segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Jerusalém




«Se algum dia o planeta implodir, vai ficar a devê-lo a Israel e à dependência política do establishment americano relativamente ao lobby israelita dos Estados Unidos.» - Miguel Sousa Tavares (1950 - )

A violentíssima disputa sobre Jerusalém, sobre a qual se tem falado tanto ao longo dos últimos dias, é apenas a última e mais recente confirmação de como eu sempre estive certo na minha feroz condenação das sanguinárias religiões abraâmicas/ideologias semitas.

Os lunáticos varridos que hoje lutam por Jerusalém, sejam eles judeus, cristãos ou maometanos, estão apenas a dar continuidade a uma guerra religiosa inter-abraâmica que perdura desde a Idade Média e que tem como base ideológico-religiosa o Judaísmo e a crença no tresloucado Deus dos judeus. O resultado de todo este fanatismo religioso foram até agora cerca de dois milhões de mortos em nome dos "sagrados" Talmudes, Bíblias e Alcorões. O mais ridículo nisto tudo é que estes dois milhões de pessoas morreram não por algo em concreto dentro do campo da racionalidade, mas sim, pela crença irracional numa estúpida abstracção divina inventada pelos semitas.

A Humanidade corre neste preciso momento o risco de ser completamente obliterada, precisamente por causa destas religiões insanas que foram paridas no Médio Oriente. As pessoas que controlam actualmente o Império Anglo-Sionista, têm como ideologia base não o Liberalismo ou o Conservadorismo, mas sim, o Judaísmo. É o vil Judaísmo que sob a capa de outras ideologias controla directamente a Casa Branca. Reparem bem o perigo que constitui para toda a Humanidade o facto de termos hoje fanáticos religiosos com mentalidade apocalíptica ao comando dos arsenais nucleares dos Estados Unidos. Misturem agora este bando de loucos refinados com o bando de loucos que são os ayatollahs do Irão, mais os sádicos wahabitas da Arábia Saudita, mais os paquistaneses que já possuem armas nucleares e ainda a cambada de "cristãos sionistas" que soma e segue por aí a enganar desesperados e a fazer campanha pelo lobby israelita et voilà!... Têm aqui o "caldinho" perfeito para uma situação religiosa que pode a qualquer momento "escorregar" para uma guerra nuclear total. A "cereja no topo do bolo" será provavelmente o facto de Jared Kushner pertencer à seita Chabad Lubavitch, que é basicamente um culto apocalíptico constituído por supremacistas judeus e que crê que é necessário despoletar um holocausto nuclear, de forma a cumprir as profecias religiosas em que acreditam.

As religiões abraâmicas são um autêntico cancro sobre a Terra que precisa de ser abolido. Que ninguém tenha dúvidas de que se a Humanidade não acabar com as religiões abraâmicas, mais dia, menos dia, vão ser as religiões abraâmicas a acabar com a Humanidade. 

João José Horta Nobre
11 de Dezembro de 2017


7 comentários:

  1. Saudações caro JJHN

    Sou um leitor assíduo deste blogue e pode-se orgulhar Mestre, o senhor converteu um jovem de 21 anos ao nacionalismo! Adoro aprender com os seus artigos e concordo com 99% do que escreve.
    Continue o seu bom trabalho por mais anos, isto é , se os abraâmicos não rebentarem connosco daqui a uns dias ...

