segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Um "Pequeno" Pormenor: Eu Fui a Primeira Pessoa em Portugal a Escrever Sobre a Alt-Right



O Observador, jornal da moda para a direitinha domesticada e croquete, decidiu publicar ontem uma reportagem difamatória e repleta de mentiras sobre o movimento político nacionalista que dá pelo nome de Alt-Right. Tal como já é característico do modus operandi desta gente, em lugar de perguntarem a quem pertence à Alt-Right, o que é e em que consiste esse mesmo movimento político-ideológico, foram antes (des)informar-se em fontes manipuladas por esquerdistas e liberais (tudo pessoas "de bem"...). 

Obviamente e como já era de esperar, o "jornalista" que escreveu a peça em questão, um tal Edgar Caetano, nem um email que foi capaz de me enviar. Claro que os meus caros leitores decerto se interrogarão sobre porque raio é que um jornalista me havia de contactar para escrever sobre a Alt-Right? Pois, é que há aqui um "pequeno" pormenor que até agora passou despercebido a quase todos... é que eu fui "apenas" a primeira pessoa em Portugal a escrever sobre a Alt Right. Não acreditam? Então façam uma pesquisa no Google e vejam por vós mesmos.

A 29 de Agosto do presente ano, numa altura em que ainda praticamente ninguém em Portugal tinha ouvido sequer falar da "pavorosa" Alt-Right, eu escrevi um artigo neste mesmo blog intitulado Contra Tudo e Contra Todos, a Alt-Right Continua a Marchar de Vitória em Vitória. Fui o primeiro a fazê-lo, pelo menos de acordo com os resultados do motor de pesquisa da Google, que apesar de ter muitos defeitos, continua a ser de longe o melhor e mais completo de todos. Repito: façam uma pesquisa no Google e vejam por vós mesmos. Não há nenhum artigo sobre a Alt-Right, de origem portuguesa, que tenha sido publicado antes do meu. 

Voltei a falar novamente sobre a Alt-Right em diversos outros artigos neste mesmo blog (é só escreverem "Alt-Right" na barra de pesquisa deste blog e poderão consultar todos), mas aparentemente, nada disto interessou ao "jornalista" Edgar Caetano e ao Observador, que na ânsia de quererem desinformar o público, preferiram simplesmente ignorar aquele que foi "apenas" a primeira pessoa em Portugal a escrever sobre a Alt-Right e um dos muito poucos que já compreendia a grandeza e importância desse movimento em termos de repercussões internacionais para todos os nacionalistas.

E sim, pode-se dizer que eu sou um membro dessa tão temida Alt-Right e não é pelo facto dos mainstream media me rotularem a mim e aos meus camaradas de "radicais de extrema-direita", "anti-semitas", xenófobos", "homofóbicos", "fascistas", "racistas" e (ai pavor!) "supremacistas brancos", que irei mudar as minhas ideias ou a minha postura, bem pelo contrário, só acabam por dar razão a tudo o que eu escrevo e reafirmo com a máxima das convicções. Claro que também não posso deixar de reparar que os jornalixeiros do "sistema" que nos atacam com esta violência verbal extrema, simultaneamente não sejam capazes de escrever uma única linha sobre o supremacismo judaico que anda há séculos a espalhar o caos por todo o globo terrestre. Julgo que não preciso de explicar a quem lê este blog os motivos para tal, pois todos sabemos a resposta...

João José Horta Nobre
21 de Novembro de 2016
 

18 comentários:

  1. Realmente, o artigo do Observador da direitinha é mau demais para ser verdade! Desde a forma que se mente acerca da biografia das pessoas mencionadas (o Steve Bannon é supostamente anti-semita, mas lançou o judeu Ben Shapiro e o descendente de judeus Milo Yiannopoulos), até às várias falácias sobre as suas posições.

    Por exemplo, a respeito do Milo Yiannopulos, diz-se que ele «considera a tese da discrepância salarial entre homens e mulheres “um mito”». Ora isto, escrito desta forma, dá a sensação de que o Milo nega os números e as estatísticas, o que é completamente falso. O que o Milo faz, como todos os anti-feministas contemporâneos, é dizer que os números têm justificações para diferirem no caso dos homens e das mulheres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errata: onde se lê "Desde a forma que se mente" deve ler-se "Desde a forma como se mente"

      Eliminar
    2. Parece que pelos vistos o Paulo de Almeida Sande acabou de entrar em pânico:

      http://observador.pt/opiniao/a-beira-do-abismo/

      Esta gente sabe que o seu tempo está a chegar ao fim, percebe-se isso claramente pela forma como escrevem. Estão acabados e sabem disso, agora compete-nos a nós enfiar-lhes "o último prego no caixão" e bye, bye liberalóides de uma vez por todas!

      Eliminar
    3. acho que os mundialistas estao a semear trovoadas e ventos fortes , acompanhados de enchorradas de agua !

      Eliminar
    4. http://observador.pt/opiniao/a-beira-do-abismo/

      Que deprimente... sobretudo porque se nota que nem mesmo ele acredita no que escreveu!

