segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Os Cristãos Laboram e Conspiram Contra os Nacionalistas e as Pátrias



O excerto acima, escrito por um católico, é apenas mais um exemplo de como os cristãos continuamente laboram e conspiram contra os nacionalistas e as pátrias, servindo o horroroso Deus judeu em que eles acreditam e tentando a todo o custo destruir as Nações, tal como os judeus que seguem a sua crença à letra também as querem destruir. O Internacionalismo é um traço comum de todas as religiões abrmicas, que se definem também por serem crenças messiânicas, o que as torna ainda mais perigosas e visceralmente anti-humanas.

Eu ando a dizer há muito tempo que os cristãos são um dos maiores inimigos internos dos movimentos nacionalistas e são o mais subversivo e perigoso deles todos. Os cristãos, por norma vêm sempre com conversas mansas, fazendo-se passar por vítimas e agredidos, quando na realidade são eles os agressores, os pulhas que em terra alheia espalham as mentiras inventadas pela judiaria. Tal como os restantes semitas e filo-semitas, os cristãos, bem lá no fundo, sempre odiaram a Europa, sempre nos quiseram destruir e basta ouvir os discursos dos cristãos para se perceber isso. Eles próprios admitem que a sua seita é "universal", ou seja, internacionalista, sendo que o Cristianismo nunca passou de um instrumento de controlo psicológico inventado pelos judeus, exactamente para quebrar o espírito de resistência dos goyim e torná-los todos uns cordeirinhos mansos e obedientes.

As nações europeias foram espiritualmente colonizadas pelos semitas aquando da penetração e propagação das seitas semitas em solo europeu. A solução para este mal, essa, é muito simples. É necessário que o Estado ilegalize o Cristianismo, faça a demolição dos templos cristãos e queime as bíblias. O mesmo tratamento deve ser aplicado a todas as restantes religiões abrmicas, até que não reste uma única ideologia/religião semita em solo europeu. O lugar dos semitas e das suas religiões doentias é no Médio Oriente, pois é lá que as seitas judaica, cristã e maomentana foram paridas e é lá que devem de ficar confinadas, para bem da sanidade (e higiene...) mental de todos nós.

Há quase 2000 anos que os cristãos andam a parasitar na Europa, depois de terem destruído o Império Romano e satisfeito a sua perversão filo-semita, humilhando e cuspindo em cima das religiões dos nossos antepassados, dedicaram-se a saquear as nossas pátrias, mentindo e pervertendo o espírito do povo com as suas aldrabices religiosas

O Cristianismo não pode seriamente interessar a nenhum patriota que se digne de o ser, bem pelo contrário, deve e tem de ser escorraçado de volta ao espaço médio-oriental, custe o que custar e doa a quem doer. O esmagamento total do supremacismo judaico só poderá ser feito mediante um simultâneo esmagamento do Cristianismo e do Islão. A aniquilação total destas religiões totalitárias e intolerantes no espaço europeu deve ser hoje o principal objectivo de todos os patriotas que nem devem sequer de hesitar em falar a verdade e denunciar o veneno cristão como aquilo que ele é realmente, ou seja, a ideologia da fraqueza e submissão ao maligno Deus dos abraâmicos

Nietzsche disse uma vez que este Deus dos judeus estava morto. Não, ele não morreu, está vivo e continua a operar a maldade no nosso meio. Cabe-nos a nós, filhos da Europa e herdeiros de Roma, matá-lo, cravar-lhe o punhal sagrado de Némesis bem no meio do coração e expulsá-lo de uma vez por todas para o Reino de Hades. 

João José Horta Nobre
10 de Outubro de 2016
 

31 comentários:

  1. Ainda não percebi uma coisa: o Mestre Nobre é pagão?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde muito jovem que gosto de ler coisas sobre mitologia europeia pré-cristã. Lembro-me de por volta dos meus 12 anos ter devorado uma colecção inteira de livros sobre mitologia e fiquei apaixonado para sempre pelas religiões europeias pré-cristãs.

      Pelo contrário, nunca senti nada pelo Cristianismo e é um religião que sempre vi com uma certa desconfiança. Entretanto, tudo o que se passou nos últimos anos apenas confirmou como a minha desconfiança em relação aos Cristianismo era mais do que justa e correcta.

