domingo, 3 de julho de 2016

O Capitalismo Nunca Morre

Este gráfico é bastante exemplificativo das consequências da queda tendencial da taxa de lucro no médio/longo prazo. Como se pode constatar, as classes trabalhadoras dos países desenvolvidos não têm melhorado as suas condições de vida, no período de 1988 a 2008, em contraponto com todas as outras classes sociais em todo o mundo (fonte).


As classes trabalhadoras dos países desenvolvidos não viram melhorar as suas condições de vida entre 1988 e 2008, devido simplesmente a um fenómeno que a maioria dos economistas contemporâneos ignora, porque os mesmos parecem estar apanhados por uma mistura de dogmatismo  religioso (a fé nos mercados e numa suposta "mão invisível") com pseudo-ciência económica. Eu direi mesmo que as aulas de economia em qualquer universidade actual, assemelham-se mais a aulas de bruxaria aplicada, do que a outra coisa qualquer.

Mas como eu dizia, há um simples fenómeno que explica o porquê das classes trabalhadoras terem visto o seu nível de vida estagnar entre 1988 e 2008 e esse fenómeno nada tem de misterioso, ilógico, ou sobrenatural, chama-se apenas "a queda tendencial da taxa de lucro" e muitos nunca sequer ouviram falar de tal coisa (para a elite também não convém que se fale disto...). A verdade é que não há maneira de o modo de produção capitalista escapar à queda tendencial da taxa de lucro, que é um defeito estrutural inerente ao mesmo e até hoje nenhum economista conseguiu teorizar uma solução adequada para este gravíssimo problema. Karl Marx compreendeu isto já no século XIX e tentou arranjar uma cura, propondo uma maleita ainda pior que dá pelo nome de Socialismo Científico (que na realidade pouco ou nada tem de científico...). Apesar deste facto, eu insisto que não se deve, nem se pode menosprezar Marx no campo da crítica ao Capitalismo, porque o próprio Marx era um capitalista ferrenho que conhecia o "sistema" por dentro como quase ninguém. Foi seguramente o economista que até hoje expôs melhor os principais problemas que afectam o actual modelo económico, que com uma ou outra alteração, continua no essencial a ser o que era em meados do século XIX.

Após o fim dos Trinta Gloriosos (circa 1975), o modo de produção capitalista no Ocidente nunca mais conseguiu regressar às elevadas taxas de lucro, as crises cíclicas repetem-se com cada vez maior frequência (já dizem que vem aí uma nova a caminho e ainda nem saímos da actual...) e têm uma durabilidade cada vez maior, algo que Marx previu correctamente. É exactamente isto que explica o porquê das condições de vida das classes trabalhadoras do Ocidente ter estagnado no período em questão. 

Com a emergência de novos concorrentes no campo económico[1], os países desenvolvidos perderam mercado e competitividade, o que se traduziu logicamente numa redução dos lucros para a burguesia ocidental e por sua vez das classes trabalhadoras correspondentes. Muitos dirão que isto é mentira, porque os salários entretanto aumentaram, mas a verdade é que o aumento salarial não conseguiu acompanhar o aumento do custo de vida.[2]

A partir de 2008 a situação em lugar de ter melhorado, piorou ainda mais e vai piorar e continuar a piorar, porque este problema só pode ser resolvido de duas formas: ou arranjando uma grande guerra (a solução encontrada para se sair da crise de 1929), ou transformando o Capitalismo por dentro, algo que exige mudanças políticas profundas e uma total alteração do paradigma económico-social. Enquanto a actual elite estiver no poder, não esperem que nada mude e a mudar, vai ter de começar pelos Estados Unidos, pois é lá que se encontra a "cabeça da serpente"...

