quarta-feira, 6 de junho de 2018

Porque é Que o Imperador Nero Combatia os Cristãos?



«Toda a doutrina do politeísmo pagão era orientada no sentido de formar patriotas e cidadãos valorosos e aguerridos; pelo contrário, a doutrina cristã tinha uma orientação completamente oposta e só tendia a formar resignados pacifistas e anti-militaristas. Nisso seguiam aliás rigorosamente a doutrina do mestre: "se te derem uma bofetada na face direita, volta também a esquerda; se te roubarem a túnica, entrega também a camisa; embainha a espada porque quem com ferro mata com ferro morre."» - J. Andrade Saraiva in Perigos que Ameaçam a Europa e a Raça Branca, Lisboa, 1929

Porque é que o Imperador Nero (37 d.C. - 68 d.C.) combatia os cristãos? Porque é que ele os matava e perseguia?

Talvez porque os cristãos tinham uma política de destruição de toda a filosofia e literatura associada à antiga Religião Imperial Romana, que os mesmos depreciativamente denominavam por "pagã".

Talvez porque os cristãos, para além de desprezarem o ensino clássico, destruíram também cerca de 90% das obras da assim-chamada "literatura pagã".

Talvez porque os cristãos tinham uma política de intolerância total para com os pagãos e a prova disto foi o facto de em 385 d.C., quando conquistaram Palmira, na Síria, uma das primeiras coisas que os guerreiros cristãos então fizeram, foi destruírem a estátua da Deusa Atena, em conjunto com inúmeras outras imagens de divindades greco-romanas. Em 2015, o Estado Islâmico patrocinado pelos wahabitas da Arábia Saudita e pelos ianques, a mando da canalha israelita, voltou a repetir a proeza "gloriosa" e destruiu ou danificou mais alguns templos e imagens de divindades clássicas.

Os cristãos, como bons servos dos interesses ocultos de Sião, minaram espiritual e culturalmente o Império Romano por dentro, levando em última análise ao colapso definitivo do Mundo Clássico Greco-Romano. O Cristianismo foi o Comunismo da Antiguidade. A sua disseminação pelo Império adentro foi a vingança das elites judaicas contra os romanos, por estes terem saqueado e destruído Jerusalém e o Segundo Templo aquando da Primeira Guerra Judaico-Romana (66 d.C. - 73 d.C.).


 


Era por estes motivos e muitos mais que o Imperador Nero combatia, matava e perseguia cristãos. E não, Nero não mandou deitar fogo a Roma e não existe uma única prova sólida que sustente tal acusação (entre muitas outras barbaridades de que falsamente o acusam...), claramente inventada pela historiografia cristã com o único intuito de difamar o nosso antigo Imperador. E sim, "o nosso antigo Imperador", porque o território que hoje compõe o Estado-Nação que dá pelo nome de "Portugal"[1], fazia integralmente parte do Império Romano desde 29 a.C., ano em que se oficializou a anexação do mesmo a Roma

Quem quiser saber mais sobre os profundos e plenamente justificados ódios dos antigos romanos contra os cristãos, pode ler a obra de Catherine Nixey, A Chegada das Trevas - Como os Cristãos Destruíram o Mundo Clássico, recentemente lançada pela Saída de Emergência. Por agora, fiquem aqui com a entrevista à autora:






















________________________________________________

Notas:
[1] Com a excepção óbvia dos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
[2] SOARES, Manuela Goucha - Catherine Nixey: O Meu Livro Mostra Como os Cristãos Destruíram Estátuas e Templos e Queimaram Livros. Expresso, 29 de Maio de 2018. Link: https://leitor.expresso.pt/diario/29-05-2018/html/caderno-1/cultura/catherine-nixey--o-meu-livro-mostra-como-os-cristaos-destruiram-estatuas-e-templos-e-queimaram-livros-1

João José Horta Nobre
6 de Junho de 2018


37 comentários:

