sábado, 26 de maio de 2018

A Eutanásia, a Questão Judaico-Cristã e Algumas Considerações Sobre a Nova Ordem Mundial



"Todos os sistemas comunistas do Ocidente são, de facto, derivados do pensamento teológico cristão... O Cristianismo é a avó do Bolchevismo." - Oswald Spengler (1880 - 1936)

Quem der um giro pelos principais websites e blogs de propaganda católica, poderá constatar que os mesmos nos últimos tempos têm andado muito ocupados com a nova "cruzada" do Vaticano contra a potencial legalização da eutanásia em Portugal. Ao que parece, o Vaticano anda muito preocupado com "a vida" e a defesa da mesma. Resta, no entanto, saber onde é que estava toda esta preocupação com "a vida", nos tempos em que a Igreja alegremente matava e torturava gente em mui cristianíssimos "autos de fé", que por vezes chegavam a ser autênticas orgias de sangue, fogo e morte. 

A Igreja que hoje diz estar muito preocupada com a possibilidade de se legalizar a eutanásia em Portugal, é exactamente a mesma Igreja assassina que durante séculos teve luz verde da parte dos regimes monárquicos colaboradores, para aplicar um autêntico reinado de terror sobre as populações de grande parte da Europa. E não, isto não foi "apenas durante a Idade Média", como por vezes é comum pensar-se. Mesmo aqui ao lado em Espanha, já em pleno século XIX, mais propriamente no ano de 1826, o professor Cayetano Ripoll foi barbaramente garroteado pela Inquisição Espanhola, por ter praticado o gravíssimo "crime" de Deísmo! Diga-se também e já agora que Cayetano Ripoll era um patriota que havia lutado contra as tropas de Napoleão, que ocuparam e saquearam Espanha e Portugal a seu belo prazer durante a Guerra Peninsular. A Igreja retribuiu-lhe o favor enviando o mesmo para o garrote, isto depois de o humilhar publicamente durante dois anos seguidos num julgamento absolutamente ridículo.

Pessoalmente, estou-me "nas tintas" para o facto de a eutanásia vir a ser ou não legalizada e vou explicar já de seguida o porquê desta minha posição. 

O que se passa é que a Europa e o Ocidente têm neste momento assuntos muito mais graves e urgentes com que se preocupar do que a eutanásia. Em relação à Igreja, se a mesma realmente se preocupasse com "a vida" como a mesma afirma, então esta colocaria todos os seus esforços em prol da denuncia das sinistras forças ao serviço da Nova Ordem Mundial e do Sionismo Internacional, que são de longe as maiores ameaças de hoje à paz e à vida no planeta Terra. Mas lá está, a padralhada não toca em nada disto, porque a mesma não passa de um miserável ajuntamento de traidores e vendidos a Judeia

Questões "fracturantes" como o aborto e a eutanásia, são usadas pela Igreja como uma manobra de diversão, que visa distrair as atenções do público daquilo que realmente precisa de ser combatido, ou seja, a estrutura de controlo sionista e os seus lacaios do Império Anglo-Sionista que, por via de um misto de vigarice e força bruta, têm aberto o caminho desde o fim da Segundo Guerra Mundial, no sentido de garantir o triunfo total do Globalismo e por consequência da Nova Ordem Mundial. 

É a judiaria internacional que financia e sustenta a Igreja, precisamente com o fim de usar a mesma para posteriormente servir os seus interesses estratégicos e geopolíticos. Desde o tempo do Império Romano que os supremacistas judeus andam a tentar encontrar a melhor forma de subjugar e dominar o Ocidente. Esta "cabala" conseguiu subverter Roma, principalmente devido à traição descarada do Imperador Constantino e das corrompidas elites romanas, que se renderam às superstições semitas pregadas pelos cristãos, aparentemente sem a noção de que ao fazer tal, estavam a entregar de bandeja o próprio Império Romano nas mãos dos interesses ocultos da tribo de Israel. 

