da RTP que eu deixei de ver (praticamente não vejo televisão, a não ser para me colocar ao corrente da propaganda do regime...), por já não aguentar ouvir tanta mentira. As reportagens sobre os ditos "refugiados" são quase sempre imagens de crianças a chorar nas chegadas "dramáticas" à costa mediterrânica. Facilmente se percebe que se trata de pura manipulação dos factos e em consequência, das mentes dos mais ingénuos.

Sobre os estupros de mulheres europeias, o vandalismo em massa e o autêntico reinado de terror a que estão sujeitos os locais por onde passam essas tais hordas de "refugiados", sobre isso, os jornalistas da imprensa-fantoche nem piam. No máximo dos máximos e apenas quando o assunto é mesmo grave e já não dá para ocultar mais do público, lá emitem uma mini-notícia, muito rápida e curta, só "para o inglês ver" e fazerem de conta que são "isentos".

"Não tenham medo", assim dizia um dos caramelos da Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) na televisão há alguns meses atrás. Pois não, eu só gostava de ver era se ele continuaria a falar assim, se fosse a mãe ou a irmã dele a serem violadas colectivamente por um bando de mouros ou a ficarem sem pernas porque um "excluído social" decidiu fazer-se explodir no metro, com um colete-bomba em nome do profeta pedófilo Maomé. 

Pimenta no cu dos outros é refresco... pode ser que futuramente e por uma questão de equidade, seja o cu das elites mundialistas a levar com um bocadinho de "pimenta" por ali acima, de forma a que possam experimentar eles próprios a qualidade do "refresco" que andam a importar...

João José Horta Nobre
4 de Abril de 2016


Toda a narrativa que grande parte dos media ocidentais publicam sobre a crise dos "refugiados" é fraudulenta Os media não revelam coisas como o facto de a maioria dos ditos "refugiados" serem homens em idade militar, nem mostram as "selfies" dos refugiados, tiradas com os seus Iphones. A imprensa-fantoche também não mostra o facto de a maioria dos ditos "refugiados", na realidade, não passarem de migrantes económicos que querem é vir caçar as benesses e apoios sociais concedidos pelos países mais ricos como a Suécia e a Alemanha. Isto explica igualmente porque é que a maioria dos "refugiados" não quer vir para Portugal quando lhes é concedida a oportunidade, é que por cá não há a maminha dos subsídios...

20 comentários:

  1. Mas é curioso como eles próprios dão tiros nos pés. O cartaz que anuncia esta iniciativa mostra um rapaz, alegadamente refugiado, que traz na mochila uma série de coisas. Entre elas cartões telefónicos para ligar para a Turquia, Irão e Afeganistão. Então mas eles não fogem da guerra na Síria? qual é a guerra que há no Irão? ou no Afeganistão? não se percebe...

    ResponderEliminar
  2. Olhe aqui o que é que o seu amigo Leocardo escreveu acerca disto... e acerca de mim (mais uma vez, que obsessão!) e também dos que comentaram lá no meu blogue:

    http://bairrodooriente.blogspot.com/2016/04/a-cronica-do-gangrape-de-uma-ideia-pura.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FireHead, isso é a peixeirada do costume...

      Ignorar é o melhor remédio!

      Abraço

      Eliminar
    2. Pois, de facto maluco tenho sido eu em procurar dar-lhe sempre troco. Os outros, como têm mais experiência de vida que eu, desde logo o mandaram lixar.

      Eliminar
  3. Caro JJHN


    A melhor maneira de combater a manipulação, os pseudo-debates, a retórica distorcida é simples, basta que haja vontade política.


    Aí vai a lista actualizada de reformas urgentes e necessárias:


    Abolição do salário mínimo
    Liberalização dos despedimentos
    Abolição dos descontos
    Pagamento do verdadeiro custo da água e energia pelo utilizador
    Pagamento do verdadeiro custo de educação e saúde pelo utilizador
    Liberalização (facilitação, desregulamentação) do acesso às profissões liberais
    Liberalização das rendas
    Sujeição a IRC a todas as pessoas colectivas
    Simplificação do IRS com sujeição individual, taxa única, sem deduções e abatimentos
    Taxa única no Iva
    Desmantelar o sistema escolar com o e-learning
    Varrer a função pública
    Extinção das juntas de freguesia
    Redução do número de deputados
    ...
    ...
    ...

    ...

    ResponderEliminar
  4. Para esta "gente" ao serviço das internacionais(este sr Rui Marques é um "humanista" incansável,só não percebo porque estamos sempre com tanta miséria e desgraçados já que os "humanista" brotam como cogumelos por todo o lado)o que interessa é tornar tudo igual(tal como no comunismo)nem que seja tudo igual na desgraça.Muito se falou na "formatação educativa" do antigo regime(defender a pátria e educar as crianças para isso era "fascismo" na boca dos comunas)mas agora tudo é "normal" em nome do "humanismo universalista".