      Eliminar
    5. A elite está em negação da realidade e provavelmente vai continuar em negação até ao dia em que forem corridos do poder. Só depois é que vão abrir os olhos e perceber a gravidade da sua situação.

      Eliminar
  2. E eu fui o primeiro em Portugal a afirmar que o "Observador" é um órgão de desinformação. Cripto socialista.
    Até hoje, os auto titulados direitistas continuam a ser comidos.
    Está lá todo o lixo ideológico, toda a parafernália esquerdista.
    Os sociopatas são muitos astuciosos. Preenchem os espaços por antecipação.
    Metem na redação meia dúzia de idiotas úteis, os direitistas insurgentes, daqueles capazes de discutir sem se rir com Jerónimos, Costas e Catarinas, politicamente muito corretos, também produto abrileiro e eis um jornal de "direita" a passar todos os clichés e mitos de esquerda.

    ResponderEliminar
  3. Só Observador para publicar uma noticia dessa. Tendenciosa.��

    ResponderEliminar
  4. caro João, não recebeu um email enviado para:historiamaximus@hotmail.com?

    ResponderEliminar
  5. https://espectivas.wordpress.com/2016/09/07/a-direita-alternativa-altright/

    Acho que está enganado Sr. Nobre, se o Google é fiável, não foi certamente o primeiro aqui em terras de Lusitânia.

    A diferença de datas entre esse primeiro artigo do blog “espectativas” e o seu do 12 Setembro 2016, aqui: http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/09/as-elites-judaicas-querem-censurar.html

    Pode existir mais antigos ainda, mas até lá o Google diz que não foi o primeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, o Artolas está errado. Eu publiquei este artigo sobre a Alt-Right a 29 de Agosto de 2016:

      https://historiamaximus.blogspot.pt/2016/08/contra-tudo-e-contra-todos-alt-right.html

      Ninguém em Portugal publicou nada sobre a Alt-Right antes de mim. Eu verifiquei a fundo, portanto não me tentem fazer passar por parvo.

      Eliminar
  6. "caro João, não recebeu um email enviado para:historiamaximus@hotmail.com?"

    ??

    recebeu ou não a info.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo, recebi, mas como deve de compreender, eu tenho muito que fazer e ainda não tive tempo de lhe responder. Isto são email's, comentários, artigos, é muita fruta e eu obviamente que não posso atender a todos ao mesmo tempo. Portanto, calma!

      Eliminar
  7. O expresso(jornal do sr Balsemão)publicou uma entrevista ao líder do alt-right(li e achei escusado mencionar a questão do QI dos negros americanos ser inferior,acho que não é por aí que interessa ir pois desvia o foco e dá discussão desnecessária,quanto ao resto do que disse o líder do alt-right estou de acordo concerteza).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Alt-Right não tem nenhum "líder". Quem lhe disse isso, informou-o muito mal.

      Eliminar
  8. Acompanho a NPI desde 2013 quando publicaram este formidável vídeo do Alex Kurtagic.

    Na altura não usavam o termo Alt-Right, o termo Dark Enlightenment estava mais em voga.

    Está a aparecer uma nova geração de nacionalista radical de Euro-descendentes que são imunes ao politicamente correcto e vêm o main stream media por aquilo que é, ou seja uma merda.

    Quanto ao artigo do Observador, está fraco e contem muitas coisas erradas. Os "Experts" acertam metade e erram outra metade nos dados que recolhem, e depois tecem conclusões com cor política em vez de algo remotamente objectivo. Todos os jornalistas que ignoram as fontes primárias como parece que foi o caso estão condenados ao fracasso. Na melhor das hipóteses este jornalista foi incompetente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esqueci-me de deixar o vídeo do Kurtagic:

      https://www.youtube.com/watch?v=QspjaavaI9o

      Eliminar
    2. O National Policy Institute (NPI) é uma das principais pontas de lança do braço intelectual do Nacionalismo contemporâneo. Recomenda-se vivamente e dúvido muito que algum dos jornalixeiros portugueses que anda por aí armado em espertinho a escrever sobre a Alt-Right, tenha dado sequer um salt ao sitw oficial do NPI:

      http://www.npiamerica.org/

      «Está a aparecer uma nova geração de nacionalista radical de Euro-descendentes que são imunes ao politicamente correcto e vêm o main stream media por aquilo que é, ou seja uma merda.»

      O politicamente correcto esteve desde o início destinado ao fracasso. No fundo, era apenas um instrumento psicológico de controlo social, utilizado pela esquerda marxista cultural, de forma a impedir-nos de ir contra a corrente "bem pensante".

      «Todos os jornalistas que ignoram as fontes primárias como parece que foi o caso estão condenados ao fracasso. Na melhor das hipóteses este jornalista foi incompetente.»

      Meu caro, o objectivo é exactamente esse... O objectivo dos mainstream media é fazer propaganda a favor do "sistema". Os jornalistas hoje, na sua grande maioria, já não são jornalistas, mas sim propagandistas...

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...