  1. Algumas observações.
    A agressividade dos cristãos iniciou após o Cristianismo ser oficializado como religião da entidade surgida pós derrocada do Império Romano do Ocidente, qdo houve a necessidade de criar um elo, através da religião, entre as culturas nórdica e latina, e iniciar um processo de relativo apaziguamento identitário entre eles. Os cristãos que desencadearam hostilidades foram os ortodoxos orientais, que passaram a cobiçar estender sua influência na região ocidental do Império falido. São entre esses cristãos ortodoxos que a judiaria se infiltrou e passou a minar o catolicismo romano, até o ponto de dominá-lo e faze-lo mais uma de seus instrumentos de poder e dominação. Independentemente disso, romanos, gregos e nórdicos identificaram o quanto, através do monoteísmo religioso e baseados no Velho Testamento Hebraico, poderiam doutrinar os povos envolvidos em favor de seus interesses. Substituíram a relação vertical homem-natureza pela relação vertical homem-homem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esqueceu-se de mencionar as "visões" dos 3 pastorinhos, o negócio de Fátima, os peregrinos mortos e feridos anualmente, o cardeal patriarca que pede orações para que chova, o padre GPA para quem a prova documental da ressuscitação de Cristo foi "comer uma posta de peixe assado", etc etc etc.

      Elevados contributos da ICAR para o progresso e desenvolvimento do país, sem dúvida. E agora um futuro ainda mais risonho com o novo cardeal de ... Fátima ! Ou será €€€átima ?

      Eliminar
    2. Outro contributo importante da ICAR foi a alteração no registo civil. Com a obrigatoriedade do registo das figuras paternas os padres deixaram de ter filhos incógnitos e passaram a ter que os perfilhar.

      Eliminar
    3. Pudera :
      "o prior de Trancoso que se entregou zelosamente à procriação de duzentos e noventa e nove filhos de cinquenta de três mulheres diferentes, incluindo mãe e irmãs, a ponto de ver a sua condenação a uma morte cruel comutada por D. João II em sonante louvor pelo patriótico serviço prestado à nobre causa do povoamento da Beira Alta"

      Até Nuno Álvares Pereira era filho do prior da Ordem do Hospital e neto do arcebispo de Braga. Com "povoamentos" assim ...

      Eliminar
    4. Quando se condena os padres que têm filhos, deve-se também condenar as idiotas das mulheres que se atiraram a eles ou deixaram, aceitaram e até gostaram, situação diferente da pedofilia, óbvio. Com tanto homem vão meter-se com os padres, porquê ? é preciso ter mau gosto.

      Eliminar
    5. «Esqueceu-se de mencionar as "visões" dos 3 pastorinhos, o negócio de Fátima,»

      Fátima é de longe o maior negócio da Igreja Portuguesa e é uma fraude que já foi exposta em vários livros pelo ex-padre Mário de Oliveira:

      http://historiamaximus.blogspot.com/2016/05/o-maior-negocio-da-igreja-portuguesa.html

      http://historiamaximus.blogspot.com/2017/03/a-fraude-do-milagre-de-fatima-e.html

      http://historiamaximus.blogspot.com/2017/02/reflexoes-sobre-religiao-parte-ii.html

      Eliminar
    6. Bolas para a senhora de Fátima. Então ela não é capaz de conter a invasão islâmica no resto da Europa ?

      Eliminar
    7. 42% dos jovens adultos de Portugal dizem não ter religião. Mais umas décadas e podem fechar o mealheiro de Fátima.

      Eliminar
  2. Quando primeiros catolicos foram condenados morte na arena romana escolheram morrer rapido e nem deram luta aos Leões.
    damnatio ad bestias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por falar em leões e arena, uma das coisas que vulgarmente se repete sobre Nero é que ele cruelmente atirava cristãos às feras no famoso Coliseu em Roma. Ora, o Coliseu só foi inaugurado em 80 d.C., sendo que Nero morreu em 68 d.C.! Dito de outra forma: quando Nero foi Imperador, o Coliseu de Roma ainda nem sequer existia, portanto como é que ele pode alguma vez ser acusado de atirar cristãos às feras no Coliseu?!!

      Nero deve ser o Imperador mais difamado de sempre. Mais ainda do que Calígula que apesar de não ter sido propriamente uma "flor que se cheirasse", também não foi o "bicho de sete cabeças" em que o transformaram.