Não é ao acaso que já se diz por aí que as novas gerações vão ter um nível de vida pior do que o dos seus pais e as elevadas taxas de desemprego e precariedade que afectam hoje estas mesmas gerações, são disso a prova viva. O poder de compra das pessoas não pára de baixar, devido ao facto dos lucros da burguesia também não pararem de cair (basta verem quantas empresas faliram em Portugal nos últimos cinco anos...), o que significa que a burguesia vai ter necessidade de reduzir os custos de produção e isto reproduz-se sempre na forma de mais cortes de salários, mais despedimentos, mais desemprego e em consequência directa de tudo isto, num menor poder de compra, o que conduz a uma ainda maior redução dos lucros da burguesia...

Não há forma de se escapar a este ciclo vicioso mortífero inerente ao modo de produção capitalista. John Maynard Keynes também percebeu isto muito bem e apresentou uma teoria económica para resolver o problema que na verdade, não resolve problema nenhum. O Keynesianismo quando aplicado à realidade, não passa de um conjunto de cuidados paliativos que aliviam os sintomas da doença, mas que não conseguem efectivamente curar a mesma. O motivo para isto também é igualmente fácil de se entender: é que o Keynseianismo parte da premissa do investimento por parte do Estado, como meio para se regenerar o Capitalismo. Ora, se o problema de fundo é exactamente a diminuição dos lucros da burguesia e por consequência lógica, da receita fiscal, como é que o Estado vai arranjar dinheiro para investir seja no que for?

É verdade que os Estados por norma têm uma reserva financeira e uma determinada capacidade de pedir crédito aos mercados, mas nem a reserva financeira é eterna, nem os mercados emprestam para sempre... Como a queda do lucro é imparável, julgo que é portanto fácil de se perceber a fraude académica a que se reduz o Keynesianismo, que na prática, permite à elite apenas ganhar algum tempo, mas nada mais do que isso. 

Agora vou-vos dizer muito sucintamente o que vai acontecer nos próximos anos, pois isto é lógica pura. A Ásia não vai continuar a crescer como tem crescido e em breve também o nível de vida das classes trabalhadoras dos países asiáticos, irá estagnar, da mesma forma que estagnou por cá a partir do final dos anos 1980[3]. O Ocidente por sua vez, vai continuar a afundar economicamente, isto porque a burguesia ocidental não consegue de forma alguma competir com o baixo custo da mão-de-obra dos asiáticos que é imbatível no mercado mundial e como o poder de compra dos jovens ocidentais é miserável e será cada vez mais miserável (a nova moda é o "trabalho temporário" e part-times a recibos verdes...), a nossa burguesia vai lucrar cada vez menos, o que significa que também vão pagar e empregar cada vez em menor dose... 

Entretanto, a própria burguesia asiática e ocidental, vai começar a expandir para África em busca de mão-de-obra ainda mais barata. Só que depois não irão ter mercados onde vender os seus produtos, pois as classes trabalhadoras do Ocidente e da própria Ásia, vão estar reduzidas à miséria. A queda tendencial da taxa de lucro resulta exactamente nisto e por mais "inovação", "expansão" e "dinamização" que as empresas tentem levar a cabo, o resultado será lucrarem cada vez menos. Ocasionalmente, os lucros das empresas até poderão subir, mas a tendência geral é e será para a sua diminuição no médio/longo prazo.

Devo dizer e digo em defesa da própria burguesia, que a esmagadora maioria dos empresários não têm culpa disto, pois eles próprios limitam-se a "dançar ao som da música". O problema é estrutural e só poderá ser resolvido com medidas radicais que alterem a própria estrutura de funcionamento do Capitalismo. O Capitalismo nunca morre, nem vai morrer. Na pior das hipóteses, a queda tendencial da taxa de lucro redundará nalguma grande guerra. Terminada a guerra, teremos um novo período de grande crescimento e prosperidade económica semelhante ao que se viveu entre 1945 e 1975, até que o Capitalismo comece novamente a padecer de mais e mais crises cíclicas, que terminarão em nova grande guerra e assim por diante. Esta loucura não terá fim enquanto não se levarem a cabo reformas radicais na própria estrutura de funcionamento do modo de produção capitalista.