      Eliminar
    2. KK ANTES DISSO COM 9 ANOS EU JA LIA LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA MINHA HISTORIA FAVORITA ERA AQUELA DO CARINHA QUE PASSAVA METADE DO TEMPO NO SUBMUNDO E METADE DO TEMPO COM A OUTRA DEUSA QUEM ME DEU INCLUSIVE FOI UMA EX "NAMORIDA" DE UMA CONHECIDA LESBICA QUE ERA DA ZONA ALOGENA

      Eliminar
    3. Mas, se me permite a insistência, o Mestre Nobre reza aos deuses dos nossos ancestrais? Ou é mesmo só curiosidade histórica?

      É que eu, como ateu, não ligo nada à religião, embora aprecie imenso a beleza dos templos, das estátuas e dos vasos da antiguidade, assim como das catedrais, dos mosteiros, dos vitrais e da música clássica de inspiração religiosa cristã.

      Já o Caturo do blogue Gladius diz que reza regularmente aos deuses pré-cristãos, o que me deixou bastante impressionado, porque eu estou plenamente convencido de que o Darwinismo também se aplica às religiões. Por outras palavrs, eu sou da opinião que as religiões abraâmicas se tornaram maioritárias no Ocidente por serem mais eficazes a incutir medo e devoção nos seus seguidores.

      Eliminar
    4. «Mas, se me permite a insistência, o Mestre Nobre reza aos deuses dos nossos ancestrais? Ou é mesmo só curiosidade histórica?»

      É uma mistura de curiosidade histórica, amor às tradições ancestrais e busca pelas minhas raízes espirituais.

      «Por outras palavrs, eu sou da opinião que as religiões abraâmicas se tornaram maioritárias no Ocidente por serem mais eficazes a incutir medo e devoção nos seus seguidores.»

      Talvez, não sei. Não tenho dúvidas de que o Messianismo que é característico das religiões abraâmicas é algo muito manipulador do ponto de vista psicológico e explica uma grande parte do fanatismo associado a essas religiões.

      Eliminar
    5. João J. H. Nobre ("nobre"?!) não "Vê com desconfiança" o sacrifício de animais, crianças, mulheres e adultos das religiões pré-cristãs. Interessante. Seria caso de internação?

      Eliminar
    6. «João J. H. Nobre ("nobre"?!) não "Vê com desconfiança" o sacrifício de animais, crianças, mulheres e adultos das religiões pré-cristãs. Interessante. Seria caso de internação?»

      Claro, como é óbvio. Mas qual é a religião que já não teve os seus tristes episódios de violência?

      Eliminar
  2. Há quase mil anos ainda foi pelo cristianismo(pelo menos parece que muitos se entregaram à luta pelo ideal cristão,outros muitos terão alinhado pela ideia do saque)que se combateu o islamismo na Europa.Tendo em conta a realidade de hoje(em que vemos o próprio Bispo de Roma a promover o islamismo cá em vez de defender os cristãos cá e lá no médio oriente)estou de acordo com o autor deste post(e de outros na mesma linha),infelizmente não me parece haver "massa crítica" suficiente na Europa(ou nos states),que não tenha sido cooptada por alguma forma de Abramanismo,que seja capaz desse empreendimento colossal proposto pelo caro Nobre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou nós damos conta das ideologias semitas, ou as ideologias semitas acabam com a Europa:

      http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/07/ou-nos-damos-conta-das-ideologias.html

      Eliminar
  3. Todos diferentes, todos iguais...TODAVIA... quando se fala no (legítimo) Direito à Sobrevivência de Identidades Autóctones {nota: Inclusive as de 'baixo rendimento demográfico'... Inclusive as economicamente pouco rentáveis...} Nazis-Económicos (nazis-à-USA) - desde há séculos com a bênção de responsáveis da Igreja Católica - proclamam logo: «a sobrevivência de Identidades Autóctones provoca danos à economia...»
    [nota: os nazis-económicos (nazis-à-USA) provocaram holocaustos massivos em Identidades Autóctones]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro separatista 50-50, que tipo de ácidos é que você anda a tomar?...

      Eliminar
  4. Ou nós damos conta das ideologias semitas, ou as ideologias semitas acabam com a Europa:

    OS BEDUINIZANTES ESTÃO FORMATADOS O GROSSO DELES SÃO LOBOTOMIZADOS SEQUER SÃO DO DESERTO ALOGENO

    ResponderEliminar
  5. João José Horta Nobre10 de outubro de 2016 às 23:15
    Caro separatista 50-50, que tipo de ácidos é que você anda a tomar?...