      Eliminar
  3. Todos os avanços civilizacionais, inclusive os científicos, fizeram-se sempre contra ou apesar da ICAR. Podemos bem imaginar o que seria o mundo hoje se fosse moldado à imagem do que a ICAR acredita e defende, nalguns aspectos já sem tanta convicção, sobretudo com o Papa Francisco, que deveria ser.

    ResponderEliminar
  4. Ao avanço civilizacional corresponde o gradual encerramento de paróquias e igrejas da ICAR testemunhando a sua perda de influência na sociedade.

    Bem tentam inverter a tendência com concertos em Fátima ou exposições de moda em NY. Ao que chegaram !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Igreja está acabada. As missas estão às moscas e as novas gerações pura e simplesmente não acreditam nas balelas dos padres. É preciso ser-se retardado mental para acreditar seriamente que um judeu que viveu há 2000 anos, ressuscitou e transformou-se no "salvador da Humanidade". Só um retardado mental é que pode seriamente acreditar nisto, não há outra explicação possível.

      Eliminar
  5. Números da saúde mental dos portugueses : a população portuguesa situa-se no topo da prevalência de perturbações mentais com valores acima de 20%, cifra apenas equiparável à da Irlanda do Norte.

    Está explicada a versão portuga do catolicismo

    ResponderEliminar
  6. A incoerência dos católicos é tal que já nem sabem o que dizem !

    ResponderEliminar
  7. A ICAR na bancarrota:

    https://cruxnow.com/church-in-the-usa/2018/06/01/settlement-reached-in-st-paul-archdiocese-bankruptcy-case/

    "Fifteen Catholic dioceses or archdioceses across the country have filed for bankruptcy, including three in Minnesota, as they sought to protect themselves from growing claims of sexual abuse by clergy members."

    Declaram bancarrota para não indemnizar mais vítimas !

    ResponderEliminar
  8. Há coerência entre ser-se padre e ser-se pedófilo ou abusador de crianças ?
    Há coerência da hierarquia católica em condenar publicamente esses casos e manter o encobrimento desses criminosos ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não procure coerência na Igreja Católica, pois isso é coisa que simplesmente não existe, nem nunca existiu em tal instituição religiosa.

      Eliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. As religiões abraâmicas são lixo puro. Deviam de desparecer todas da face da Terra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dia acredito que desapareçam, mas isso ainda vai levar muito, muito tempo até se concretizar.

      Eliminar
  11. Um livro oportuno, mesmo para os cristãos: serve de aviso para o que lhes pode acontecer com o avanço do Islão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nova entrevista de Catherine Nixey no Diário de Notícias:

      https://www.dn.pt/mundo/interior/catherine-nixey-a-estatua-de-atena-atacada-pelo-daesh-foi-vandalizada-por-cristaos-em-385-9421102.html

      Eliminar
  12. Cuidado, não se tornem em mais outros idiotas uteis daqueles que aparentemente pretendem combater ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero dizer que, o que quer que o cristianismo sobretudo a igreja católica tenham históricamente feito, bem ou mal. Existe 2000 mil anos de raizes cristãs nas identidades europeias integrada com a cultura e escolástica greco-romana desde o pensamento filosofico à arte, musica e arquitectura. Existem nações que estão fundadas no cristianismo, como a nossa. As narrativas e o heroismo que dão o significado às identidades dos povos europeus das nações europeias são "cristãs". Se quiser se livrar da ultima perderá a primeira. Com a perda da força do cristianismo o joão não irá conseguir voltar aos tempos pré cristãos. Estará só a contribuir para aquilo e para agenda daqueles que afirma combater, na destruição das identidades ocidentais e acelerar ainda mais a decadência das sociedades actuais. Dai a expressão "idiotas uteis". A demonização que está a ser feita ao cristianismo que acaba de publicar tem esse objectivo. Corrosão das raizes dos povos ocidentais. Acha que o Expresso ou o Guardian iriam estar interessados em publicar e dar voz ao trabalho por exemplo de David Irving , com estão a dar a essa senhora ?
      É por isso que a Russia está a ressustitar o cristianismo ortodoxo e é por isso que as nações que mais estão a resistir e que estão a ser mais demonizadas nos avanços das agendas globalistas são aquelas que se identificam mais com as suas identidades cristãs.