Com o Império Romano feito em cacos, os cristãos dedicaram-se a destruir de forma sistemática e organizada, todas as réstias da antiga religião imperial greco-romana. Os únicos templos que sobraram foram aqueles que a igreja considerou serem de interesse para a mesma. Idem para os pergaminhos. O advento da Idade Média trouxe consigo a hegemonia total da Igreja, que ficou assim com o caminho livre para aplicar à força a sua própria versão distorcida do Judaísmo. A resistência à Igreja, que é e sempre foi uma força de ocupação médio-oriental, apenas começou a conseguir reorganizar-se com mais força durante o século XVIII, nomeadamente com a emergência do Iluminismo nos círculos intelectuais libertos da nefasta influência da Igreja. Porém, as sinistras forças ao serviço de Sião trataram rapidamente de infiltrar a resistência e não demoraram muito a transformar a Franco-Maçonaria numa espécie de "oposição controlada" à Igreja, ou seja, numa força inteiramente ao serviço dos interesses do Sionismo Internacional, que ao longo da história tem utilizado muitas capas e disfarces para se ocultar, mas cujo propósito final sempre foi o de abrir o caminho para a conquista e domínio do Mundo por parte dos judeus.

O Cristianismo é uma seita que deriva directamente do Judaísmo. No fundo, a única coisa que distingue um judeu de um cristão, é o facto de o primeiro estar ainda à espera da vinda do Messias, ao passo que os cristãos acreditam que o Messias já veio e foi Jesus Cristo. Historicamente, as perseguições encetadas pelos cristãos contra os judeus, têm meramente a ver com rivalidades religiosas e em nada se distinguem, a título de exemplo, das guerras entre xiitas e sunitas no Mundo Islâmico, ou das guerras entre católicos e luteranos no Mundo Cristão. 

O objectivo tanto dos cristãos, como dos judeus, é o de dominar e impor a sua respectiva versão do Judaísmo. O que une ainda mais estas ideologias religiosas e as torna verdadeiramente perigosas, é o Messianismo de ambas e a sua crença numa Nova Ordem Mundial que trará ao Mundo a paz e a harmonia eternas. 

O Comunismo nascido no século XIX é o herdeiro directo do modo de pensar judaico-cristão. O judeu Karl Marx ao desenvolver aquilo que passou a ser designado por "Socialismo Científico", no fundo, criou uma nova forma de Judaísmo, aquilo que podemos designar como sendo um "Judaísmo Materialista", apostado em conquistar o Mundo já não pela pregação da palavra do Deus dos hebreus, mas sim, pelo enaltecimento das virtudes do proletariado, que teria como tarefa fazer triunfar a Revolução Mundial Proletária e por consequência a Nova Ordem Mundial. 

A fórumla comunista, supostamente "anti-capitalista", não tardou a receber chorudos apoios financeiros de muitos supremacistas judeus e banqueiros de Wall Street, que passaram a ver no Comunismo a forma mais rápida para conquistar o Mundo e subjugar a Humanidade. A Igreja e a doutrina cristã, outrora ao serviço de Judeia, passaram a ser visceralmente atacadas pelos comunistas, mas apenas com o objectivo de remover os elementos nacionalistas que ingenuamente acreditavam na farsa da "palavra de Cristo". Que fique claro que a Judiaria Internacional nunca quis destruir o Cristianismo, bem pelo contrário, a Judiaria Internacional pretende antes utilizar o Cristianismo como uma ferramenta de domínio e lavagem cerebral das massas. O tremendo sucesso dos cristãos na destruição total do Império Romano, é o que os sionistas pretendem ver repetido hoje no Ocidente. A diferença é que agora já não se trata de destruir um Império, mas sim, uma Civilização inteira.

