sexta-feira, 2 de setembro de 2016

E a Invasão Prossegue...




Ficámos a saber esta semana que segundo a Organização Internacional Para as Migrações (OIM), o fluxo de refugiados que chega ao Mediterrâneo mantém um ritmo constante, sendo que foram resgatados só desde o início deste ano cerca de 111.500 invasores islamo-africanos das águas do Mediterrâneo central. Destaquei a palavra invasores, pois para mim é exactamente isso que a esmagadora maioria desta gente é: invasores que vêm para nos roubar o dinheiro dos impostos, o trabalho, o pão e a seu tempo, a paz (esperem mais uns anitos e ides ver todos a linda "festa" com direito a "fogo de artifício" que vamos ter na Europa...).
 
Entretanto, ficámos também a saber que a Polícia Marítima e a GNR estacionadas na Grécia, prestaram auxílio moral e material a mais de 4000 invasores islamo-africanos nos últimos meses. Sim senhora, é uma linda figura esta que estes "agentes da autoridade" andam a fazer ao serviço da Nova Ordem Mundial e do patrão George Soros. Resta saber é se estes polícias e GNR's fazem isto por extrema necessidade financeira, ou se o fazem apenas porque têm um iogurte fora de prazo instalado no lugar do cérebro.  

Aquilo a que estamos a assistir na Europa Ocidental é a um autêntico processo de balcanização ou "libanização da Europa", se quiserem. Não é o multiculturalismo e a "diversidade" que vão reinar na Europa dentro de alguns anos, mas sim, a morte e a mais bárbara violência. Só não se esqueçam depois de agradecer todos os males que estão para vir aos liberais de pacotilha, à esquerda e às elites judaicas e cristãs. Mas claro, eu já sei que no fim a culpa vai ser dos nacionalistas e da "extrema-direita", pois foram esses grandes patifes que abriram as fronteiras a toda a espécie de lixo humano e passaram as últimas quatro décadas pomposamente instalados no poder, a importar populações alienígenas que têm tantas hipóteses de alguma vez virem a ser europeus, como eu tenho de me transformar numa girafa cor-de-rosa...

João José Horta Nobre
2 de Setembro de 2016


14 comentários:

  1. O que é um barco cheio de refugiados afundado sem sobreviventes? R: um bom princípio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bruxelas: uma capital do terceiro mundo .

      http://www.blancheurope.com/2016/08/30/envahisseurs-pauvrete-a-bruxelles/

      Eliminar
  2. NÃO SÃO PARVOS
    .
    Ora, os indivíduos naturalizados NÃO SÃO PARVOS, isto é, sabem que foram recebidos, não numa sociedade sustentável [um exemplo: a França nativa], mas sim, numa SOCIEDADE BADALHOCA:
    - a sociedade (nativa) não é sustentável (média de 2.1 filhos por mulher), nela existe critica da repressão dos Direitos das mulheres... todavia, em simultâneo, para cúmulo, nela defende-se que... no aproveitar da 'boa produção' demográfica proveniente de determinados países {nota: 'boa produção' essa... que foi proporcionada precisamente pela repressão dos Direitos das mulheres - ex: islâmicos}... É QUE ESTÁ A 'SALVAÇÃO' para resolver o problema do deficit demográfico na Europa!?!?!
    .
    Cortar com a bandalheira antes que seja tarde demais:
    - http://separatismo--50--50.blogspot.com/.
    [o legítimo Direito à sobrevivência das Identidades Autóctones]

    ResponderEliminar
  3. Aproveitem e levem os refugiados para Israel, pois lá há muito recurso para os acolher.

    Israel pode receber todos os refugiados tranquilamente.

    ResponderEliminar
  4. António Costa tem uma solução para o terrorismo islâmico na Europa. [Abro aqui um parêntesis para, antes de mais, louvar a coragem de Costa em admitir que há terrorismo islâmico na Europa. Não é costume, em socialistas. Quando há um atentado por banda de um muçulmano, a resposta automática da esquerda é dizer que: i) não foi um atentado, foi um acidente com uma botija de gás, a culpa é do grande capital que lucra com a venda de botijas de um combustível fóssil, em vez de ligar toda a gente à rede de ventoinhas mágicas que produzem electricidade para todos; ii) se, afinal, é atentado, é obra de um maluco a quem o capitalismo falhou ao não prestar cuidados de saúde mental; iii) se o indivíduo é são, não é muçulmano, mesmo que se chame Muhammad, tenha gritado "Alá é grande!", frequente a mesquita e obrigue a mulher a vestir um reposteiro, porque os verdadeiros muçulmanos, tal como definidos pela esquerda europeia, não fazem essas coisas. Portanto, palmas para Costa.]---http://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/jose-diogo-quintela/detalhe/antonio-costa-resolve

    ResponderEliminar
  5. O anónimo das 02:22 está a bater mal... existe muita gente que está a bater mal... com o facto de existir um último reduto da liberdade de expressão: a blogosfera.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Anónimo das 02:22 é um troll que aparece por aqui agora quase todos os dias, de forma a deixar os seus dejectos mentais, para que todos os possam ver. Eu, caridosa e humildemente, lá os vou limpando e colocando no sítio adequado, que é o caixote de lixo do spam.