      Eliminar
    2. «Existem nações que estão fundadas no cristianismo, como a nossa»

      Portugal pode ter sido fundado por um Rei adepto do Cristianismo, no entanto, hoje o que é que Portugal tem de cristão? É verdade que existem feriados religiosos e celebra-se o natal e mais umas coisas cristãs, mas isso está tudo reduzido a mero folclore. A maioria dos miúdos anseiam pelo dia de natal para receber os presentes e não irem à escola. O Cristianismo em Portugal não está morto mas está claramente moribundo e prestes a entrar em coma irreversível...

      «As narrativas e o heroismo que dão o significado às identidades dos povos europeus das nações europeias são "cristãs".»

      Eu não me sinto minimamente cristão e a minha identidade não se identifica minimamente com o Cristianismo. Não tive uma educação religiosa e nunca estudei em nenhuma escola religiosa. Não me sinto minimamente orgulhoso, nem enaltecido por "narrativas" ou "heroísmo" cristão porque lá está, isso é uma religião que simplesmente não me diz rigorosamente nada. Jesus para mim não passou de um vigarista judeu, que fez do engano um modo de vida. No fim acabou pregado a uma cruz pelos romanos e ponto final no assunto. Não houve nenhuma "Ressurreição" mágica, nem "salvação da Humanidade". O que houve, isso sim, foi a morte de um judeu mentiroso, nada mais.

      «Com a perda da força do cristianismo o joão não irá conseguir voltar aos tempos pré cristãos.»

      E onde é que eu alguma vez disse ou escrevi que gostaria de voltar aos tempos pré-cristãos? Lol, há um certo mal entendido sobre mim que corre por aí na internet, em que se comenta que eu sou um neopagão que quer restaurar o culto dos antigos deuses! Looool, nada poderia estar mais longe da verdade! Eu não sou, nem nunca fui um neopagão. Simplesmente gosto do Paganismo como uma marca identitária, nada mais. Do ponto de vista religioso eu não sou ateu, acredito que há alguma força superior que rege os mistérios do Universo e para mim isto basta. Não preciso, nem nunca precisei de religiões organizadas. Como diz o David Icke: "May God save us from organized religion!"

      Eliminar
    3. «Estará só a contribuir para aquilo e para agenda daqueles que afirma combater, na destruição das identidades ocidentais e acelerar ainda mais a decadência das sociedades actuais.»

      Mas diga-me lá, você acredita mesmo que as pessoas vão voltar ao Cristianismo no Ocidente? A sério? Acredita mesmo nisso? O meu caro ainda não percebeu que o Cristianismo está acabado por estas bandas? Até os russos já reconhecem este facto:

      https://br.sputniknews.com/europa/2018032610831170-numero-religiosos-europa/

      Em que década é que o anónimo está a viver? Com excepção da Polónia e da Hungria que são dois casos de estudo interessantes, o Cristianismo está em colapso por toda a Europa. Na Rússia fala-se em "renascimento ortodoxo", é verdade, mas não sei até que ponto tal não será mais propaganda do que outra coisa. Ainda recentemente, uma pessoa que conheço disse-me que foi a uma missa e havia sete pessoas na missa! Sete pessoas e das sete, seis eram velhotas que estão "com os pés para a cova"...

      «A demonização que está a ser feita ao cristianismo que acaba de publicar tem esse objectivo.»

      Não creio que a Catherine Nixey tenha como objectivo "demonizar o Cristianismo". Ela simplesmente fez um estudo sobre o comportamento dos cristãos na Época Clássica Tardia. O curioso é que este livro de Catherine Nixey só vem confirmar aquilo que eu próprio ando a dizer sobre o Cristianismo há muito, ou seja, que tal religião para além de não prestar, é um culto que facilmente resvala para o fanatismo insano, algo que de resto, é uma característica comum a todas as religiões abraâmicas. A "linha vermelha" que separa a razão da loucura sempre foi muito ténue nestas religiões do Médio Oriente.