A ausência de uma alternativa espiritual credível e organizada ao judaico-cristianismo, é o que está a provocar em grande medida a actual crise civilizacional do Ocidente. A Igreja conseguiu, de facto, fazer com que os europeus se esquecessem quase por completo das suas raízes espirituais e as antigas divindades dos nossos ancestrais foram transformas em alvo de chacota. O resultado disto é que o Ocidente está hoje espiritual e moralmente desarmado perante a ofensiva judaico-cristã. Nietzsche tentou criar uma resposta a este estado de coisas, porém, Nietzsche falha no sentido em que concebe uma filosofia eminentemente materialista e antropocêntrica, que carece por completo de uma componente espiritual. Pode-se dizer assim que o Nietzschianismo é uma espécie de "Paganismo Materialista" e foi a resposta directa de Friedrich Nietzsche ao "Judaísmo Materialista" de Karl Marx. Nietzsche distingue-se de todos os outros filósofos do seu tempo por ser aquele que melhor compreendeu a trama judaico-cristã em curso e respondeu directamente à mesma.

Nós, os homens do Ocidente, estamos hoje numa esquina extremamente perigosa da nossa história, quiçá, a mais perigosa de todas, pois nunca o perigo de a nossa Civilização ser completamente obliterada foi tão grande como nos tempos que correm. Fernando Pessoa no seu tempo já havia identificado e denunciado esta "terrível conspiração oculta contra a civilização", o problema de Fernando Pessoa, é que este tinha a cabeça intoxicada pela propaganda cristã e por isso mesmo ele não percebia que a causa do problema era precisamente o Judaísmo e por extensão directa, o próprio Cristianismo. As forças por detrás da Nova Ordem Mundial têm triunfado até agora graças a este autêntico "jogo de espelhos" ideológico-religioso. Enquanto os ocidentais não se consciencializarem deste problema e da sua complexa natureza, continuaremos a decair sem fim à vista.

João José Horta Nobre
26 de Maio de 2018


26 comentários:

  1. "Pessoalmente, estou-me "nas tintas" para o facto de a eutanásia vir a ser ou não legalizada e vou explicar já de seguida o porquê desta minha posição.

    O que passa é que a Europa e o Ocidente têm neste momento assuntos muito mais graves e urgentes com que se preocupar do que a eutanásia."
    Já somos dois.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizer-se que se é a favor da eutanásia ou da morte assistida não é sinônimo de que se defenda que as pessoas sejam mortas contra a sua vontade. É este trocadilho moral que alguns políticos estão a utilizar para manipular a opinião dos preguiçosos mentais e daqueles que, embrulhados na cultura coletivista, pensam que todos temos sempre de fazer as mesmas coisas a fim de sentirmos que afinal estamos a fazer as coisas mais corretas.

      Eliminar
    2. Isto é uma questão moderna, em outras épocas a morte seria natural. Até mesmo hoje em dia as pessoas doentes podem escolher não se tratar...

      Eliminar
    3. Sem dúvida, Eduardo Batista, sem dúvida.

      Eliminar
  2. Mestre Nobre, espero que não leve a mal a pergunta, porque o meu objectivo não é criticá-lo, apenas compreendê-lo:

    -O que é que ganha o movimento nacionalista português com o combate ao Cristianismo, exactamente?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afonso de Portugal, deixe-se de teorias: em nome de Deus a humanidade tem matado pra carago! Ainda não há muito matavam forte e feio e se pudessem regressar a esses tempos nem duvide.

      O Mestre Nobre tem razão de sobra naquilo que escreve. A Igreja Católica atua, impunemente, como um estado, dentro do nosso Estado. Ela despreza, sem qualquer pejo, Portugal, pois a sua Pátria é o Vaticano. Para ela, a única “constituição” válida é a Bíblia, sendo Deus, o único “legislador” e ela própria como se fosse um superministério. Esta instituição é um obstáculo ao desenvolvimento dos povos, e sempre ao lado dos opressores!

      Eliminar
    2. Anónimo, eu perguntei ao Mestre Nobre, não a si. Que mania que vocês têm de me responder sem serem solicitados e sem sequer assinarem os vossos comentários!!!