      Há muita gente que simplesmente não suporta a verdade. Isto torna-se ainda mais evidente, quando estamos a lidar com esquerdistas e/ou fanáticos religiosos. Essa gente não possui argumentos para nos rebater e como tal começam a "bater mal", perdem as estribeiras e partem para os insultos, a violência e quando podem, a censura.

      Cabe-nos a nós manter viva a chama da resistência contra esta tralha tresloucada e seguir sempre em frente, com ainda mais convicção e energia.

      Eliminar
  6. O que é isto? Barracas vazias.

    3 milhões de pessoas podem ser alojadas nestas barracas de campanha que se usam só 5 dias por ano. Refugiados acolhidos: zero.
    A Arábia Saudita tem 100.000 barracas de campanha climatizadas que podem hospedar 3 milhões de pessoas, e estão vazias. Mesmo assim, a Arábia Saudita não acolheu um só refugiado sequer.
    PARA REFLETIR
    Estas barracas, com ar condicionado e tudo mais, como pode se ver nas fotos, são para os peregrinos da festa do Hajj na cidade de Medina. A Arábia Saudita tem recursos econômicos para acolher milhões de refugiados, e NÃO ACOLHEU NINGUÉM. Todos os refugiados encaminham-se para a Europa.


    Três milhões de pessoas podem ser abrigadas aqui.
    Sugerimos que os políticos europeus peçam soluções contra a invasão de refugiados para quem tem meios suficientemente demonstrados de acolhê-los. Esta pode ser a idéia! Façam-se escutar!
    Talvez não queiram porque já sabem de antemão a resposta. Porque? Porque não receber em Meca seus irmãos perseguidos? Em Mina, o povoado de barracas para os peregrinos de Meca. Estas barracas tem ar condicionado e não são inflamáveis. Cada uma dispõe de um alto-falante, uma televisão, um termômetro e um detector de incêndios.
    Não seria este o campo ideal para todos os fugitivos da guerra que ELES MESMOS montaram?







    Os muçulmanos não estão felizes.
    · Não estão felizes em Gaza.
    · Não estão felizes na Cisjordânia.
    · Não estão felizes no Egito.
    · Não estão felizes na Liba.
    · Não estão felizes na Argélia.
    · Não estão felizes na Tunisia.
    · Não estão felizes no Marrocos.
    · Não estão felizes no Yêmen.
    · Não estão felizes no Iraque
    · Não estão felizes no Afeganistão.
    · Não estão felizes na Síria.
    · Não estão felizes no Líbano.
    · Não estão felizes no Sudão.
    · Não estão felizes na Jordânia.
    · Não estão felizes no Irã.
    E onde é que os muçulmanos estão felizes?
    Estão felizes na Inglaterra
    Estão felizes na França.
    Estão felizes na Italia.
    Estão felizes na Alemanha.
    Estão felizes na Espanha.
    Estão felizes na Suécia.
    Estão felizes na Holanda.
    Estão felizes na Dinamarca.
    Estão felizes na Bélgica.
    Estão felizes na Noruega.
    Estão felizes nos Estados Unidos.
    Estão felizes no Canadá.
    Estão felizes na Romênia.
    Estão felizes na Hungría.
    Estão felizes na Australia.
    Estão felizes na Nova Zelândia.
    Estão felizes no Brasil.
    Eles estão felizes em qualquer país do mundo que não seja governado por muçulmanos.
    E quem é que eles culpam ?
    · Não o Islam.
    · Não seus líderes.
    · Não a si mesmos.
    Culpam os países onde estão vivendo livremente e bem.
    A democracia é realmente boa para eles: a democracia, na qual podem viver confortavelmente, aproveitar a alta qualidade de vida, que boa parte deles não constrói e não trabalhou para ter. Pode, esta boa parte deles, manter seus costumes, desobedecer as leis, explorar os serviços sociais, fazer paródias de nossa política e de nossos tribunais. Geralmente, mordem a mão que os alimenta.
    Além disto, eles nunca vão para a Russia, o Vietnam, a Coréia do Norte, a China, Cuba ou para o Cambója,
    A questão é contraditória, paradoxal, porque ao mesmo tempo tentam trazer seu sistema de vida falido e transformar os países que os acolheram no país que abandonaram. Esta é a mais absoluta verdade... :
    Dá para entender?