      «Acha que o Expresso ou o Guardian iriam estar interessados em publicar e dar voz ao trabalho por exemplo de David Irving , com estão a dar a essa senhora ?»

      Se o Expresso ou o Guardian acham que só por darem voz a Catherine Nixey estão a corroer as raízes dos povos ocidentais, então esse dois jornais estão muito enganados. A obra de Nixey ajuda a reforçar essas mesmas raízes na medida em que potencialmente aumenta o interesse e o gosto pela área dos estudos clássicos. Agora não me diga que aumentar o interesse pelos estudos clássicos, que isso também corroí as "raízes dos povos ocidentais"!

      «É por isso que a Russia está a ressustitar o cristianismo ortodoxo e é por isso que as nações que mais estão a resistir e que estão a ser mais demonizadas nos avanços das agendas globalistas são aquelas que se identificam mais com as suas identidades cristãs.»

      Acha mesmo que o Cristianismo ortodoxo está a "ressuscitar"? Olhe, isso a mim parece-me mais propaganda da Igreja Ortodoxa, do que outra coisa qualquer. O Cristianismo é uma armadilha fatal que como qualquer parasita assassino, acaba eventualmente por destruir as sociedades onde se instala:

      http://historiamaximus.blogspot.com/2016/05/a-igreja-abre-o-caminho.html

      Eliminar
    4. Não se trata da sua identidade, mas da identidade historica colectiva da nação. E caramba falar da figura de jesus nazaré como um vigarista mentiroso, e a seguir citar David Icke o tipo dos "reptilianos extraterrestres". É no minimo ... bem, digamos que fiquei esclarecido.

      Eliminar
    5. Portucale é bom exemplo de implosão do catolicismo, onde no período inquisatório as comunidades judaicas foram, em grande parte, forçadas a conversão cristã, mas que se mantiveram judaizando. Descobriram que podiam exercer dupla face, e com isso avançar social/politicamente e principalmente economicamente.

      Eliminar
    6. «Não se trata da sua identidade, mas da identidade historica colectiva da nação.»

      Pois, lá está, "identidade histórica". É que o Cristianismo cada vez mais não passa mesmo de história em Portugal. Há imensas crianças que a título de exemplo, associam a Páscoa apenas ao coelho da Páscoa e aos ovos. O Natal é o dia do Pai Natal e dos presentes. Estes feriados outrora religiosos, estão hoje reduzidos a mero folclore materialista. A "identidade histórica" é isso mesmo, histórica...

      «E caramba falar da figura de jesus nazaré como um vigarista mentiroso, e a seguir citar David Icke o tipo dos "reptilianos extraterrestres". É no minimo ... bem, digamos que fiquei esclarecido.»

      Vigarista mentiroso porque Jesus não foi o Messias. Neste ponto concordo 100% com os judeus que se recusam a reconhecer Jesus como o Messias. Simplesmente não faz sentido e não bate certo que Jesus possa ser o Messias, até porque uma das crenças centrais do Judaísmo é a de que o Messias deverá trazer a paz perpétua à Terra quando ele eventualmente chegar. Ora, onde é que está a paz perpétua?...

      Qaunto ao David Icke, eu não acredito na sua teoria dos "reptilianos" que controlam o Mundo, bem pelo contrário, os tais "reptilianos" são na realidade uma metáfora para os judeus e a máfia globalista. Leia David Icke com atenção e estude um pouco a sua obra e verá como "reptilianos" são uma metáfora que ele muito inteligentemente usa para evitar acusações de anti-semitismo. David Icke é até a meu ver um dos mais cultos pensadores anti-Nova Ordem Mundial da actualidade, infelizmente, ele é também simultaneamente muito incompreendido por causa da sua teoria dos "reptilianos", pois a maioria das pessoas não entende que se trata de uma metáfora e acaba por descartá-lo ou até mesmo ridicularizá-lo.