      Eliminar
    3. «O que é que ganha o movimento nacionalista português com o combate ao Cristianismo, exactamente?»

      Caro Afonso, eu vejo as coisas do modo inverso, ou seja, o que é que o movimento nacionalista em geral ganha em andar atrelado a gente claramente em estado de alucinação e que acredita em superstições judaicas que não têm ponta por onde se lhe pegue?

      Eliminar
    4. E realmente(olhando os factos históricos) a independência nacional verdadeiramente dita terminou com D.João III,tudo o que se seguiu(curiosamente coincidindo com o aparecimento em cena dos "jesuitas")foi perda e decadência até hoje(com algumas tentativas de resposta,umas mais capazes que outras).De certa forma entendo(mas não compreendo,ou vice-versa)a posição dos chamados nacionalistas católicos,não conseguem ver outra "saída" e agarram-se naquilo que vêem ainda(mas como?)como uma espécie de "castelo" contra os inimigos.Mas o "castelo" já foi tomado meus caros,não se dão conta?

      Eliminar
    5. A religião seja ela qual for foi desde sempre usada para uma minoria dominar a esmagadora maioria. É só estudar a história das religiões. Os dominados ficam convencidos que depois de morrerem vão ser compensados no Céu. Convenhamos que foi a invenção dos milénios que começou com os bruxos e foi ficando cada vez mais sofisticado. Para se manter é absolutamente necessário que logo de pequeninos os meninos e meninas fiquem com os argumentos religiosos no cérebro, fica um vício semelhante aos jogos.

      Eliminar
  3. A ideia de Oswald Spengler está completamente equivocada, e a prova pode ser exemplificada até mesmo neste breve vídeo:

    https://www.youtube.com/watch?v=PjMJTxjB4-U

    Eduardo - Brasil

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acha mesmo? Olhe que eu vi o video, aliás, revi pois eu já o tinha visto há uns meses atrás e apenas vi a confirmação das afirmações de Spengler. Aqui tem um outro artigo meu exactamente sobre a questão da relação entre as elites judaicas e os movimentos cristãos e comunistas:

      http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/07/as-elites-judaicas-e-sua-relacao-com-os.html

      Eliminar
    2. Nenhuma cultura, nenhuma civilização triunfa sem uma ideia superior que a suporte. À falta dessa ideia, a civilização afunda-se no materialismo e na decadência, como aconteceu no Ocidente.
      O facto de muitos nacionalistas se ligarem ao cristianismo explica-se, certamente pela nossa matriz civilizacional que, para o bem e para o mal, está ligado a esse culto. Apesar de tudo, o cristianismo foi um poderoso aliado do Ocidente em períodos históricos cruciais. Portugal conquistou o seu território numa cruzada, é bom não esquecer. Claro que houve mortos devido à actuação religiosa (há sempre!), mas também há muito exagero por parte de quem pretende denegrir a religião; basta dizer que a Revolução Francesa (“liberdade, igualdade, fraternidade”, não é?) matou mais gente em meia dúzia de anos que a Inquisição, nos vários países em que actuou, ao longo de séculos.
      O tempo não volta atrás: o cristianismo já teve a sua oportunidade e falhou. O Ocidente está na situação actual apesar do cristianismo, que não conseguiu evitar este percurso. Na verdade, o cristianismo, com o seu igualitarismo, transporta a génese da sua própria corrupção; já se disse algures, acertadamente, que o cristianismo foi o comunismo da Antiguidade. Por esse motivo, uma “heresia” renovadora do cristianismo, que lhe devolvesse a chama perdida e simultaneamente fizesse renascer o Ocidente é, para além de improvável, uma falsa solução.
      O ateísmo, também ele uma crença (é bom não esquecer isto!), é outro produto do próprio cristianismo e, por via indirecta, do judaísmo. Os seus frutos são o materialismo, o niilismo, o individualismo, o relativismo, e toda uma série de enfermidades espirituais que assolam o Ocidente, e são promovidas por pelos seus inimigos.
      O Ocidente precisava de uma religião solar, olímpica, viril, que lhe transmitisse a tal ideia superior que lhe permitisse renascer. Certos ramos do budismo poderiam corresponder a esse ideal, mas trazer o budismo ao Ocidente, no contexto actual, é ainda mais improvável que “ressuscitar” um novo cristianismo.
      É por isso que o futuro parece escuro como breu. Mas, lembremo-nos, é da noite mais escura que nasce a alvorada.
      (Stonefield)

