sexta-feira, 15 de julho de 2016

Da Guerra Civil Que se Prepara





"Quando o Lempereur voltou, estendeu-me uma dezena de folhas agrafadas, escritas com caracteres muito pequenos; efectivamente, o documento tinha um título claríssimo: «PREPARAR A GUERRA CIVIL».

- Bom, há muita coisa do mesmo género, este é um dos mais sintéticos e com estatísticas mais fiáveis. Tem grande profusão de números, visto que analisa os vinte e dois países da União Europeia, mas as conclusões são sempre as mesmas em todos. De forma resumida, a tese do movimento é a seguinte: a transcendência é uma vantagem selectiva, os casais que se reconhecem numa das três religiões do Livro, e que mantêm portanto os valores patriarcais, têm mais crianças do que os casais agnósticos ou ateus; as mulheres têm menos estudos, o hedonismo e o individualismo são menos impositivos. Por outro lado, a transcendência é em larga medida uma característica geneticamente transmissível: conversões a outras religiões ou rejeições dos valores familiares têm uma frequência marginal; na esmagadora maioria dos casos as pessoas mantêm-se fiéis ao sistema metafísico em que foram criadas. O humanismo ateu, sobre o qual assenta o laico «viver juntos» dos casais informais, está portanto condenado a acabar em breve, a percentagem de população monoteísta está a aumentar em flecha, como acontece no caso particular da população muçulmana – não contando com a imigração, que acentua ainda mais o fenómeno. Assim, os identitários europeus admitem abertamente que entre os muçulmanos e a restante população vai rebentar, obrigatoriamente, mais cedo ou mais tarde, uma guerra civil. E concluem que para haver uma hipótese de os europeus vencerem essa guerra civil, esta tem de começar o mais depressa possível – em qualquer caso antes de 2050, e de preferência muito antes." - Michel Houellebecq, Submissão

Só quem for mesmo ignorante, inocente ou mentalmente incapaz, é que não compreende que estamos a navegar neste momento em alta velocidade rumo a uma guerra civil devastadora na Europa Ocidental. 

Ontem foi em Nice e mais uma vez se percebe como a classe política ocidental (marionetas controladas por forças superiores...) está totalmente em estado de negação. O patético François Hollande até já veio dizer que a verdadeira ameaça é o "populismo". Isso mesmo caros leitores, leram bem, o "populismo"! Sucedem-se em catadupa os ataques terroristas perpetrados por seguidores do pedófilo semita Maomé, mas a culpa é dos "populistas"! Isto só por si representa bem o grau de lunatismo em que estão mergulhadas as classes políticas do Ocidente. 

Eu logo no rescaldo dos ataques ao Charlie Hebdo em Janeiro de 2015, escrevi este artigo em que afirmei então que provavelmente trata-se apenas de uma questão de tempo até voltarmos a ter campos de concentração na Europa, isto porque quando as massas islâmicas que temos dentro da mesma ficarem completamente fora de controlo e começarmos a ver (e sofrer...) ataques e massacres a nível diário, vai ser inevitável que estas populações tenham de ser internadas em guetos ou campos de concentração, caso contrário, será o fim da Civilização Europeia. A título de exemplo, foi exactamente isto que os israelitas já fizeram aos palestinianos, que estão neste momento enclausurados em áreas cercadas (a Faixa de Gaza é ela própria um gigantesco campo de concentração), de onde só podem sair em número muito limitado e sujeitos a um apertado processo de controlo e vigilância. Nas grandes cidades europeias e a continuar a actual tendência, mais tarde ou mais cedo, é provável que as populações islâmicas sejam forçosamente deslocadas para guetos ou campos de concentração e acreditem que eu não digo isto por desejar tal, mas digo-o porque é a meu ver simplesmente inevitável que tal aconteça no médio/longo prazo. 

A par disto, iremos muito possivelmente assistir a guerra civil aberta que assumirá contornos semelhantes às guerras que ocorreram nos Balcãs na década de 1990. Esquadrões de morte, valas comuns e limpezas étnicas passarão a ser o "pão nosso de cada dia" na nova Europa que se prepara. Estou louco? Então esperem para ver o que aí vem e olhem que apesar de eu não ser bruxo, as minhas previsões contra a corrente "bem pensante" não costumam falhar. Não possuo nenhum "segredo", simplesmente conheço bem a história da Europa, sei "o que a casa gasta" e tento ser o mais realista possível em todas as minhas análises. Isto basta-me para conseguir ter um "cheirinho" do futuro sanguinário que nos espera... 