_____________________________________________

Notas:
[1] -
Especialmente na Ásia, onde a China devido ao baixo custo da sua mão-de-obra, não demorou a transformar-se na "fábrica do Mundo".
[2] - Na década de 1950, o salário de um operário qualificado da classe média americana, bastava para sustentar uma família inteira com bastante conforto e ainda sobrava algum dinheiro. Hoje, é preciso mãe e pai trabalharem para conseguir sobreviver e mesmo assim, o que auferem no fim do mês, muitas vezes não dá para sustentar mais do que um filho, isto quando chega para ter sequer um filho...
[3] - Em Portugal e mais alguns países, este prazo alarga-se para o fim dos anos 1990, apenas devido ao facto de termos tido mão-de-obra um pouco mais barata e por isso mais competitiva em termos de exportações...

João José Horta Nobre
3 de Julho de 2016

19 comentários:

  1. A propósito do referendo no UK(tendo por resultado a saída)sugiro o último artigo do Raposo no Expresso(não encontro nenhum link na net além do do Expresso que só tem o primeiro parágrafo),está muito bem "apanhado".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Orlando Braga já atacou isso bem aqui:

      https://espectivas.wordpress.com/2016/07/05/o-liberal-henrique-raposo-contra-os-referendos/

      Eliminar
    2. Artigos diferentes,eu refiro o último no Expresso como titulo "Suicídios".

      Eliminar
    3. Eu não sou daqueles que segue cegamente seja quem for,muito menos jornalistas,mas estou sempre pronto a concordar ou discordar de qualquer texto ou discurso venha de onde vier,daí ter dado relevância a tal artigo visto que poucos hoje em dia "fogem" ao politicamente correcto e colocam as perguntas(incómodas)que são necessárias,e Henrique Raposo(de cujos artigos discordo muitas vezes) colocou questões que os média em geral andam a evitar colocar como sabe qualquer leitor/telespectador/ouvinte lúcido e atento.

      Eliminar
  2. Excelente artigo, caro JJHN! Só não percebo porque é que os seus melhores postais são quase sempre os que têm menos comentários.

    Faltou apenas dizer que, aqui na Europa, sobretudo nos países mais periféricos, o problema da queda tendencial da taxa de lucro foi agravado por décadas de políticas absolutamente criminosas de deslocalização das indústrias tranformadoras para fora da Europa e, em casos como o de Portugal, pelo desmantelamento sistemático da capacidade de produção nacional.

    É isso que explica que, excluindo a Antárctida, a Europa seja precisamente o continente que menos cresceu, em termos económicos, desde o final dos anos 70. Aliás, esse foi um dos argumentos esgrimidos pelos defensores do Brexit durante a campanha para o referendo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Excelente artigo, caro JJHN! Só não percebo porque é que os seus melhores postais são quase sempre os que têm menos comentários.»

      Obrigado. Sabe, hoje em dia há muita gente que só se interessa pelos "fait divers" do dia a dia. Tudo o que as obrigue a pensar um bocadinho mais a fundo, já é demasiado para a cabeça de muita gente. Por outro lado, este tema também não é fácil, eu fiz uma cadeira inteira sobre isto chamada "Economia Política" na Faculdade de Direito em Coimbra e posso dizer que foi de longe a cadeira mais difícil que alguma vez fui obrigado a fazer. Só para o Afonso ter uma ideia, a exame foram 330 alunos, em 330, só passamos 10 alunos e a nota mais elevada se não estou enganado foi um 11. Ter um 10 nessa cadeira, isto no tempo em que era o terrível Avelãs Nunes a dar a mesma, era como ter um 18 numa outra qualquer cadeira dita "normal"...

      «Faltou apenas dizer que, aqui na Europa, sobretudo nos países mais periféricos, o problema da queda tendencial da taxa de lucro foi agravado por décadas de políticas absolutamente criminosas de deslocalização das indústrias tranformadoras para fora da Europa e, em casos como o de Portugal, pelo desmantelamento sistemático da capacidade de produção nacional.»