    NÃO TE PREOCUPES O PVNAM É CASO SEM SOLUÇÃO

    ResponderEliminar
  6. "Os Cristãos Laboram e Conspiram Contra os Nacionalistas e as Pátrias"

    " os cristãos são um dos maiores inimigos internos dos movimentos nacionalistas e são o mais subversivo e perigoso deles todos."

    Caro JJHN

    Presumo que continua sem perceber, os partidos nacionalistas praticamente não têm grandes apoios nos eleitores.

    A sua única política mediática é anti-imigrantes, não se conhece nenhuma política ou estratégia económica, não apresentam nenhuma reforma estrutural a ser implementada, não se conhece a sua ideia sobre impostos, não se conhece nenhum ideia de política externa e de defesa, não se conhece a sua opinião sobre as aberrantes questões fracturantes, educação, saúde, justiça, função pública, religião e costumes. Está quase ao nível do zero.

    Além disso, o caro JJHN tem um grande contra na sua teoria, pois Salazar era nacionalista e católico praticante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que o Arquivista diz não é verdade. Os partidos nacionalistas têm programas políticos que, nalguns casos, são até mais detalhados que os programas dos grandes partidos. O que se passa é que os grandes mé(r)dia omitem a existência desses programas e os papagaios de serviço (sem pretender incluir neste grupo o Arquivista) repetem a mentira da sua inexistência.

      O único partido nacionalista português, o PNR, não é excepção:


      Programa Político do PNR (Introdução):

      http://www.pnr.pt/programa-politico/


      1 – ECONOMIA, EMPREGO, REINDUSTRIALIZAÇÃO

      http://www.pnr.pt/programa-politico/economia-emprego-reindustrializacao/


      2 – POLÍTICAS SOCIAIS E SEGURANÇA

      http://www.pnr.pt/programa-politico/politicas-sociais-e-seguranca-social/


      3 - JUSTIÇA E SEGURANÇA

      http://www.pnr.pt/programa-politico/justica-e-seguranca/


      4 – CULTURA

      http://www.pnr.pt/programa-politico/cultura/


      5 – EDUCAÇÃO E ENSINO SUPERIOR

      http://www.pnr.pt/programa-politico/educacao-e-ensino-superior/


      6 – POLÍTICA EXTERNA

      http://www.pnr.pt/programa-politico/politica-externa/


      7 - IMIGRAÇÃO

      http://www.pnr.pt/programa-politico/imigracao/


      8 - DEFESA NACIONAL

      http://www.pnr.pt/programa-politico/defesa-nacional/


      ...como vê, caro Arquivista, dos 8 capítulos do programa eleitoral do PNR, apenas um trata da questão da imigração!

      Eliminar
    2. "http://www.pnr.pt/programa-politico/economia-emprego-reindustrializacao/reindustrializacao-e-relancar-a-economia/"

      Caro JJHN

      As propostas são muito aberrantes, desde as nacionalizações, à subsidiação e o previlegiar de umas empresas em detrimento de outras.

      O PNR deve estar cheio de esquerdalhos e/ou ignorantes ao nível do BE.

      É impraticável tendo em conta os défices contínuos, a dívida externa e ainda querem gastar ainda mais.

      Nem vou avançar com comentários sobre os outros links.

      É o descrédito.

      Eliminar
    3. Não concordar com as propostas é uma coisa, dizer que elas não existem é outra. O Arquivista tem todo o direito de discordar com o programa, mas não é correcto, da sua parte, andar a dizer que os nacionalistas não têm um programa político.

      E mesmo que fosse verdade que o programa do PNR é um programa de extrema-esquerda (absurdo, um governo de esquerda jamais privilegiaria empresas portuguesas em detrimento das estrangeiras!), mais de 20% dos eleitores portugueses votou na extrema-esquerda nas últimas legislativas, é preciso perceber porquê!

      Aparentemente, o Arquivista é adepto da política do "cortar por cortar". Só que foi precisamente essa política que colocou a esquerda no poder! E porquê? É simples: porque o povo sabe que há responsáveis pela crise e que esses responsáveis nunca são punidos! Ainda por cima gozam com as pessoas, dizendo-lhes que "viveram acima das suas possibilidades!"

