terça-feira, 24 de outubro de 2017

O Sionismo Rothschild, a China Maoísta e o Governo Mundial Totalitário



«Se algum dia a República Popular da China se transformar numa super-potência, se também ela se transformar numa fonte de tirania no Mundo e por todo o lado sujeitar os outros ao seu arruaceirismo, agressão e exploração, então os povos do Mundo devem de identificá-la como um imperialismo social, expo-la, fazer-lhe oposição e trabalhar em conjunto com o povo chinês para a derrubar.» - Deng Xiaoping num discurso proferido nas Nações Unidas a 10 de Abril de 1974

Curto e grosso: a China Maoísta foi fundada por judeus. Mao Tsé-Tung recebeu apoio da União Soviética (fundada por supremacistas judeus...) desde o início da sua carreira de "revolucionário" comunista e teve sempre na retaguarda o apoio estratégico e essencial de três agentes judeus directamente ligados ao Sionismo Rothschild, a saber, Solomon Adler [1], Israel Epstein[2] e Frank Coe[3]. 

A judiaria internacional e o alto capital sionista estiveram directamente por detrás da ascensão "milagrosa" de Mao Tsé-Tung ao poder. O judeu Sidney Shapiro teve um papel de destaque (disfarçado...) no campo da propaganda do regime maoísta e Israel Epstein foi incansável a fazer publicidade e a procurar apoio internacional para a "revolução" comunista na China. 

Uma das principais obsessões dos comunistas chineses até à década de 1960, era a destruição da sociedade tradicional chinesa, daí que o Mundo tenha assistido à assim-chamada "Revolução Cultural Chinesa", que mais não foi do que uma tentativa por parte Sionismo Rothschild para destruir por completo a memória histórica e identitária do milenar povo chinês. 

Para o Supremacismo Judaico, é crucial destruir a cultura das nações e substituir a mesma por uma nova "cultura" internacionalista, estética e moralmente degradante e que visa abrir o caminho para o governo mundial totalitário que está planeado desde há muito. A Revolução Cultural Chinesa visou precisamente isto e mais ainda do que isto, visou criar um modelo "revolucionário" que posteriormente seria exportado e aplicado no resto do Mundo civilizado. Os supremacistas judeus com a Revolução Cultural Chinesa, transformaram toda a sociedade chinesa num gigantesco "tubo de ensaio" onde experimentaram e tentaram criar um método exportável para destruir por completo a cultura e a identidade tradicional de uma Nação em poucos anos.

Escusado será dizer que o Sionismo Rothschild falhou na China, assim como eventualmente há-de acabar por falhar no resto do Mundo, pois não só a Revolução Cultural Chinesa foi uma experiência fracassada, como acabou também por servir de alerta a muitos chineses, que passaram a perceber que algo de muito sinistro estava em preparação no seu País.

Deng Xiaoping, o grande reformador chinês que eventualmente acabaria por colocar um ponto final definitivo na loucura judaico-comunista na China, havia sido ele próprio uma vítima da Revolução Cultural Chinesa, sendo que o seu filho ficou paraplégico devido à quantidade de tortura que sofreu às mãos dos maoístas. 

Hoje, ninguém tem exactamente a certeza sobre o verdadeiro poder que a judiaria internacional ainda possui no seio do sistema de governo chinês, no entanto, eu julgo que se pode afirmar com bastante segurança que tal poder é bastante escasso, senão mesmo até nulo. A China hoje já não é controlada por supremacistas judeus e isto fica patente na cada vez maior hostilidade que existe por parte do Império Anglo-Sionista, ou seja, do cartel globalista/mundialista para com a República Popular da China. 

Quando o Império Anglo-Sionista começa sistematicamente a diabolizar um País, é porque esse País representa alguma ameaça ao poder internacional do Império Anglo-Sionista. Sinto-me por isso muito seguro em afirmar que nós precisamos hoje desesperadamente de uma China independente e poderosa como contra-peso ao imenso poder dos anglo-sionistas. As nações da Europa Ocidental e os Estados Unidos, desde há muito sequestradas por políticos e militares traidores, já colapsaram por completo como entidades independentes e hoje, pode-se dizer que não passam mesmo de meras colónias do Sionismo Rothschild, que tem desde há muito a ambição megalómana de construir um governo mundial totalitário. Os avisos proféticos de Fernando Pessoa sobre o "Grupo dos Trezentos" e a alegada "terrível conspiração oculta contra a Civilização", nunca foram tão actuais como hoje. 