      Eliminar
    7. Fora com as religiões da vida pública!
      Fora com a disciplina de religião e moral nas escolas!
      Fora com os cargos de capelão nas Forças Armadas!
      Fora com o calendário escolar ao sabor dos feriados religiosos!
      Fora com os feriados religosos!
      Estou farto deles, quem quiser "bater com a cabeça nas paredes" que o faça dentro das suas "Igrejas"!

      Eliminar
    8. Nas escolas públicas a Religião e Moral é meramente facultativa, nem sei a percentagem dos miúdos que assistem, mas é perguntado aos Encarregados de Educação se querem que o educando frequente ou não. Verdade seja dita. Logo há liberdade e escolha e há muito tempo que é assim, muitas décadas.

      Eliminar
    9. Os católicos continuam a arrotar postas de pescada como se estivessem na condição de maioria mas ainda não perceberam que, em boa verdade, são uma minoria e que esta está a definhar cada vez mais.
      Para se entender o que digo, é importante distinguir a identidade católica por pertença (tradição) da identidade católica por crença (convicção). É óbvio que muitos católicos que dizem sê-lo por mera tradição familiar não deixam de manter vínculos afectivos com o catolicismo. Mas é mais do que óbvio que os "verdadeiros" católicos (se é que isso existe!), isto é, aqueles que dizem ser católicos por verdadeira convicção e crença, são uma minoria na maior parte das sociedades ocidentais, incluindo aquelas, como a nossa, onde o catolicismo tem uma aparência hegemónica.
      Podem invocar as "alminhas" baptizadas mas, destas, uma boa parte está-se a marimbar para a Igreja e para as suas crenças. São católicos porque assim foram "classificados" ou "catalogados". Podem invocar os 80% de portugueses que se dizem católicos mas, em boa verdade, a maior parte deles só o é devido a uma herança tradicional ou familiar, sem partilharem as crenças e as convicções da Igreja. Em boa verdade, se disserem à maior parte dos católicos que, quando comungam, estão a ingerir a verdadeira carne de Jesus, muitos deles ficarão escandalizados e sentir-se-ão insultados, já que desconhecem por completo o dogma da transubstanciação.
      E esta desagregação e definhamento do catolicismo só vai ter tendência a acentuar-se à medida que se promove o desenvolvimento económico-social e humano de cada sociedade. Não é por mero acaso que 42% da jovem população adulta portuguesa diz que não tem religião. Um resultado destes seria imaginável há duas ou três décadas. Mas, nas próximas décadas, irá aumentar o distanciamento progressivo das sociedades face aos discursos religiosos e a Igreja Católica não será excepção.
      É óbvio que, presentemente, os católicos representam o mais numeroso dos grupos religiosos da sociedade portuguesa. Mas o número de católicos verdadeiramente convictos está longe de ser maioritário na nossa sociedade. São o grupo mais numeroso mas são, cada vez mais, uma minoria na sociedade portuguesa.
      O que se passa na sociedade portuguesa é extensível a outras sociedades. Veja-se o exemplo da catolicíssima sociedade irlandesa que, em escassas décadas, votou contra as posições declaradas da Igreja Católica. Um povo convictamente católico não estaria disposto a aprovar o divórcio, o casamento homossexual ou a Interrupção Voluntária da Gravidez. Tempos houve em que o povinho votava massivamente de acordo com o que a Igreja decretava (atentem nos esmagadores resultados do Anschluss, depois da Igreja Católica austríaca ter declarado em todas as paróquias que todo o bom católico não podia votar de outra forma a não ser ao lado de Hitler). Hoje em dia, a Igreja gesticula, esbraceja, barafusta e ameaça mas o povinho está-se a borrifar para as suas perspectivas.

      Eliminar
  13. Nova entrevista de Catherine Nixey no Diário de Notícias:

    https://www.dn.pt/mundo/interior/catherine-nixey-a-estatua-de-atena-atacada-pelo-daesh-foi-vandalizada-por-cristaos-em-385-9421102.html

    ResponderEliminar
  14. Problema dos catolicos praticantes. Há cada vez menos. Porquê será ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho uma profecia de que o picante que pus ma carne irá me trazer dilúvios de lama bem quente

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...