      Eliminar
    3. A ICAR anda assustada com a sua perda de influência.
      À retumbante vitória no referendo sobre o aborto na Rep. da Irlanda vai seguir-se idêntico resultado na Irlanda.
      De caminho os lucros do banco do vaticano estão em queda acentuada.
      Bem tentam outras estratégias de marketing para não continuar a perder crentes. Fazer concertos em Fátima, exposições de moda em New Tork ou varrer toda a hierarquia católica no Chile são exemplos desesperados de uma instituição anquilosada, em decadência e incapaz de se regenerar.
      A intervenção descarada na política, defendida pelo Conferência Episcopal Italiana, comprova que a ICAR de hoje nada tem a ver com religião.
      Ontem apoiavam a Madre Teresa, com a sua misericórdia de antecipar a morte de moribundos, a tal ponto que a elevaram a santa, Mas hoje são contra a eutanásia e o suicídio assistido !
      Coerência ? Nenhuma. Apenas jogo político manipulador ao sabor dos ventos e das marés da agenda do Vaticano.

      Eliminar
    4. Concordo bastante com o Stonefield,como complemento coloco o seguinte texto: "A sociedade cristã perdeu na verdade a consciência de que a luta entre o marxismo e a democracia,entre o capitalismo de Estado e o capitalismo dos grupos financeiros,não é mais do que a expressão de divergências passageiras dentro da mesma concepção materialista do mundo e da vida.Tomar posição a favor de um ou de outro é sempre aliar-se com o mesmo inimigo,é trair a sua própria frente de batalha em benefício exclusivo de um inimigo com duas faces.A vitória de um ou de outro significará sempre a derrota da nossa concepção do mundo e da vida.Mas infelizmente é ao que estamos assistindo e ao que temos de nos opor,de maneira decidida.Importa mostrar aos cristãos que a frente de combate do espiritualismo será irremediavelmente destroçada,se cada um continuar a escolher como aliado uma das faces do inimigo comum.Temos de pôr um travão ao terrível espectáculo a que se assiste na frente cristã: cada dia desertam uns tantos mais,para um e outro lado,juntando ao símbolo da cruz ora a foice e o martelo,ora o bezerro de ouro,numa tentativa de conciliar o inconciliável,de identificar Cristo com as duas faces diabólicas do anti-Cristo. Esta vitória do materialismo capitalista do Ocidente foi possível porque a sociedade cristã se deixou por ele infiltrar,desviando-se da concepção da vida e do mundo que ainda afirma,mas quase só teoricamente,ser a sua.Nem mesmo a Igreja Católica escapou a este acordo infernal.De transigência em transigência,foi-se desviando da essência e da prática da doutrina e da sua missão corrompendo-se até aos seus alicerces humanos,acabando por se identificar com o seu inimigo natural,ou seja,com a própria concepção materialista do mundo e da vida." (Fernando Pacheco De Amorim in Portugal Traído,livro de 1975)

      Eliminar
    5. Mais este: "O poder hegemónico de que a Igreja Católica Romana dispôs ao longo de muitos séculos foi suplantado por outros poderes,como sabemos a maçónica Revolução francesa foi o início do fim deste poder espiritual e temporal.Para que se chegasse a este desfecho foram utilizadas organizações vulgarmente designadas de "sociedades secretas" com a maçonaria na linha da frente com o objectivo de preparar o colapso da ordem instituída e abrir o caminho para uma "nova ordem".-----F M.M Alexandre em Maçonaria e Sociedades Secretas(livro de 2007)

      Eliminar
    6. "Na verdade, o cristianismo, com o seu igualitarismo, transporta a génese da sua própria corrupção;"

      Não existe "igualitarismo" no cristianismo, basta ler a parábola dos 3 servos a quem lhes é entregue diferentes quantias de dinheiro para rentabilizar.