João José Horta Nobre
15 de Julho de 2016
 

16 comentários:

  1. O exemplo Palestino não vem a calhar pois ali eles sao vitimas tais como os Europeus .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que os palestinianos são vítimas de uma ocupação ilegal. Eu só queria dar um exemplo de como os "campos de concentração" ao contrário do que se pensa, não serem uma coisa do passado e existirem nos nossos dias.

      Eliminar
  2. Nem os campos são apenas do passado nem a ideologia/religião medieval islamo-fascista,daí que a comparação faça sentido por esse prisma descontado o facto de serem situações diversas(a da Palestina e a da Europa).

    ResponderEliminar
  3. Tem toda a razão.
    Só não vê quem não quer.
    Ontem comentei o Post do jornalista José Milhazes:
    "Tem toda a razão!
    Deixem-se de tretas e tentem acabar de vez com este flagelo antes que tudo isto dê para o "muito torto"! e então iremos ter guerra a sério! Guerra Civil!
    Não há muito tempo para pararmos com esta gente que sabe muito bem o que quer e o que fazer. Há anos que andam a ser industriados e manipulados para nos combaterem e nos matarem como está a acontecer.
    Acordem, por favor!"
    E ainda há quem se dê ao luxo de sonhar alto e julga que esta gente ainda vai ser convertida!
    Uns patetas e uns ignorantes da História Mundial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tentar falar com essa gente que tem a cabeça feita pelo "politicamente correcto", é o mesmo que tentarmos falar com uma parede...

      Eliminar
    2. Sáo os herois da primavera arabe que a frança deixou entrar na europa agora o resultado está lá vai ser a mesma coisa com os refugiados esse raça tem samgue assasino ê religions que náo podem ver os europeus os que sáo a favor da religions que façam um calculo do que esses assassinos matam no mundo ê bom todos a mosque ê sáo mussulmanos

      Eliminar
  4. Caro JJHN, se estiver interessado, já há uma tradução do vídeo do PJW:

    https://www.youtube.com/watch?v=zrK89Ht7sKI


    Recomendo ainda esta interessante entrevista da Ayaan Hrisi Ali ao Dave Rubin, traduzida pela brasileira Khadija Kafir:

    https://www.youtube.com/watch?v=YbqRdTWt1_4

    (P.S.: Tem conseguido dormir à noite? É que está prestes a ser desmascarado como usurpador de identidades e ladrão de teses! Eheheheheh...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Caro JJHN, se estiver interessado, já há uma tradução do vídeo do PJW:»

      Obrigado, já fiz a troca!

      «Tem conseguido dormir à noite? É que está prestes a ser desmascarado como usurpador de identidades e ladrão de teses! Eheheheheh...»

      Homem, você nem imagina o pânico em que eu ando! Deito-me na cama e começo logo a imaginar a polícia a arrombar-me a porta a meio da noite e a levar-me numa carrinha escura onde me mostram depois um mandato de captura com o meu nome, onde está escrito: João José Horta Nobre, usurpador de identidades e ladrão de teses!

      Isto anda a dar cabo de mim Afonso. Eu não aguento mais esta vida dupla que ando a levar há anos às custas do pobre mestre João José Horta Nobre. Acho que vou ir parar ao inferno por causa disto tudo que ando a fazer (AHAHHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAAHAHHA...)

      Eliminar
  5. A Le Pen poderá ganhar as próximas eleições.Os actuais lideres politicos da Europa são extremamente "frouxos" e os seus discursos acerca do terrorismo não passam confiança.Mesmo assim o mais acertivo é o Putin,o Holande e outros da União Europeia ficam pelos discursos de circunsancia.

    ResponderEliminar
  6. ANÔNIMO X

    Não existe país laico seus amadores.

    MAÇONARIA SEITA JUDAICA.

    ResponderEliminar
  7. "Não possuo nenhum "segredo", simplesmente conheço bem a história da Europa, sei "o que a casa gasta" e tento ser o mais realista possível em todas as minhas análises."

    Caro JJHN

    Discordo, acho que se julga realista mas penso que é pessimista.

    Eu, dentro do realismo estou mais optimista.

    Os eleitores decidirão o caminho a seguir, votando à esquerda, haverá sempre tendência para piorar, votando à direita estaremos no bom caminho.

    De qualquer maneira, a pressão financeira irá também orientar o caminho a ser seguido.

    Se houver vontade política de um governo qualquer impôr reformas estruturais (que eu defendo), os outros terão de seguir esse caminho, pois tenderão a ficar para trás.

    Muito mais cedo as bases que sustentam a esquerda irão ser desmanteladas e haverá muitos efeitos positivos.

    Hollande é patético porque qualquer esquerdista é patético mas foram os eleitores que quiseram seguir o patetismo.