      Eu só não falei disso, porque isso agrava as consequências da queda tendencial da taxa de lucro, mas não é a causa da mesma. É como o Estado Social. Não hajam dúvidas de que as despesas dadas pela manutenção do Estado Social, também contribuem para agravar de forma catastrófica os efeitos negativos da queda tendencial da taxa de lucro. Mas a raiz do problema é e será sempre a queda tendencial da taxa de lucro que resulta de uma combinação de diversos factores como o aumento do custo de vida, o aumento do preço da mão de obra e a concorrência.

      Eliminar
  3. "À semelhança de Joe(que representa o trabalhador industrial americano),milhões de americanos de meia-idade perderam a narrativa da sua vida,sentem-se derrotados,sentem-se a mais.Não por acaso,os EUA estão a ser varridos por uma epidemia de suicídios.A distopia leva ao suicídio e,antes disso,ao voto em Trump.Ora,o eleitorado do "Brexit" é idêntico ao eleitorado do Trump.O norte de Inglaterra está repleto de homens como Joe Six Pack e,sem surpresa,também mergulhou na catástrofe do suicídio.Se à distopia da globalização juntarmos a questão islâmica e o politicamente correcto(nota minha: finalmente vemos estas questões a ser colocadas nos média e isso já é alguma coisa tendo em conta o quão difícil é opinar fora do dito "normal" nos jornais e afins)que vê "racismo" em qualquer crítica aos muçulmanos,ficamos com as causas do voto no "Brexit". (continua o texto e voltarei a ele)----------do artigo Suicídios de Henrique Raposo

    ResponderEliminar
  4. "As classes trabalhadoras dos países desenvolvidos não viram melhorar as suas condições de vida entre 1988 e 2008"

    Caro JJHN


    Falso, entre 1988 e 2008 houve um aumento do número de países desenvolvidos (Leste da Europa, China, outros países do Sudoeste Asiático, mesmo países que estão abaixo deste patamar muitas pessoas continuam a sair da pobreza) que ainda hoje continua e consequentemente houve uma melhoria do nível de vida das classes trabalhadoras.

    Além disso, muitas pessoas deixaram de ser dessa classe para patamares mais elevados, tornando-se comerciantes, empresários, investidores, outros, continuam nessa classe mas também obtêm outros tipo de rendimentos além do simples salário.

    Mesmo os que vivem exclusivamente do seu salário, melhoraram o seu nível de vida, pois nesses 20 anos e até agora beneficiaram de enormes melhorias a nível político (democratização), económico (bens e serviços que anteriormente nem sequer existiam), cultural (mais e melhor acesso à educação e à informação), etc.


    "Com a emergência de novos concorrentes no campo económico[1], os países desenvolvidos perderam mercado e competitividade"


    Os poucos países desenvolvidos antes de 1988 (Europa Ocidental, América do Norte, Japão, Austrália, Nova Zelândia) sofreram e continuam a sofrer forte concorrência, mas ao contrário do que refere, ganharam novos mercados com o desenvolvimento dos outros países. Melhorar a competitividade depende da vontade política de efectuar as reformas estruturais que defendo e que contribuirá para desmantelar as bases de sustentação da esquerda.

    Como não há grande vontade política, lá teremos de esperar pelo aumento da pressão financeira para irem ajustando medidas.


    "Agora vou-vos dizer muito sucintamente o que vai acontecer nos próximos anos, pois isto é lógica pura."
    "Entretanto, a própria burguesia asiática e ocidental, vai começar a expandir para África em busca de mão-de-obra ainda mais barata."


    Não vale a pena especular sobre o futuro e a deslocalização para África é algo que já existe no presente.

    Os eleitores irão continuar a decidir, por exemplo, na Venezuela escolheram livremente empobrecer. Em Portugal também, desde 1995 escolheram o caminho para a pobreza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Falso, entre 1988 e 2008 houve um aumento do número de países desenvolvidos (Leste da Europa, China, outros países do Sudoeste Asiático, mesmo países que estão abaixo deste patamar muitas pessoas continuam a sair da pobreza) que ainda hoje continua e consequentemente houve uma melhoria do nível de vida das classes trabalhadoras.