      Eliminar
    7. Ao Tiago Dias (aka Arquivista) e que tal se você deixasse de escrever merda?!

      Eliminar
  4. Jose Augusto Figueiredo27 de maio de 2018 às 02:22

    O Cristianismo já matou tanto quanto as doenças.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As outras religiões e o ateísmo também.

      Eliminar
  5. o cristianismo, já teve todo seu espaço na história para emancipar a humanidade, O
    Cristãos construiram suas riquezas e ergueram seus imperios dominadores nos quatros canto do mundo, logo, sempre aliados com as grandes elites exploradoras e assassinas, aqui na america latina é um grande exemplo que o materialismo cultural histórico nos revela como o eurocentrismo eclesiastico teologico do cristinismo exploraram e escravizaram a humanidade para gerarem as riquezas para o grande imperio europeu e na atualidade vemos nossas riquezas sendo levadas pelo o criminoso e corrupto imperialismo liberal global norte americano, temos um congresso recheado de parlamentares cristãos, sendo a maioria criminosos, corruptos, obstruidores de justiça a serviço das grandes classes dominantes a nacional e a internacional.

    ABAIXO O APODRECIDO CRISTIANISMO LATINO AMERICANO!!!
    ABAIXO A SOCIAL DEMOCRACIA CRIMINOSA E CORRUPTA CRISTÃ!!!
    ABAIXO A CRIMINOSA TEOLOGIA ESCRAVISTA EUROAMERICANA NA AMERICA LATINA!!!

    VIVA A RESISTENCIA DOS POVOS LATINOS AMERICANO!!

    ResponderEliminar
  6. Não é preciso haver religião para haver valores, mas sim Senso Comum por parte dos Homens

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que falta faz a espiritualização da humanidade!
      Se soubessem que existe vida após a vida, certamente, iriam pensar diferente.

      Eliminar
  7. A eutanásia serve para acabar com o sofrimento da família e do paciente que provavelmente nunca acordara. É um ato que só diz respeito a família e não a terceiros.

    ResponderEliminar
  8. Cuidado com os falsos profetas entre eles e talvez o mais perigoso Alex Jones....que não passa de um agente duplo Sionista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é mentira. O Alex Jones não é nenhum "agente duplo sionista". Tem noção da quantidade de processos em tribunal que o Alex Jones tem levado em cima do pêlo por causa das muitas verdades que diz? Não sabe? Então veja aqui:

      https://en.wikipedia.org/wiki/Alex_Jones#Controversies

      O Alex Jones é um dos homens que mais tem feito para denunciar a Nova Ordem Mundial e é inegável o seu contributo. OK, ele não denuncia abertamente o poder sionista. Mas o Anónimo sabe porquê? Tem noção do poder do lobby sionista nos EUA? Tem noção do que essa gente pode fazer ao Alex Jones e à família dele? Você tem tanto medo deles, que nem o nome dá. Aparece aqui como "Anónimo" e ainda tem o desplante de atacar patriotas como o Alex Jones, que dão a cara, dão o nome e têm pago um preço pesado por tudo aquilo que têm denunciado ao longo dos anos. Quando o Anónimo der a cara e o nome como o Alex Jones dá e sempre deu, nessa altura o Anónimo logo poderá ter um mínimo de autoridade moral para criticar o Alex Jones, até lá, fique caladinho e deixe de escrever asneiras sem fundamento!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...