    ResponderEliminar
  7. Caro JJHN

    Só é possível combater esta invasão com vontade política, depois é preciso inteligência para implementar reformas estruturais que irão desmantelar as bases de sustentação da esquerda.

    Mas tudo isto depende essencialmente dos eleitores dos vários países europeus.

    Eis a lista actualizada:

    Abolição do salário mínimo
    Liberalização dos despedimentos
    Abolição dos descontos
    Pagamento do verdadeiro custo da água e energia pelo utilizador
    Pagamento do verdadeiro custo de educação e saúde pelo utilizador
    Liberalização (facilitação, desregulamentação) do acesso às profissões liberais
    Liberalização das rendas
    Sujeição a IRC a todas as pessoas colectivas
    Simplificação do IRS com sujeição individual, taxa única, sem deduções e abatimentos
    Taxa única no Iva
    Desmantelar o sistema escolar com o e-learning
    Varrer a função pública
    Extinção das juntas de freguesia
    Redução do número de deputados
    ...
    ...
    ...

    ...

    ResponderEliminar
  8. Sem renovação demográfica não há sobrevivência duma Identidade.
    As medidas propostas pelo Arquivista não são um incentivo ao aumento da taxa de natalidade, ANTES PELO CONTRÁRIO!
    .
    .
    .
    P.S.
    Actualmente na Europa REINA A BANDALHEIRA:
    - pessoal que não se preocupa com a construção duma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher)... critica a repressão dos Direitos das mulheres... todavia, em simultâneo, para cúmulo, defende que... se deve aproveitar a 'boa produção' demográfica proveniente de determinados países {nota: 'boa produção' essa... que foi proporcionada precisamente pela repressão dos Direitos das mulheres - ex: islâmicos}... para resolver o deficit demográfico na Europa!?!?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro pvnam

      Acho que ainda não compreendeu o que significa défice demográfico na linguagem política actual.

      Significa essencialmente que há menos pessoas a descontar para o esquema em pirâmide que é a Segurança Social.

      Ora, sendo um esquema em pirâmide, irá implodir mais cedo ou mais tarde, aliás, só ainda não implodiu porque os nossos credores externos são parvos e continuam a financiar o país, praticamente sem qualquer reforma estrutural e com apenas simples ajustamentos facilmente reversíveis.

      Nesse problema em concreto, defendo a abolição dos descontos, ou seja, praticamente implicaria o fim do Ministério da Segurança Social e de praticamente todas as dependências e organismos a ele afectos.

      As reformas estruturais que defendo irão acontecer, se não for por vontade política será pelo aumento da pressão financeira, e, de ajustamento em ajustamento chegar-se-á lá.

      Se forem rapidamente aplicadas haverá transformações profundas com a consequente dor para muitas pessoas mas é a melhor maneira do país sair rapidamente do buraco em que está metido com a conivência dos eleitores.

      Com as reformas estruturais, haveria uma tendência para haver um crescimento exponencial do investimento com as consequentes melhorias económicas e sociais. Sem investimento, o país tenderá a ficar reduzido a pó e cinzas.

      Só aí é que haverá a tendência para o crescimento demográfico, pois sem Segurança Social, implica que as famílias teriam de começar a poupar para o futuro, ter mais filhos para serem o amparo das famílias na velhice, isto tudo além do provável regresso de muitos emigrantes portugueses espalhados pelo mundo fora e da tendência para que os pseudo-refugiados não venham para cá.

      Estas reformas estruturais aplicadas em toda a Europa (e não só) tenderiam a impulsionar o crescimento económico sustentável.

      As actuais medidas de aumento da natalidade, são pseudo-medidas, ficam bem nas notícias mas o seu impacto é insignificante, uns subsídios aqui e ali e nada mais do que isso.

      Agora se o caro pvnam, não vê necessidade nestas reformas estruturais que defendo e que antes de mais nada iriam ajudar a desmantelar as bases de sustentação da esquerda, porque como certamente sabe, a esquerda sempre promoveu a pobreza, miséria e fome, é porque afinal está feliz e contente com o rumo que o país segue, mas relembre-se é preciso que os parvos dos nossos credores continuem parvos e nos continuem a financiar.

      Eliminar
  9. O Arquivista e o pvnam deviam combinar um cafézinho. Tenho a certeza que iriam aprender imenso um com o outro! :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em absoluto! Ainda acabam a formar um partido político. Deixem-me sugerir um nome: Partido Nacional Anarco-Capitalista (PNAC)

      Com o PNAC no poder, as reformas estruturais seriam todas aplicadas logo na primeira hora de governo e o caminho ficaria aberto para depois instaurar o "separatismo 50-50".

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...