      É esse sentimento de injustiça e a percepção da corrupção generalizada que, em grande parte, perpetua e esquerda no poder. O resto explica-se pelo domínio cultural de esquerda a que o Arquivista não liga nenhuma, mas que se vê claramente nesta campanha para as presidenciais norte-americanas.

      Eliminar
    4. Eu nem vou entrar nesta discussão com o Arquivista porque não vale a pena. O Afonso já disse tudo o que havia para dizer.

      Eliminar
    5. "Aparentemente, o Arquivista é adepto da política do "cortar por cortar". Só que foi precisamente essa política que colocou a esquerda no poder!"

      Caros JJHN e AdP

      Falso, quem colocou a esquerda no poder foram os eleitores.

      E também é falso que eu seja adepto do "cortar por cortar", pois todas as reformas estruturais que defendo, eu sei justificá-las.

      Outra coisa, essa política dos ajustamentos que foi efectuada pelo governo do PPC, foi negociada por quem chamou a Troika, ou seja, ainda pelo Pinócrates e teria de ser aplicada independentemente do governo que tivesse saído das eleições de 2011, caso contrário, não haveria financiamento externo, ou seja, nem o Estado funcionaria (água, hospitais, justiça, fisco, escolas, polícia, saneamento básico, recolha de lixo, limpeza de ruas, etc.),não haveria salários nem pensões, muito menos haveria abundância de comida que é algo banal no mundo em que vivemos nem haveria combustíveis, por não haver dinheiro para os importar, isto além do colapso do sistema financeiro e os aforradores perderem todas as poupanças depositadas nos bancos e em títulos da dívida pública. E ainda, a saída dos euros do país, não me interprete mal, não seria a saída de Portugal do Euro mas sim a saída dos euros de Portugal.

      Critico o governo de PPC por não ter ido além dos poucos ajustamentos que fez, claramente por falta de vontade política, ou, melhor ainda, por falta de coragem política.

      E para ser corrido do governo mais valia que tivesse efectuado as reformas estruturais, pelo menos seria "obra" visível e que ficasse para o futuro, afinal todos eles sabem (os minimamente conscientes e lúcidos) que estão lá a prazo.

      Agora aceleramos alegremente para mais uma bancarrota.


      "É esse sentimento de injustiça e a percepção da corrupção generalizada que, em grande parte, perpetua e esquerda no poder"

      Falso, a esquerda não está perpetuada no poder, se assim fosse, hoje seríamos como a Coreia do Norte, ou pelo menos como Cuba ou a Venezuela, apenas, volta e meia, os eleitores votam nela, escolhendo livremente o caminho para a pobreza, assim como um fumador escolhe livremente o caminho para a doença.

      Eliminar
  7. Acho improdutiva para causa que defendemos essa luta interna e divisionista sobre questoes menos importantes como religiao,sexualidade,meio ambiente etc . A unica coisa que nao devemos tolerar sao tipos subversivos que ,por meio de omissão e desinformaçao , tentam apresentar nossos algozes como nossos aliados e/ou salvadores.

    ResponderEliminar
  8. Para o bem e para o mal Portugal nasceu neste contexto aqui http://domafonsohenriques.blogs.sapo.pt/14824.html a questão que se pode colocar agora é : Pode este país renegar sua identidade original(mesmo tendo em conta que foi em parte renegada com o liberalismo no século XIX e com as consequentes "revoluções" ideológicas)e continuar a ser um país coeso e soberano?A resposta parece-me ser claramente não,em especial no contexto actual globalista e multicultural que corroi por dentro a identidade e a coesão dos povos europeus.No entanto tenho a noção que a instituição(o catolicismo romano)que se apresenta como representante máxima do cristianismo desde o século IV já há dois séculos que não serve de muito à Europa e nos últimos anos/décadas entrou em completa decadência.Poderá a Europa e Portugal particularmente criar uma nova identidade sem um dos pilares(volto a dizer para o bem e para o mal)da sua civilização?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Poderá a Europa e Portugal particularmente criar uma nova identidade sem um dos pilares(volto a dizer para o bem e para o mal)da sua civilização?»

      A Europa neste momento não tem outra solução a não ser refundar por completo a sua identidade e o único caminho possível, uma vez que o Cristianismo está a aproximar-se do fim, é recuar à época clássica e ao legado dos nossos ancestrais pré-cristãos.