      Além disso, muitas pessoas deixaram de ser dessa classe para patamares mais elevados, tornando-se comerciantes, empresários, investidores, outros, continuam nessa classe mas também obtêm outros tipo de rendimentos além do simples salário.

      Mesmo os que vivem exclusivamente do seu salário, melhoraram o seu nível de vida, pois nesses 20 anos e até agora beneficiaram de enormes melhorias a nível político (democratização), económico (bens e serviços que anteriormente nem sequer existiam), cultural (mais e melhor acesso à educação e à informação), etc.»

      O que o Arquivista acabou de escrever, apenas prova que ou não leu o meu texto, ou se leu, precisa de reler, pois leu mal...

      Eu falo das classes trabalhadoras dos países mais desenvolvidos do Ocidente e você vai-me buscar os países em desenvolvimento. Precisa de reler o que eu escrevi, porque claramente parece que não leu.

      «ao contrário do que refere, ganharam novos mercados com o desenvolvimento dos outros países. Melhorar a competitividade depende da vontade política de efectuar as reformas estruturais que defendo e que contribuirá para desmantelar as bases de sustentação da esquerda.»

      Os novos mercados que se ganharam, não chegam para se compensar o aumento do custo de vida nos países mais desenvolvidos. Basta ter em conta as misérias que ganham os operários da Ásia, para se perceber que não é essa gente que com certeza vai conseguir sustentar o nosso modo de vida. Por outro lado, a concorrência desse países é fatal. Estes dois factores combinados impedem uma efectiva melhoria do nível de vida.

      «Não vale a pena especular sobre o futuro e a deslocalização para África é algo que já existe no presente.»

      Eu sei que já existe no presente. A própria China tem andado a investir forte e feio em África.

      Eliminar
    2. Não sei se viu o prós e contras desta semana(sei que muitas vezes aquilo é "intragável" mas por vezes é bom saber o que se diz por lá)no qual falou um convidado que gostei muito de ouvir(jornalista Márcio)e que disse sem "papas na lingua" que a Europa ocidental só tem perdido com o mundialismo,tanto na economia e emprego como acima de tudo na parte cultural.

      Eliminar
    3. Na primeira parte do programa http://www.rtp.pt/play/p2233/e242248/Pros-e-Contras o sr Márcio fala a seguir aos 30 minutos e na segunda perto do fim(os outros convidados são parte do sistema como sabemos apesar de dizerem algumas coisas importantes,a secretária de estado dos assuntos europeus também falo de Londres onde foi falar com seu homólogo)

      Eliminar
    4. "Eu falo das classes trabalhadoras dos países mais desenvolvidos do Ocidente e você vai-me buscar os países em desenvolvimento. Precisa de reler o que eu escrevi, porque claramente parece que não leu."

      Caro JJHN


      Eu percebi bem o seu texto, mas é impossível analisar em perspectiva histórica esses 20 anos sem as verdadeiras mudanças que existiram a nível estrutural e essas praticamente todas foram fora do Ocidente mas o seu impacto foi muito relevante no Ocidente também.


      "...aumento do custo de vida nos países mais desenvolvidos"


      Nesses 20 anos houve uma verdadeira diminuição do custo de vida no Ocidente. Com a liberalização do comércio, chegaram ao Ocidente alimentos, têxteis, calçado, produtos eléctricos, electrónicos e informáticos, automóveis, etc. a custos muito mais inferiores ao que se fossem produzidos por cá.

      Nesse sentido, ao contrário do que pensa, os novos mercados significam verdadeiros lucros e não são nenhuma compensação.

      Só há aumento do custo do nível de vida quando há aumento de impostos a começar pelo simples aumento do salário mínimo mas mesmo esses valores são marginais.

      Em relação à perca de competitividade das economias ocidentais deve-se sobretudo à ausência de reformas estruturais (que eu defendo).