Quer gostem ou não da China, nós precisamos da mesma como um contra-peso ao imenso poder e ambição desmedida do Sionismo Rothschild, que dirige o cartel Mundialista/Globalista através dos seus lacaios da Superclasse Mundialista, sendo que muitos destes últimos são figuras presentes nas infames reuniões do Clube Bilderberg, reuniões estas para onde nunca são convidadas figuras de destaque da China ou da Rússia e julgo que não preciso de explicar o porquê...  

Não tenham dúvidas de que se a China cair nas garras do Sionismo Rothschild, a Rússia será inevitavelmente a próxima potência mundial a colapsar perante o imenso poder da judiaria internacional e a partir daqui, não haverá nada, nem ninguém, que consiga impedir esta gente de dominar por completo o planeta e criar aquilo com que eles sempre sonharam: um governo mundial, necessariamente totalitário e esclavagista e onde "o povo escolhido", apoiado pelos avanços do Trans-humanismo, viverá eternamente às custas da exploração dos goyim que, entretanto, consigam sobreviver ao plano para exterminar até 90% da população do planeta. Arrisco prever aqui que a capital do Mundo, a confirmar-se o pior cenário, eventualmente acabará por ser Jerusalém...




_________________________________________________

Notas:
[1] Solomon Adler ocupou o cargo de representante do Secretário do Tesouro dos Estados Unidos na China durante a Segunda Guerra Mundial. Foi também um espião soviético que utilizava o nome de código "Sax"
[2] Israel Epstein era o filho de um comunista judeu que havia estado preso na Rússia Czarista por tentar liderar uma revolta. Posteriomente, Israel Epstein acabou por se tornar um dos poucos membros etnicamente não-chineses do Partido Comunista da China.
[3] Frank Coe era funcionário do Fundo Monetário Internacional e do governo dos Estados Unidos. Posteriormente, foi identificado como sendo um membro secreto do Partido Comunista e do grupo de espionagem soviética que dava pelo nome de "Silvermaster Ring"

João José Horta Nobre
24 de Outubro de 2017


8 comentários:

  1. China futuro centro do poder econômico mundial.

    ResponderEliminar
  2. JJHN disse...
    «Sinto-me por isso muito seguro em afirmar que nós precisamos hoje desesperadamente de uma China independente e poderosa como contra-peso ao imenso poder dos anglo-sionistas.»

    Não sei se isso não será saltar da frigideira para o fogo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não temos outra escolha. O poder do Império Anglo-Sionista já é tão imenso e abrangente, que se a China cair, eles tomam por completo conta do Mundo. A índia também é uma aliada importante. É essencial que a China, a Rússia e a índia se mantenham unidas e não se deixem envolver em conflitos entre si, conflitos esses que o Império Anglo-Sionista vai tentar provocar, precisamente para os enfraquecer e manter divididos. Quanto ao Brasil, daí pouco será de esperar, até porque a sua capacidade de projecção económica e militar é bastante diminuta.

      Eliminar
  3. I'm quite aware the free world has been at war with Anglo-Zionist (corporate) fascists for a long time. However, having realized they failed in their attempt of the subjugation of Russia, China and Iran, they have decided for a desperate plan of obliterating the free world by means of the use of nuclear weapons.

    A hellish plan no doubt.

    The free world, therefore, has no at hand any other option but to defeat Anglo-Zionist (NATO) coalition on the battlefield before the barbarians get ready to strike first.

    ResponderEliminar
  4. Caro JJHN

    A China é um dos países mais merdosos do Mundo senão mesmo o mais merdoso e isso é de simples constatação.

    Basta constatar que na China faltam mulheres.

    Como sabe, a antiga política do filho único da China levou a que as famílias deixassem morrer ou abortassem os bebés do sexo feminino durante as últimas décadas. Consequentemente, hoje em dia, na China há uma população envelhecida e onde muitos milhões de homens relativamente jovens nem sequer pode formar família.

    A liberalização económica resolveu as necessidades básicas da população ao nível da alimentação.

    Obviamente sendo um país liderado por comunistas simplesmente o governo chinês não é minimamente confiável.

    ResponderEliminar
  5. Exelente, é isso que eu andei pensando sobre a China atual e por isso andei procurando uma confirmação, e encontrei este sitio, estou com vc, à vitória!!!

    ResponderEliminar
  6. check https://www.amazon.com.br/gp/product/8562409901/ref=as_li_tl?ie=UTF8&camp=1789&creative=9325&creativeASIN=8562409901&linkCode=as2&tag=blodoaluamo-20&linkId=c481975d41262910bd5833186c9ef4a3

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...