    ResponderEliminar
  5. Vocês têm de ser exterminados, vocês são o passado, glória ao futuro:
    http://www.breitbart.com/london/2016/04/02/you-are-not-the-people-you-are-the-past-critics-of-mass-immigration/

    Vejam e sinceramente mais vale acelerar o inevitável, e depois quem tiver unhas...

    ResponderEliminar
  6. Clamoroso e vergonhoso condicionamento psico-emocional de um povo que viveu décadas a ser "massacrado" com o rótulo de "nazis" e "racistas".No entanto só aquela imagem tipo Babel fará despertar muitas campainhas nas cabeças daqueles que ainda conseguem pensar racionalmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Refiro-me à imagem(tipo babel)no post do breibart.com

      Eliminar
    2. «No entanto só aquela imagem tipo Babel fará despertar muitas campainhas nas cabeças daqueles que ainda conseguem pensar racionalmente.»

      Sem dúvida!

      Eliminar
  7. Se eu tivesse filhos em idade escolar, amanhã não iam à escola. Era tão simples quanto isso.

    Há situações que são pura e simplesmente inaceitáveis. E esta, em particular, faz-me fever de raiva. Doutrinar crianças cuja personalidade e carácter ainda não estão devidamente formados é, pura e simplesmente, um acto de covardia.

    Fazer isto com o dinheiro dos nossos impostos é, além de covardia, uma autêntica traição!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que me dá mais nojo no meio disto tudo, nem é o ajudar refugiados, porque aqueles que são genuinamente refugiados eu até nem me importo de auxiliar, mas em locais adequados nos seus países e sem invasões. Isso é o caso desta pobre rapariga curda:

      https://www.youtube.com/watch?v=6T73btqWT-Y

      Eu não me importo de dar alguns euros para que a desgraçada tenha o mínimo de condições num campo de refugiados adequado até acabar a guerra e poder voltar para casa. Mas quererem abrir as fronteiras a esta gente toda é pura loucura!

      Agora o que me dá mesmo raiva é que esta iniciativa que vão fazer amamhã, visa apenas manipular a cabeça dos miúdos, de forma a tentarem convencê-los de que todos os ditos "refugiados" que querem entrar cá para dentro, são mesmo refugiados.

      Isto é andarem a mexer com a cabeça das nossas crianças. É crime e devia de ser punido!

      Eliminar
  8. "excluído social" decidiu fazer-se explodir no metro, com um colete-bomba em nome do profeta pedófilo Maomé. "


    Acredita mesmo nisto , que os invasores se explodem por Maomé ? Se sim ,então porque não faziam disto em épocas em que o ocidente não se intrometia no médio oriente ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Acredita mesmo nisto , que os invasores se explodem por Maomé ? Se sim ,então porque não faziam disto em épocas em que o ocidente não se intrometia no médio oriente ?»

      Nessas tais épocas "em que o ocidente não se intrometia no médio oriente", eles faziam pior ainda:

      https://www.youtube.com/watch?v=c7y2LRcf4kc

      Eliminar
    2. Outros tempos que nada tem a ver com os acontecimentos atuais .

      A pergunta que se tem que fazer é: porque tais atos de terrorismo sempre vêem na sequencia de intervençoes violentas que os governos ocidentais praticam no médio oriente e , quem beneficia-se de tais intervenções?

      Eliminar
    3. Não sei de que benefícios fala, quando na prática o que esse actos violentos fazem é apenas reforçar os partidos nacionalistas na Europa que não têm parado de crescer e muito, à custa disso tudo.

      http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/01/danke-schon-frau-merkel.html

      Eliminar
    4. Israel se beneficia tendo seus inimigos dilacerados .

      Partidos nacionalistas europeus sao em sua maioria falsa oposiçao ,nasceram como tal ou foram infiltrados e subvertidos pelo caminho .

      Eliminar
  9. Pois é, e compete à Europa acolher os refugiados, sejam eles verdadeiros ou falsos, os outros não podem. Ninguém obriga a China ou o Japão a aceitarem refugiados, e já nem falo dos países muçulmanos que partilham a mesma crença idolátrica que a esmagadora maioria dos refugiados, além de que são Estados podres de ricos com petrolódares... É o dever moral dos europeus aceitar os refugiados, é o dever moral dos europeus sustentarem-nos, é o dever moral dos europeus permitirem que os refugiados criminosos violem as europeias e os jihadistas cometam atentados porque é o dever moral dos europeus ficarem indignados e chorarem quando estas coisas más acontecem.

    ResponderEliminar
  10. Lei Islâmica em Ação: Os Mitos do Islão
    infielatento.blogspot.com/2015/12/mitos-sobre-o-islam.html
    7 de dez de 2015 - Por exemplo, a "gloriosa" jihad islâmica ou os direitos das mulheres. ... A submissão e a paz são conceitos muito diversos, inclusive se uma .... para ver o Islã declarar guerra contra todas as principais religiões do mundo em ...ler no post acima linkado

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...