      "as misérias que ganham os operários da Ásia"

      É esse tipo de pensamento que contribui para que não haja uma abolição do salário mínimo. O mercado é o melhor especialista a definir salários mas preferem uns pseudo-especialistas a definir os salários mínimos.

      Com essas misérias, esses operários melhoraram substancialmente de vida, e praticamente garantem uma probabilidade maior de sucesso para os seus filhos tal como aqui no Ocidente aconteceu desde a Revolução Industrial.

      Eliminar
  5. este texto é ridiculo. a haver problema este nao é o keynesianismo. o senhor por ter tido uma cadeira de poltica economica nao o faz senhor da verdade. eu sou mestre em economia.
    verifique a tendencia das crises e as politicas adoptadas: perante uma situacao de recessao a melhor solucao foi sempre adoptar politicas expancionistas, isto é, keynesianas. resultou sempre, excepto quando os politicos demoraram a agir ou quando agiram nao tiveram firmeza na sua aplicação. a politicas neolberais, isto é da escola austriaca do tipo austeritarias por outro lado só teem efeito em economias estruturalmente e economicamente fortes. é nesses paises que o aumento dos juro se revela mais eficaz pelo facto de alocar os recursos para as industrias de maior rendibilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você senhor Mestre em Economia é que sabe!

      Eliminar
    2. Caro Anónimo


      O senhor é mestre em economia, já o Francisco Louçã e o Varoufakis são doutorados em economia. O melhor mesmo é não irmos por aí.


      "verifique a tendencia das crises e as politicas adoptadas: perante uma situacao de recessao a melhor solucao foi sempre adoptar politicas expancionistas, isto é, keynesianas."

      Obviamente, contesto a palavra "melhor", foi aplicado o que foi, não é possível voltar ao passado para testar outras soluções.

      A solução para a Grande Depressão foi o New Deal, ou seja, uma solução keynesiana clássica, ou seja, expansionista.

      Já nos anos 80, com Reagan e Thatcher, a política económica não era keynesiana clássica mas uma versão neo-keynesiana, ou melhor, uma versão modificada de Keynes, ou seja, monetarista ou Friedmaniana, também expansionista mas sendo que a principal característica tenha sido a da liberalização económica.

      Para esta Grande Recessão, nos Eua é possível continuar com políticas expansionistas, que é o que tem sido feito, embora só adiem os problemas com a barriga, como se costuma dizer.

      Já na Zona Euro, praticar políticas expansionistas só se os alemães forem parvos, ou seja, só resta verdadeiras reformas estruturais (que eu defendo), ou no mínimo dos mínimos, leves ajustamentos à medida que a pressão financeira for aumentando.

      Eliminar
    3. Parece-me óbvio que sem capital, não há políticas expansionistas que valham, aliás, nem sequer é possível colocá-las em prática...

      Eliminar
    4. "Parece-me óbvio que sem capital, não há políticas expansionistas que valham, aliás, nem sequer é possível colocá-las em prática..."

      Caro JJHN

      Infelizmente é possível, tanto mais que é o que a "geringonça" tem feito, reverter os ajustamentos feitos pelo governo anterior, não há capital mas há crédito o que lhes deixa margem de manobra, ou seja, enquanto o pau vai e vem folgam as costas.

      Quando os credores acordarem de novo e resolverem dizer basta é quando o pau bate nas costas.

      Eliminar
  6. A sua arrogância fica lhe mal. Voce manda bitaites para o ar em assuntos que mal domina e quando alguem o vem elucidar voce amua, nao responde e ainda por cima diz uma coisa completamente arrogante.
    Entao e você que se afirma a toda a hora Mestre em História tambem age com a mesma arrogancia? Ou será que afinal nao é um mestre nenhum.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Entao e você que se afirma a toda a hora Mestre em História tambem age com a mesma arrogancia?»

      De certeza absoluta que não encontrará nenhum artigo ou comentário meu em sítio algum, onde eu me gabe de ser Mestre em História. Aliás, só tenho essa informação no meu perfil e raramente falo de tal.

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...