    Ass.Rui

    ResponderEliminar
  2. Só numa coisa as sacanas das religiões acertaram. O inferno de que tanto falam, EXISTE MESMO. Existe mas não se encontra nos pincaros do sabe-se lá o quê. Sim ele existe, está AQUI, à nossa volta convive connosco, atormenta-nos a todo o instante, suga-nos a pureza inata, começa-nos a transformar após a primeira inspiração desta atmosfera bafienta, fétida, que respiramos neste mundo. Os donos deste inferno são fáceis de distinguir, não se escondem, são os grandes os poderosos, os vampiros de que falava o Zé ZAfonso, os que comem tudo e não deixam nada. Nós somos o sangue fresco da manada, só nos deixam viver para se alimentarem de nós e nada mais. Enquanto nós não acordarmos a nossa tortura continuará como tem sucedido através dos seculos, dos milénios sem solução possível.
    Estamos no limiar de uma exterminação a nível mundial, as feras tresloucadas e sedentas de mais sangue, afinam neste último instante os seus arsenais atomicos, e a turba vai-se acomodando mansamente para a matança bestial. No entanto, as religiões, TODAS ELAS, num pormenor, erraram grotescamente: é que o inferno por elas apregoado
    Não se compara em nada a este o verdadeiro, real, que elas ajudaram também a construir desde que o mundo foi creado. Está chegado o Alfa e o Omega!!!

    ResponderEliminar
  3. check http://redefininggod.com/2017/12/alert-the-fake-battle-of-armageddon-has-been-set-in-motion/

    ResponderEliminar
  4. «O mais ridículo nisto tudo é que estes dois milhões de pessoas morreram não por algo em concreto dentro do campo da racionalidade, mas sim, pela crença irracional numa estúpida abstracção divina inventada pelos semitas.»

    Eu aqui sou um pouco mais optimista do que o caro JJHN: é verdade que a esmagadora maioria dos imbecis que lutam em nome da religião são atrasados mentais, gente muito perigosa. Mas não acredito que os seus líderes, em geral, o sejam. Os líderes religiosos -e os governantes que a eles se associam- tendem a ter inteligência e formação suficiente para manipular os crentes e para os fazer digladiar-se em prol dos seus interesses... mas também sabem fazê-los parar quando a coisa começa a ficar incontrolável. Como o grande Pat Condell observou num dos seus vídeos: "uma característica fascinante dos clérigos islâmicos é que apelam constantemente ao martírio, mas nunca se fazem explodir a si próprios, são tão altruístas que encontram sempre alguém mais merecedor dessa glória do que eles!"

    E depois também acredito que, apesar de tudo, a maioria dos israelitas amará suficientemente os seus filhos para evitar que o país caia nas mãos de fanáticos religiosos. 65% dos israelitas dizem ser ateus ou não-religiosos:

    https://en.wikipedia.org/wiki/Religion_in_Israel

    O que significa que a maioria da população de Israel dificilmente verá com bons olhos essa conversa de provocar uma guerra nuclear para fazer aparecer o Messias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Afonso, o que a maioria da população de Israel penso ou não, é absolutamente indiferente e não interessa nada para aqui, pois à semelhança do que ocorre no resto do Ocidente, não é a "maioria da população de Israel" que manda, mas sim, a pequena clique de supremacistas judeus que está instalada no poder. A população em geral é apenas o gado que se limita a seguir o pastor e neste caso, o "pastor" é uma pequena super-elite judaica que está determinada a destruir as nações e criar um governo mundial totalitário com capital em Jerusalém. Se não conseguirem atingir este objectivo de mansinho como andam a tentar há já muito tempo, eu acredito muito sinceramente que esta gente está disposta a seguir o rumo da guerra nuclear total e levar o Mundo civilizado todo de arrasto para o fundo com eles.

      Eliminar
  5. visto de um certo ponto de vista, caucasianos semitas malucas e caucasianos europeus burros e faceis de manipular que mais parecem criancinhas num mundo cor de rosa que querem ajudar toda a gente.
    O que eu digo, é que no meio destes malucos burros que se salvem os mais maduros e inteligentes racionalmente, os asiaticos principalmente Japoneses e Coreanos.

    Agora estes caucasianos malucos e burros que nem uma porta que seguem religiões e multiracialismos.. epa são autentico lixo destrutivo, incapazes de manter paz.. (salvaria-se talvez apenas 1% dos europeus ou nem isso)..

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...