      Isto já não é uma questão de talvez, mas uma questão de vida ou morte. O Cristianismo na Europa Ocidental está morto, quer queiram, quer não, isto é a realidade da situação. O único caminho viável é recuperar o que resta e trazer para o século XXI o legado do Mundo Antigo.

      O Cristianismo actualmente está a fazer muito mal à Europa, muito mal mesmo. Não sei mesmo até que ponto o Cristianismo não estará a ser neste momento mais prejudicial até do que a própria extrema-esquerda...

      Eliminar
    2. Quanto à identidade cultural-religiosa de Portugal não há forma de contornar a realidade,realmente nasceu num contexto de guerra cristã-católica versus islamismo(além claro do contexto ibérico)e pragmaticamente Afonso Henriques(concerteza bem aconselhado)procurou o apoio do Vaticano na altura,não o terá feito por convicção católica(suspeito eu) mas sim por necessidade.Agora é um facto que durante 800 anos(em outras regiões europeias mais que isso) a História de Portugal esteve ligada ao catolicismo romano,daí a questão colocada(se Portugal e a Europa ocidental pode criar outra identidade depois de tantos séculos)ser uma "muito boa" questão. Dúvido muito que seja possível,no entanto a alternativa será a completa vitória do globalismo totalitário(claro que os católicos mais afoitos dirão que a Igreja está a recuperar "ovelhas" para o rebanho,ao mesmo tempo que o papa Chico é cada vez mais popular e por aí fora).

      Eliminar
    3. "Poderá a Europa e Portugal particularmente criar uma nova identidade sem um dos pilares(volto a dizer para o bem e para o mal)da sua civilização?"

      Caros RA e JJHN

      Chama-se a isso cultura, e, independentemente da noção de cultura é algo persistente.

      Tentar mudar a cultura é uma fonte de conflitos e gera poucos ou nenhuns resultados, mas podem e devem-se mudar os hábitos e isso é relativamente fácil de ser conseguido.

      Primeiro definem-se os objectivos a ser alcançados, depois traçam-se as linhas de orientação e finalmente implementam-se as medidas a tomar.

      Por exemplo, tornar as contas públicas sustentáveis (objectivo), basta implementar o mais rápido possível as reformas estruturais que muito rapidamente passará a haver muito melhores resultados, possivelmente superávites em vez dos habituais défices anuais.

      Isso implicaria uma brutal mudança de hábitos nas pessoas, tanto ao nível familiar como ao nível laboral como na sociedade e independentemente da conduta individual das pessoas a cultura tenderá a subsistir.

      Eliminar
    4. Quanto à situação das ovelhas recuperadas para o rebanho basta ligar a tv na rtp1(canal do estado dito laico,e para qual pagamos na conta da luz e pagam os contribuintes em geral).E esperem por Maio que vem por aí o pastor chefe(como lhe chamam alguns)do rebanho "universalista".Quanto à identidade portuguesa e como ela nasceu sugiro www.zefiro.pt/livro_portugal.htm

      Eliminar
    5. A identidade europeia (e a soberania dos Estados)levou um grande golpe com as guerras ditas mundiais(em especial a segunda,cujo resultado se fez sentir cá apenas nos anos 60/70)e a hierarquia católica acabou por assinar um pacto(não revelado concerteza)com os poderes globalistas-maçónicos em 1963(durante o concilio vaticano II). http://www.espada.eti.br/n1623.asp

      Eliminar
  9. "O cristianismo actualmente está a fazer muito mal à Europa",curiosamente muitos católicos(que eu não considero representantes do cristianismo original,mas isso é outra conversa)até consideram isso mesmo https://fratresinunum.com/2016/10/11/da-invasao-migratoria-a-guerra-civil/ ,no entanto defendem a "estrutura" e apontam o dedo ao actual bispo romano (esquecendo que é a estrutura clerical que permite alguém de ser papa e assumir sua "política" religiosa e social) .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Bilder, a Igreja é um caso perdido, só falta mesmo é enterrá-la e ponto final nessa tragédia.

      Eliminar
    2. A igreja vai a falencia

      Eliminar
    3. à falència económica não sei(há sempre muitos devotos a comparar velas,basta ligar agora a tv na rtp1)mas em outros aspectos já foi à falência faz tempo(excepto para aqueles muitos que ainda lá vão).

      Eliminar
    4. Check https://geopolitics.co/2015/04/08/the-rothschilds-are-jesuits/

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...