    Outra nota, a nível mediático e simbólico, é preciso que as pessoas saibam aquilo que festejam e o 14 de Julho representa o início dum ideal de merda que apesar de já ter sido dizimado pela realidade ainda hoje perdura.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Discordo, acho que se julga realista mas penso que é pessimista.»

      Ah, sim, sim, muita gente considera-me um pessimista nato. O problema dessas pessoas é que vivem num Mundo cor-de-rosa onde qualquer coisa má é sempre varrida para debaixo do tapete, pois tratam-se de pessoas que preferem ignorar a realidade quando a mesma não vai de encontro ao seu Mundo de fantasia.

      «Muito mais cedo as bases que sustentam a esquerda irão ser desmanteladas e haverá muitos efeitos positivos.»

      Isso não vai travar o terrorismo islâmico e as forças superiores em jogo que estão determinadas a criar o caos.

      «Outra nota, a nível mediático e simbólico, é preciso que as pessoas saibam aquilo que festejam e o 14 de Julho representa o início dum ideal de merda que apesar de já ter sido dizimado pela realidade ainda hoje perdura.»

      Qual é o ideal?

      Eliminar
    2. Caro JJHN

      "Mundo cor-de-rosa"

      Não vivemos num mundo cor-de-rosa mas ainda há 30 anos havia um bloco soviético que já foi desmantelado, a democracia e o capitalismo expandiram-se para esses países de Leste, a China liberalizou a economia, o custo de vida diminuiu substancialmente em virtude da liberalização do comércio e do desenvolvimento tecnológico.

      "Isso não vai travar o terrorismo islâmico"

      Isso irá contribuir para a diminuição significativa da pressão migratória e levará os imigrantes já instalados a sentirem uma forte pressão económica, pois muitos deles vivem à pala de subsídios do Estado, ou seja, contribuirá para o seu regresso voluntário às terras de origem.

      Haverá tendência de melhoria a nível da decisão dos governos, ao nível da vigilância, controlo, eventuais intervenções militares no estrangeiro, etc.

      Mas muito disso depende da implementação rápida de reformas estruturais.

      "Qual é o ideal?"

      Obviamente o ideal "igualitário" que sempre trouxe muita pobreza, miséria, fome e morte.


      Eliminar
    3. «Obviamente o ideal "igualitário" que sempre trouxe muita pobreza, miséria, fome e morte.»

      Essas ideias já existem desde os tempos da Antiga Grécia. Se alguém tem culpa da Revolução Francesa, é a própria elite da época que vivia rodeada de uma opulência escandalosa, enquanto o povo vivia na merda. Se o Arquivista é tão defensor de "reformas estruturais" como lhes chama, então também tem de reconhecer que esta mania das elites monárquicas quererem viver à custa do dinheiro que roubam aos contribuintes, é algo que tem de acabar.

      Eliminar
    4. Caro JJHN

      As ideias até podem ter existido desde os tempos da Antiga Grécia mas foi na Revolução Francesa que se tornaram uma ideologia política.

      Claro que houve causas económicas e outras que contribuíram para a Revolução Francesa, o Estado estava falido devido aos enormes custos militares relativos às guerras, havia necessidade de mais impostos para financiar o Estado mas tudo isso também acontecia noutros países.

      O factor decisivo que contribuiu para a Revolução Francesa, foi a fome. Estávamos em plena Pequena Idade do Gelo, havendo vários anos seguidos de más colheitas, porque os franceses continuaram a semear cereais que simplesmente não resistiam ao frio, viam a batata como a comida do diabo, já os alemães viraram-se para o cultivo da batata, muito mais resistente ao frio.

      Independentemente disso, no pós Revolução, como todos sabemos, praticamente tudo voltou ao mesmo, Napoleão toma o poder e coroa-se imperador.

      Defendo "reformas estruturais" porque é a única que aliado à disciplina de quem governa, irá permitir o desenvolvimento acelerado na vertente económica com aumento brutal de produtividade, irá permitir que haja superávites em vez de défices anuais, irá permitir um investimento massivo, criação de muitas empresas, criação de riqueza através de produtos e serviços, significa uma baixa considerável de impostos.

      Outros benefícios serão o repovoamento do interior, melhoria ao nível ambiental mas sem sombra de dúvidas que o melhor de tudo é o desmantelamento das bases de sustentação da esquerda.

      Eliminar
    5. «O factor decisivo que contribuiu para a Revolução Francesa, foi a fome. Estávamos em plena Pequena Idade do Gelo, havendo vários anos seguidos de más colheitas, porque os franceses continuaram a semear cereais que simplesmente não resistiam ao frio, viam a batata como a comida do diabo»

      E porque será que eu desconfio de que essa ideia da batata ser a "comida do Diabo" foi propagada pelos filo-semitas da Igreja?...

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...