domingo, 24 de abril de 2016

Luta luta companheiro luta


Video onde se pode ver um companheiro a tentar ensinar a outro companheiro, qual o valor da sua "farramenta". Trata-se de um excerto do documentário "Torre Bela" (1977), que retrata o tempo da Reforma Agrária em Portugal.



Assinalam-se amanhã 42 anos que se iniciou o lento, mas "progressivo" desmantelamento de Portugal, por parte da plutocracia internacional e internacionalista. Passo a passo e de mansinho, tudo tem sido feito ao longo destes 42 anos para não só reduzir Portugal a uma anedota no concerto das nações, mas para também acabar com o País de uma vez por todas.

Na prática, o que se deu foi uma espécie de "cubanização" de Portugal, pois tal como há cubanos que têm a cabeça completamente lavada pelo regime e por isso julgam viver num autêntico "paraíso do povo", assim também muitos portugueses vivem a julgar que o actual regime os defende e zela pelo seu bem. Acreditam mesmo que a "democracia" existe e que quem governa e aparece na televisão lhes diz a verdade. Acreditam nisto tudo, tal como uma criança inocente acredita no Pai Natal. É triste.

Lamento informar os abrileiros fanáticos, mas tal como o Pai Natal não existe, também é verdade que quem hoje nos (des)governa não zela pelo nosso bem, nem nos defende. Há 42 anos entregaram Portugal nas mãos de filhos da puta e hoje, continuamos a ser governados por filhos da puta. Não sei quando é que isto vai ter um fim, mas posso-vos garantir que isto vai ter um fim e talvez muito mais rápido do que a maioria pensa. Não acreditam em mim? Então olhem para a Europa e tentem apenas "farejar" o cheirinho do fermento explosivo que se está a cozinhar lá fora, a "festa" que aí vem promete, promete e de que maneira!

João José Horta Nobre
24 de Abril de 2016

4 comentários:

  1. "Não sei quando é que isto vai ter um fim, mas posso-vos garantir que isto vai ter um fim e talvez muito mais rápido do que a maioria pensa."

    Caro JJHN

    Quando houver vontade política para o Estado gastar menos do que recebe, caso contrário, quando a pressão financeira for tal que simples ajustamentos não chegarão e ter que se tomar medidas mais drásticas.

    Para deixar de haver défices basta que haja vontade política e implementar reformas estruturais que irão ajudar a desmantelar as bases de sustentação da esquerda.

    Aí vai a lista actualizada:


    Abolição do salário mínimo
    Liberalização dos despedimentos
    Abolição dos descontos
    Pagamento do verdadeiro custo da água e energia pelo utilizador
    Pagamento do verdadeiro custo de educação e saúde pelo utilizador
    Liberalização (facilitação, desregulamentação) do acesso às profissões liberais
    Liberalização das rendas
    Sujeição a IRC a todas as pessoas colectivas
    Simplificação do IRS com sujeição individual, taxa única, sem deduções e abatimentos
    Taxa única no Iva
    Desmantelar o sistema escolar com o e-learning
    Varrer a função pública
    Extinção das juntas de freguesia
    Redução do número de deputados
    ...
    ...
    ...

    ...

    ResponderEliminar
  2. O 25 de Abril antecipou, de alguns anos, a vinda da democracia portuguesa, mas tem de ser condenado:

    1- Pela anarquia destrutiva que manteve durante vários anos, provocando o aparecimento de organizações criminosas militares como as famigeradas FP-25 (que cometeram roubos à mão armada, atentados, assassínios), pelo desastrado Gonçalvismo, as ondas de nacionalização de Bancos, expropriações de empresas particulares e multinacionais, ocupações de herdades e casas, assaltos e roubos de bens privados, prisões injustas de empresários e «reaccionários», nacionalização e uso abusivo e ditatorial dos meios de comunicação, por exemplo pelo terrorismo do MDLP e da FLAMA (Frente de Libertação do Arquipélago da Madeira, fundada em 1975 e extinta em 1979, e seguindo o lema, segundo o pronunciou Alberto João Jardim, de que "O terrorismo de Estado totalitário combate-se com o terrorismo democrático. O país está nas mãos de uma ditadura totalitária, a do Partido Comunista"), etc.

    2- Porque, durante o PREC, e parafraseando Spínola « ... sob a bandeira de uma falsa liberdade, estão preparando novas formas de escravidão», referindo-se às manobras sub-reptícias das forças da esquerda tentando tomar o poder.
    3- Porque, por altura da tomada de posse do 1º Governo Constitucional o país estava de rastos, com «...ânimos exaltados, desemprego crescente, estagnação económica com a indústria e a agricultura moribundas, inflação descontrolada, debandada dos quadros e dos capitais, aumento desordenado das despesas públicas, colocação das clientelas, recurso constante ao crédito externo ...»
    4- Pela ênfase exagerada dado ao direito à liberdade individual que, esticada ao máximo, levou à rotura do bom senso e à prostituição de valores aceitáveis de ética e civismo; pelo excesso de liberdade, irresponsável, dada às crianças que adquiriram direitos e regalias de adultos sem contrapartida de deveres; pela perda de autoridade dos professores e das escolas; pela ideia que os salários podem subir sem que sejam compensados por um aumento de produtividade, etc.
    5- Pela catástrofe de Timor e pela apressada independência dada às colónias, de uma maneira não transparente, sem consultar as respectivas populações, com o resultado que se viu: Instabilidade política, fome, regresso às doenças, guerra civil, e um nacionalismo desnecessariamente exacerbado, que só aos governantes beneficiou, e lançou esses novos estados numa situação antidemocrática e de pobreza como nunca tinham conhecido sob o domínio «fascista» português.----mais aqui http://joaogil.planetaclix.pt/k2.htm

    ResponderEliminar
  3. E a extrema-direita ganha a primeira volta das presidenciais austríacas. Por que será?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É simples. Porque está (quase) tudo farto de mentirosos, corruptos e sacanas da pior espécie.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...